Guia da Semana

A velha guarda e o mistério de seu samba

Foto: Divulgação


O filme O Mistério do Samba é na verdade, Memórias de Oswaldo Cruz. Munido de imagens gravadas de um modo caseiro e também imagens gravadas profissionalmente, o filme conta a história dos sambistas que formam a Velha Guarda da Portela. E o show não foi diferente. Um espetáculo que mostra, assim como no filme, que essa geração está desaparecendo por mais que outros sambistas envelheçam e acabem por ocupar esse lugar. A idéia de dar espaço e voz a essa geração foi de Paulinho da Viola em 1970, onde recupera sambas que nunca haviam sido gravados e que entram no disco Portela, Passado de Glória.

Essa missão acabou sendo levada a cabo por Marisa Monte, que grava outros sambas inéditos no disco Tudo Azul. Uma das maneiras de preservar, é gravar imagens dessa gente tão notável e assim se fez o filme. O show apresentado no SESC Pinheiros para lançar o filme foi menos "Velha Guarda" e mais compositores da Portela. Sem a presença de Monarco, que por razões de saúde não pôde estar presente e o falecimento de Jair do Cavaquinho e do Argemiro faltou graça ao show. No palco, Mauro Diniz, Diogo Nogueira, Teresa Cristina e Marisa Monte desfilaram músicas de novos e velhos compositores da escola e a Velha Guarda da Portela ficou no acompanhamento. Dos veteranos, só tiveram destaque aqueles que apareciam no filme exibidos durante o show, Jair do Cavaquinho e Argemiro. Ao ver os dois na tela e ver ao que o grupo ficou reduzido no palco, dá uma tristeza. Aquela geração que fez o samba com alma e muita boêmia está prestes a ser substituída por uma geração que não faz samba com alma, mas faz como negócio, pra ganhar dinheiro.

O destaque é para o Paulão Sete Cordas que fez os arranjos do show. É alguém que entende o que essa gente compõe. Todos no palco se esforçaram. Nem todos os sambas cantados estão no filme e nem todos os sambas que aparecem no filme foram cantados no show. Diogo Nogueira, que emplacou o samba enredo da Portela nos dois últimos anos cantou, reverenciou a velha guarda, chamou o público para cantar. Teresa Cristina, mais pastora do que sambista, muito ligada a essa geração relembrou as grandes composições. Marisa Monte, motivo de atrair aquele seleto público, encerrou a apresentação. Aí sim coube a Velha Guarda sambar no palco com passos que pouca gente naquela idade faria.

E ao estilo do Paulinho da Viola fica aqui uma reverência deste colunista aos que fizeram a Velha Guarda da Portela, uma instituição: Ventura, Aniceto, Alberto Lonato, Francisco Santana, Antônio Rufino dos Reis, Mijinha, Manacéa, Alvaiade, Alcides Dias Lopes, Armando Santos e Antônio Caetano, Jair do Cavaquinho, Guaracy, Monarco, Casquinha, Cabelinho, Argemiro, Davi do Pandeiro, Casemiro, Serginho Procópio. E as pastoras, cuja importância na historia da escola é fundamental. Quando o samba era apresentado na quadra pela primeira vez seu sucesso dependia delas, as pastoras, para que o samba fosse aceito. Se elas não gostassem, não tinha ninguém que as fizesse cantar e o samba nascia e morria ali mesmo. Áurea Maria, Surica, Doca e Eunice.

Quem é a colunista: Lázaro Oliveira, jornalista. Trabalha no Vitrine e no Entrelinhas, ambos na TV Cultura

Pecado gastronômico: Comida japonesa ou cozinhar o que tem vontade para a família e amigos

Melhor lugar do Brasil: Quando não em casa, a bela cidade de Paraty!

Como falar com ele: lazaro.o@uol.com.br


Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças