Guia da Semana

A alma decepcionada frente à realidade

Confira a opinião do colunista sobre o espetáculo Santidade


Foto: Divulgação

Um Zé Celso nu, escancarando a idade. Uma cama. Dois outros corpos jovens. Dezenas de pufes espalhados pelo corredor central do Teatro Oficina, recebendo com vinho e hóstia o público disposto a enfrentar o frio e reencontrar Santidade, primeiro texto de José Vicente de Paula, censurado em 1968, e atualizado nas referências de espaço, idéias e comportamentos. Não poderia ser de outra forma, tratando-se do Oficina.

Os dois jovens são Fransérgio Araújo e Haroldo Costa. Personagens irmãos. Zé Celso faz o estilista Ivo. E basta cruzarmos com seu olhar que tudo, então, faz sentido. Não houve ainda melhor ator do Oficina que ele próprio. A fala, o sorriso, a ironia cadenciada na malícia dos trocadilhos. O viver teatro rege a cena, e dela reconstrói o dionisíaco. Se o texto é realista, pouco importa. Nada é mais real que Zé Celso em um palco.

Falhas no som, marcações desnecessárias, falta de unidade nas interpretações. Mas a direção de Marcelo Drummond traduz a necessidade de ouvirmos atentamente o que Zé Vicente diz, mostrando que a retórica da contracultura dos anos 70 se mantém pertinente e não solucionada.

Semanas atrás, Gilles Lipovetsky, lançou em São Paulo o livro A Sociedade da Decepção. Nele, o sociólogo-filósofo francês aborda as características do excesso no modo como vivemos. E aponta, como sobrevivência ao capitalismo desenfreado, dois suportes de sustentação do indivíduo: o consumo, instrumento ilusório de inclusão, e a fé, relação cada vez mais abandonada, como capazes de suprir a constante inevitável permanência da decepção na sociedade hipermoderna.

Santidade parece ter sido escrito em parceria com Lipovetsky. O prazer intrinsecamente ligado às decepções morais e sociais. Um michê ex-seminarista amante do estilista. Personagens sobrevivendo escondidos em artifícios de consumo do corpo. Seja pelo sexo, drogas ou pela moda, um disfarce cultural-estético de busca de afirmação junto ao meio. Traduzindo, portanto, a perda do valor individual do ser, agora sustentado pela capitalização do homem-mercadoria, substituível, efêmero. Já o diácono em busca de maior compreensão da realidade expressa a urgência e fragilidade da fé para sobreviver a um universo amplo de decepções.

Zé Vicente acerta quarenta anos antes a solidão com a qual a nossa sociedade, condescendente ao capitalismo neoliberal, entrega-se às decepções como estados inevitáveis e compreensíveis.

Se por um lado as decepções são de fato imperativas na busca incessante do ser humano em se satisfazer, por outro a fé, que destituída das instituições, poderia ser o elo de superação, rendeu-se ao misticismo mercadológico, enquanto assistimos ao papa retomar o discurso conservador.

O mergulho nas falas de Zé Vicente pelo Oficina, escancara ainda mais a incoerência da dramaturgia atual, onde o discurso se perde em técnica e falta de reflexão. Recoloca em cena um dos autores mais atuais da nossa sociedade, enquanto escancara na face nua de Zé Celso que o teatro sobrevive a tudo e ao tempo.

Leia as colunas anteriores de Ruy Filho:

? Mais Quero Asno... e os recursos do fomento


? El Chingo e os fantasmas de cada um


? Com prosecco e qualidade


? O teatro candango e a morte de todos os dias


? Entre o silêncio e a mudez


? A ciência como pretexto dramático


Quem é o colunista: Ruy Filho.

O que faz: diretor e dramaturgo.

Pecado gastronômico: carpaccio de pato do Piselli.


Melhor lugar do Brasil: Salvador fora de temporada.


Fale com ele: ruyfilhosp@yahoo.com.br ou acesse o blog do autor

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças