Guia da Semana

30 anos sem Bob Marley

Em 11 de março de 1981 o porta-voz oficial da filosofia rastafári deixava para o mundo a sua herança reggae, as mensagens de amor e um ícone para as gerações



"Se a vida fosse bela, todo dia teria sol, todo mar teria onda, toda música seria reggae e toda fumaça faria a cabeça". A frase dita em um dos momentos de reflexão de Robert Nesta Marley resume o estilo de vida adotado pelo artista ao longo dos 20 anos de carreira e 36 anos de vida. O cantor conhecido pelos seus dreadlocks e pela apologia ao uso da maconha foi responsável por levar a musicalidade jamaicana para os quatro cantos do planeta.

Mais do que um simples músico, por meio das letras e da cultura rasta Bob Marley plantou suas ideias, semeou a espiritualidade e se tornou uma figura política e religiosa. Mesmo depois de 30 anos da sua morte, o rei do reggae mantém-se como uma lenda viva, atraindo multidões e influenciando artistas do mundo todo.

Vida

Nasceu em 6 de maio de 1945, filho de mãe jamaicana e pai inglês, teve criação humilde e morou no gueto da Jamaica até seus primeiros trabalhos musicais. Isso ajudou a desenvolver o olhar crítico aos problemas sociais. Em 1962, com Peter Tosh e Bunny Wailer, formou a banda The Wailers, responsável pelo seu primeiro single, Judge Not.

Por motivos financeiros, teve que se mudar quatro anos depois para os Estados Unidos, onde conheceu o jamaicano de origem cubana Mortimer Planno, responsável por ensinar parte da cultura rastafári, que mesclava profecias bíblicas, filosofia naturalista e orgulho negro. A maconha era um elemento que fazia parte da celebração espiritual dessa cultura. Por isso, acabou sendo incorporada nas letras musicais.

 Confira algumas das principais músicas de Bob Marley
1- Buffalo Soldier
2- Could You Be Loved
3- Get up, Stand up
4- I Shot the Sheriff
5- Is This Love
6- Jammin´
7- Three Little Birds
8- No Woman, No Cry
9- Redemption Song
10- Stir It Up

Obra



O álbum Catch a Fire veio em 1973 e já era possível perceber as influências dos ritmos jamaicanos ska e rocksteady. Na sequência, o disco Burnin estourou no mercado norte-americano com os sucessos Get Up, Sand Up e I Shot the Sheriff. Sua mulher, Rita Marley, fazia parte da banda. Ela foi mãe de quatro dos seus doze filhos (sendo dois adotivos), entre eles Ziggy e Stephen Marley, que deram continuidade ao legado musical de seu pai na banda Melody Makers.

Por imposições da gravadora, na mesma época eles mudaram o nome da banda para Bob Marley & The Wailers, provocando a saída de Peter Tosh e Bunny Wailer. O sucesso se manteve nos discos Natty Dread (1975) e Rastaman Vibrations (1976), chegou aos primeiros lugares dos rankings nos EUA e explorou intensamente a mensagem de amor e crítica social.

Nos EUA, Marley produziu e lançou Exodus (1977), Kaya (1978), Babylon By Bus (1978) e Survival (1979), aumentando ainda mais sua fama internacional. O último disco, Uprising (1980), foi um reflexo disso, com uma turnê pela Europa que quebrou recordes de público.

Morte

Sua morte foi ocasionada por uma ferida no dedão de seu pé direito, que surgiu em 1977. A princípio, Bob pensou que tinha sido feita em uma partida de futebol, mas como o tempo não cicatrizou e até sua unha caiu, descobriu, posteriormente, que sofria uma espécie de câncer de pele. Os médicos aconselharam amputar, mas os princípios rastafáris impediram a intervenção.



A doença foi mantida em segredo do público, e Marley até tentou extirpar as células cancerígenas. Antes mesmo de finalizar a turnê de Uprising, Bob não resistiu ao câncer e morreu em Miami, em 11 de maio de 1981. Seu corpo foi transferido para um mausoléu na Jamaica e se transformou em um dos mais importantes ícones do país.

Mito

Após a morte, o disco póstumo Confrontation (1983) ainda foi lançado e diversas outras coletâneas atraíram o público. A última foi divulgada pela viúva em março, Bob Marley & The Wailers - Live Forever, com o objetivo de perpetuar a mensagem de amor e esperança.

Bob Marley extrapolou a carreira musical e atuou de forma intensa em movimentos políticos. Por causa disso, sofreu um atentado na Jamaica e teve que morar na Inglaterra em 1976. Suas canções, que denunciavam a pobreza e a exploração da miséria, transformaram o artista em subversivo aos olhos de muitos governos. Apesar da sua morte completar três décadas, a mensagem contra as mazelas sociais ainda é atual e hoje serve  de bandeira não só para a cultura reggae.

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças