Guia da Semana

A Forma Das Coisas

Texto do aclamado e controverso diretor Neil Labute, inédito no Brasil, propõe reflexão sobre os experimentos da arte e sua influência no cotidiano

Foto: divulgação


Até onde estamos dispostos a ir por uma crença? Quais os limites que somos capazes de ultrapassar em nome do amor e de uma idéia? Que verdades omitimos dos outros e de nós mesmos para justificar nossos desejos?

O espetáculo A Forma Das Coisas, do dramaturgo e diretor americano Neil Labute (autor do bem sucedido Baque, encenado em 2005 no Brasil), e tradução de Marcos Ribas de Faria, em cartaz no Espaço SESC-Copacabana, traz à luz algumas respostas a respeito da interferência da arte no cotidiano e quais os efeitos transformadores que acarretam na vida de quatro jovens estudantes de uma universidade norte-americana. O texto se propõe a um exame das relações de amor, amizade, cumplicidade e os conflitos gerados a partir destes relacionamentos.

Evelyn (Carol Portes) e Adam (Pedro Osório) são completamente diferentes. Ela é uma bela e arrojada estudante de Artes, prestes a concluir seu mestrado. Ele, um sujeito tímido e introspectivo, que trabalha como guarda do Museu da Universidade. O que a princípio poderia sugerir apenas uma comédia sessão da tarde, nas mãos de Neil Labute tem um certo sabor de provocação. A adaptação e montagem idealizada e dirigida por Guilherme Leme com co-direção de Pedro Neschling está impecável. Doses certas de humor e boas sacadas de interpretação dão o tempero que garante momentos de diversão durante o espetáculo.

Os quatro atores que dividem o espetáculo parecem ter entendido a essência do trabalho de Labute e dão a tônica certa ao quarteto de amigos. Carol Portes está bem segura no papel de Evelyn, demonstrando coerência e talento na construção de seu personagem, garantindo os melhores momentos do espetáculo. Pedro Osório, indicado ao Prêmio Shell em 2001 por Trainspotting, em ótima atuação, consegue criar um Adam leve e tímido, transpondo para o palco a insegurança e os conflitos presentes na personalidade do personagem. A Diana, de Karla Dalvi, tem a carga dramática e a leveza necessária para fazer o contraponto com a personalidade da Evelyn defendida por Carol Portes. O explosivo Johnny, bem defendido por André Cursino, completa o quadro de atores.

O ponto forte do espetáculo está na direção e concepção de Guilherme Leme que consegue construir um espetáculo com as cores certas de Labute. O espaço cênico é uma atração à parte e o cenário de Aurora dos Campos participa da construção da trama, se adequando e se transformando conforme o próprio Adam se transforma. A iluminação do grande Maneco Quinderé e a trilha sonora de Marcello H completam o trabalho do diretor, garantindo um espetáculo rico em conceito e plasticidade.

Mais do que apenas discutir a arte, a peça propõe uma discussão sobre os limites da interferência do artista na vida das pessoas, o resto não se pode contar, correndo-se o risco de estragar a grande surpresa que o final do espetáculo trará.

Quem é o colunista: Celso Pontara.

O que faz: Paulista, radicado no Rio, Celso Pontara é uma mistura de ator, dramaturgo e produtor cultural. É editor do Portal El Jorro - www.eljorro.com.br, o portal que traz notícias sobre a cena teatral carioca.

Pecado gastronômico: Coxinha de camarão do Bar Rebouças no Rio.


Melhor lugar do Brasil: Paraty.


Fale com ele: capontara@uol.com.br ou acesse o blog do autor

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças