Guia da Semana

9 curiosidades sobre Brigitte Bardot

De atriz de cinema à cantora e ativista, BB tem uma trajetória interessante e envolvente

Conhecida como BB, suas iniciais, Brigitte Anne-Marie Bardot foi considerada símbolo sexual dos anos 50 e 60. Ícone de popularidade, esteve entre os 100 nomes mais influentes do mundo da moda e ganhou fama ao atuar no polêmico filme "E Deus Criou a Mulher", produzido por Roger Vadim, seu marido na época. 

Considerada à frente de seu tempo, Brigitte não ganhou grandes prêmios no cinema e, já longe das câmeras e do entretenimento, tornou-se ativista dos direitos animais. Durante o mês de setembro, será homanageada na mostra Brigitte Bardot Dans L'Intimité, no Shopping D&D e, pensando em sua trajetória instigante, o Guia da Semana lista nove curiosidades a seu respeito. Confira:

INFLUÊNCIA DA MÃE

A mãe de Brigitte, Anne-Marie, teve forte influência em sua vida. Através dela, conheceu a arte, a música e a dança e, assim, entrou em um conservatório de Ballet, onde estudou por alguns anos. Algum tempo depois, ainda sob os olhares e incentivos maternos, iniciou seus trabalhos no mundo da moda e um ano depois já era capa da Elle francesa. Também apostou na carreira de cantora e lançou diversos discos. 

CARREIRA NO CINEMA

Ao ser capa de revista, chamou atenção de Roger Vadim, que a apresentou a cineastas e roteiristas. Depois de alguns testes e algumas tentativas, estreou no cinema aos 17 anos de idade. Desde o início, Brigitte era sempre o centro das atenções nos festivais, como Cannes. 

FAMA E RECONHECIMENTO 

Com o começo da Nouvelle Vague francesa, Roger Vadim acreditou que Bardot se daria bem nessa nova linha de arte e a escalou para o papel principal de seu novo filme, chamado "E Deus Criou a Mulher".

A história contava a vida de uma adolescente amoral de uma cidadezinha do litoral e, assim como Vadim previa, fez um imenso sucesso, causando também um escândalo mundial. O longa rodou o mundo e fez com que BB se tornasse um fenômeno. 

Proibido em alguns países, foi condenado pela Liga da Descência Católica e a cena em que dança descalça em cima da mesa é considerada uma das mais eróticas da história do cinema. 

PODER 

Durante a década de 1960, a Europa - em especial Londres e Paris - passou a ser o novo centro da moda e comportamento e, assim, Bardot passou a ser considerada Deusa Sexual da época. Também se dizia que ela era mais importante para a balança comercial francesa do que as exportações automobilísticas do país. 

VIDA AMOROSA E DEVORADORA DE HOMENS

Conhecida pela mídia como devoradora de homens por começar e terminar diversos relacionamentos de forma rápida e também pela quantidade deles, casou-se três vezes durante sua carreira cinematográfica. 

O primeiro, contra a vontade dos pais, foi com Roger Vadim, de quem se divorciou após tê-lo traído com um parceiro de cena. Em seguida, casou-se com o ator Jacques Charrier com quem teve seu único filho, Nicolas-Jacques Charrier (BB disse ter sido obrigada a casar por ter ficado grávida e não ter conseguido fazer um aborto, pois já tinha feito outros dois em seu antigo casamento). O terceiro casamento foi com o multimilionário Gunter Sachs e aconteceu quatro semanas após terem se conhecido.

Atualmente é casada com Bernard D'Ormale Jean-Marie Le Pen, ex presidente da Frente Nacional Francesa, partido de extrema direita. 

MUDANÇA NA CARREIRA

Com o passar dos anos, houveram fortes mudanças no rumo de sua carreira, passando a atuar em filmes mais substanciais - o que lhe rendeu uma grande pressão, tendo em vista que, ao mesmo tempo em que tinha aclamação da crítica na França, continuava sendo a mulher sexual para o resto do mundo.

Já consagrada como um ícone fashion, a 20th Century Fox lançou o filme "Minha Querida Brigitte" em sua homenagem, onde ela aparece em algumas cenas atuando como ela mesma. 

ATIVISMO

Pouco antes de completar 40 anos, anunciou o fim de sua carreira e decidiu usar sua fama pessoal para defender os direitos dos animas. Atraiu a atenção mundial para denunciar o massacre aos bebes-focas no Canadá; criou a Foundation Brigitte-Bardot, declarada de utilidade pública e com Dalai Lama como membro honorário; apresentou uma série chamada S.O.S. Animaux; liderou campanhas contra caça de baleias, contra o uso de casacos de pele e experiências de laboratório com animais. 

POLÍTICA E PROCESSOS

Apesar de ativista, BB foi pesadamente criticada devido suas posições em relação à imigração árabe e também à homossexualidade, o que lhe causou muitos processos que lhe custaram muito da popularidade que havia conquistado. Atualmente, ganhou a antipatia das novas gerações francesas.

INFLUÊNCIAS NA CULTURA

- Brigitte popularizou o uso do biquíni, após aparecer com um em um filme e também em revistas.

- Era idolatrada por John Lennon e Paul McCartney. Juntos, fizeram planos para um filme dos Beatles, que nunca existiu.

- Bob Dylan dedicou a ela a primeira música que compôs na vida

- Por ter feito ballet durante anos, pediu a uma marca que desenvolvesse algumas sapatilhas para que ela pudesse usar no dia a dia (mas acabou usando até no tapete vermelho, em Cannes).

Atualizado em 9 Set 2015.

Por Nathália Tourais
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças