Guia da Semana

A tragicomédia e a facilidade em nos manter imbecil

Como uma peça grega deve ser encenada hoje?

Foto: Morguefile


Em seu mais recente trabalho, A Comédia Grega, a Companhia dos Pássaros perde uma boa oportunidade para dilacerar um tema um tanto indigesto: que a percepção do trágico perdera seus aspectos no nosso tempo e a importância de entendermos a história como reflexo de nossas ações.

O espetáculo, caminhando pela obviedade dos trocadilhos e acreditando estarem neles suas melhores conquistas, abusa de nomes e sonoridades de palavras gregas ou características dos primórdios da cena trágica, revelando, ao fim, não ter muito mais o que dali ser apreendido. O objetivo nitidamente é a mera diversão do espectador. Distorções morais sobre o homossexualismo e a vaidade feminina valorizam os risos fáceis, com a presunção de se revelar interessante no juntar de tantos clichês.

As comédias sempre conquistam quase imediatamente o público. Reconhecimento e empatia imediatos. Mas talvez seja essa facilidade cega que mais distancie a produção atual do surgimento de bons comediólogos. Sucesso versus profundidade?

A tragicomédia surge na literatura grega após a ida dos comediólogos e trágicos, sobretudo atenienses, para a Macedônia. O afastamento da capital Atenas e das Grandes Dionisíacas (festivais de tragédias), determina aos temas e personagens maior aproximação do cotidiano. Surgem, então, peças mais voltadas à paródia de costumes, e, dentre as questões abordadas, também a tragédia é enquadrada numa trama cômica.

De lá pra cá muito e nada mudara. Os tempos são outros e a humanidade vivenciara do cristianismo a duas guerras mundiais, pestes e dezenas de genocídios, das monarquias à ascensão e queda da utopia socialista, e absorvemos com facilidade o riso sobre o trágico. Levando-nos a perder a capacidade de verdadeiramente o enxergar.

Confundimos nossos dramas, tristezas e derrotas, pessoais e sociais, como sendo tragédias inquestionáveis. No entanto, o trágico exibe sua face na elaboração fatalista de sua trajetória. E sobre isso somos midiaticamente instruídos a compreender, desde o berço, que a fatalidade se dá também na nossa falta de ação. As coisas são como são e nada mais! Será?

Compramos o trágico na ausência de nossas posições sobre os fatos, e lidamos com as devidas conseqüências e nossos erros psicanaliticamente perdoados pelo "a vida é assim mesmo".

Se, por um lado, a tragicomédia renovou o sabor cômico do tratar o social, por outro, escondeu-nos da responsabilidade de sermos permanentemente protagonistas e não meros e passageiros figurantes.

Ao optar pelo riso óbvio do trocadilho agradável, a Companhia dos Pássaros consolida a esperança cristã de estar em mãos maiores as soluções para nossas fatalidades. Riamos, então, é o que nos resta, pois não nos cabe mudar o que de fato é nossa tragédia. Aqueçamos nossas almas com estrondosas gargalhadas enquanto reaprendemos a nos divertir com a imutabilidade dos nossos defeitos.

A Comédia Grega não vai além do título e sua promessa não tem, ao fim, a menor graça. Perdendo uma boa oportunidade para nos lembrar que rir não é o melhor remédio, ainda que o ditado insista em nos convencer, e sim o arregaçar as mangas e se enfrentar frente ao espelho.

Leia as colunas anteriores de Ruy Filho:

? Como lidar com os códigos dramáticos frente as modificações feitas em montagens de clássicos?


? A contemporaneidade de uma tradição


? Closer


? Gob Squad


? O teatro de Henrique Diaz


? Mais Quero Asno... e os recursos do fomento


? El Chingo e os fantasmas de cada um


? Com prosecco e qualidade


? O teatro candango e a morte de todos os dias


? Entre o silêncio e a mudez


? A ciência como pretexto dramático


? A alma decepcionada frente à realidade


Quem é o colunista: Ruy Filho.

O que faz: diretor e dramaturgo.

Pecado gastronômico: carpaccio de pato do Piselli.


Melhor lugar do Brasil: Salvador fora de temporada.


Fale com ele: ruyfilhosp@yahoo.com.br ou acesse o blog do autor

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças