Guia da Semana

A Vida é Quase Sonho

Celebração da genialidade criativa de Colln Higgins em montagem lúdica e inspirada de João Falcão mistura sonho e realidade.

Divulgação

Qual o sentido de estar vivo quando se nasce com a sensação de estar quase morto? Qual o sentido de se apaixonar pela vida, quando se tem apenas a certeza da morte? Existem diferenças entre obsessão e paixão? E qual o limite ou a linha que separa uma da outra?

Ensima-me a Viver, em cartaz no Teatro do Leblon, discute as relações humanas, os limites estabelecidos pelo próprio sentido da existência e o caminho que escolhemos, seja ele traçado pela vida ou pela própria consciência da morte. A lição presente na genialidade do texto de Colin Higgins é de que se você obedece todas as regras, acaba perdendo a diversão.

A improvável história de amor entre Harold (um senhor de quase vinte anos obcecado pela morte) e Maude (uma jovem de quase oitenta anos, apaixonada pela vida), é a força motora para a discussão da forma como nos relacionamos com a vida e com a idéia de morte. Sensível, inteligente e rico, Harold não conheceu o pai e vive com a mãe indiferente e autoritária. A quase octogenária Maude vive em um teatro, rodeada por margaridas e passarinhos, aproveitando cada segundo de sua existência como se fosse o último. Quando se encontram, a sintonia é imediata. Maude, cheia de alegria e positividade, ensina a Harold os prazeres da vida e da liberdade.

A concepção belíssima, idealizada por João Falcão, nos remete a sensação de que a vida é quase sonho pelos olhos de Maude, em um passeio fascinante pelo lúdico, contrapondo a sensação de semivida cotidiana, em preto e branco, de Harold e sua mãe.

Ensina-me a Viver fala de descobertas e da viagem maravilhosa que pode ser a vida, principalmente para aqueles que nascem quase mortos. A montagem de Falcão utiliza-se de elementos circenses e de uma estrutura narrativa dinâmica, que nos permite embarcar na idéia do sonho e do realismo fantástico. Não é raro ver este tipo de estética, muito presente no cinema, em filmes do diretor Tim Burton como Edward Mãos de Tesoura e Peixe Grande.

O cenário de Sérgio Marimba é uma atração à parte. Com móveis, objetos, esculturas em ferro e tapadeiras em preto, que se movem e transformam o próprio ambiente, nos dando a sensação da cortina que se abre no circo a todo o momento, para que um novo número aconteça. É possível imaginar o palco como um grande picadeiro, onde o diretor é o grande apresentador. Em determinado momento, uma Maude sentada num balanço nos leva à referência da trapezista, que aguarda o momento de brilhar sob o efeito das projeções em cena, um recurso muito utilizado no teatro nos últimos tempos. A montagem tem o efeito esperado e serve como suporte para a concepção.

As atuações são surpreendentes. Glória Menezes, em excelente atuação, constrói uma Maude pouco convencional, cheia de vigor e paixão pela vida. Arlindo Lopes cria um Harold cativante e engraçado. A química entre os dois é fantástica e garante a poesia do espetáculo.

Ilana Kaplan, atriz e comediante da primeira formação do Terça Insana, está memorável em cena como mãe de Harold. Com tempo certo de comédia, dá brilho e cor ao personagem, garantindo o riso e bons momentos do espetáculo.

Fernanda de Freitas e Augusto Madeira surpreendem por sua versatilidade, em atuações consistentes e divertidas. A iluminação de Renato Machado é outro ponto forte de Ensina-me a Viver, dando o toque certo na atmosfera lúdica idealizada. A trilha sonora de Rodrigo Pena contribui com acerto.

Ensina-me a Viver, longe de ser apenas um trabalho belíssimo ou uma boa história contada pelas mãos de um grande diretor, é um espetáculo que nos faz pensar sobre a beleza da vida e sobre as regras que impomos sobre a forma de viver. Ao final do espetáculo, não é raro que o espectador saia do teatro com a sensação de plenitude, em estado de graça, de não ter visto apenas teatro, mas poesia.

Um espetáculo emocionante e indispensável e definitivamente, o melhor de 2008.

Leia colunas anteriores de Celso Pontara:

? O Novo Teatro Carioca


? Os Reis do Improviso


? Trapalhadas em Zenas


Quem é o colunista: Celso Pontara.

O que faz: Paulista, radicado no Rio, Celso Pontara é uma mistura de ator, dramaturgo e produtor cultural.

Pecado gastronômico: Coxinha de camarão do Bar Rebouças no Rio.

Melhor lugar do Brasil: Paraty.

Fale com ele: capontara@uol.com.br ou Clique aqui

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças