Guia da Semana

A hora e a vez de Vargas Llosa

Conheça as principais obras do peruano que entrou para a seleta lista de escritores latino-americanos a receber o Nobel de Literatura


Foto: AFP

Mario Vargas Llosa é jornalista, ensaísta e político liberal

Depois de Gabriel García Márquez, Pablo Neruda, Miguel Astúrias, Gabriela Mistral e Octavio Paz, foi o peruano Mario Vargas Llosa o representante da América Latina na mais conhecida premiação internacional literária. O autor é apenas o sexto do continente e o 11º de língua espanhola a receber o Nobel da categoria, criada há mais de um século.

As palmas e o reconhecimento foram para seis décadas dedicadas a romances que transitam entre autobiografias e ficções que abordam questões políticas, principalmente latino-americanas. Para quem deseja conhecer melhor a bibliografia do autor, o Guia da Semana consultou profissionais da área e selecionou cinco livros que não podem deixar de serem lidos.

O time contou com a participação de especialistas da PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo): Eliane Gonçalves, professora de Literatura Espanhola e coordenadora do curso de Letras; Vera Bastazin, que ministra a disciplina de Crítica Literária na pós-graduação e Claudia Bruno Galvan, docente de Língua Espanhola. Confira!

A cidade e os cachorros

Escrito em 1962, o romance de fundo autobiográfico revelou ao mundo o talento do autor. Traduzido para mais de 30 idiomas é hoje em dia considerado um clássico da literatura latino-americana. A história do livro se passa no Colégio Militar Leôncio Prado - onde o autor estudou durante a infância -, regido por um violento código de conduta. O ambiente cruel e hostil a que os jovens internos são submetidos é descrito numa narrativa que liga o passado ao presente e apresenta o drama dos personagens em diferentes pontos de vista. Dessa forma, é feita uma crítica sutil às instituições que formam alunos sem convicções, preocupados apenas em sobreviver no meio autoritário.

Ficha Técnica
A cidade e os cachorros
Editora: Alfaguara
Ano de publicação: 2007
Número de páginas: 476

A casa verde

Se com A cidade e os cachorros Vargas Llosa ficou conhecido, foi com A casa verde que ele se consolidou como um dos principais escritores da década de 60, recebendo premiações na Espanha e Venezuela. No enredo, o forasteiro Don Alsemo constrói um misterioso sobrado verde num vilarejo próximo à cidade de Piúra, no Peru. Aos poucos, os habitantes do povoado descobrem que a construção nada mais é que um prostíbulo que mudará a rotina da pacata cidade. A voz do narrador se mistura às falas dos personagens, num texto que recebe fortes influências das obras de Gustave Flaubert.

Ficha Técnica
A casa verde
Editora: Alfaguara
Ano de publicação: 2009
Número de páginas: 408

Tia Julia e o Escrevinhador

Misturando memórias autobiográficas, ficção e uma pitada de humor, Vargas Llosa se inspira no próprio casamento com a boliviana Julia Urquidi, 15 anos mais velha, para escrever esse livro publicado em 1977. O título narra a paixão proibida, na conservadora cidade de Lima dos anos 50, entre Varguitas, um jovem peruano com ambições literárias, e a tia, com quase o dobro da sua idade. Paralelamente, o protagonista conhece Pedro Camacho, um singular autor de radionovela, e vê sua relação amorosa ser afetada pela descoberta da família.

Ficha Técnica
Tia Julia e o Escrivinhador
Editora: Objetiva
Ano de publicação: 2010
Número de páginas: 464


Travessuras da menina má

Relata os encontros e desencontros de um amor que se estende ao longo de quatro décadas, ao mesmo tempo em que traça um panorama das transformações sociais e políticas na Europa e América Latina durante esse período. A trama de Ricardo e Lily é fictícia, mas o cenário remete às cidades em que o autor morou em um certo período de tempo: o Peru da sua infância; a Paris revolucionária dos anos 1960; a Londres dos anos 1970 influenciada pelo movimento hippie; e a Espanha dos anos 1980, onde o escritor se radicou.

Ficha Técnica
Travessuras da menina má
Editora: Objetiva
Ano de publicação: 2010
Número de páginas: 400

Pantaleão e as visitadoras

Publicado em 1973 e adaptado para o cinema, o bem-humorado livro conta as aventuras de Pantaleão Pantoja, um capitão recentemente promovido do Exército que tem a inusitada missão de criar um serviço de prostitutas - isoladas na selva amazônica - para as Forças Armadas do Peru. O que era para ser uma sigilosa tarefa se transforma no maior empreendimento de prostitutas do país, e o protagonista se encontra em uma tremenda confusão ao se envolver com uma das visitadoras.


Ficha Técnica
Pantaleão e as visitadoras
Editora: Objetiva
Ano de publicação: 2011
Número de páginas: 365

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças