Guia da Semana

A Vingança da Medéia Brasileira

Em cartaz no Centro Cultural Veneza, João Fonseca reconta a tragédia de Joana num musical de tirar o fôlego



Gota D´água, adaptado a partir de Medéia de Eurípides, é considerado um dos grandes clássicos do teatro brasileiro e um dos mais populares, frequentemente encenado por grupos teatrais do Oiapoque ao Chuí. Escrito em 1975, por Chico Buarque e Paulo Pontes, Gota D´Água foi levado aos palcos pela primeira vez na histórica montagem de Bibi Ferreira dirigida por Gianni Ratto. Inúmeras outras se sucederam a este marco no teatro, com destaque para as montagens de Gabriel Villela de 2001 e de Heron Coelho e Georgette Fadel em 2007, com o qual Georgette foi agraciada com o Prêmio Shell Paulistano de Melhor Atriz.

No texto de Chico Buarque e Paulo Pontes, Medéia se transforma em Joana, mulher do povo e moradora de um conjunto residencial chamado Vila do Meio-dia, abandonada por Jasão, sambista que faz sucesso no rádio com a música "Gota d´água". O rei Creonte torna-se o dono deste conjunto onde moram os personagens. Corina, amiga e confidente, é a representação da ama de Medéia. Por fim, o coro da tragédia grega é substituído pelos vizinhos de Joana.

Assim como a tragédia de Medéia, a tragédia de Joana é bem conhecida do grande público, e talvez o maior desafio seja tentar inovar algo que já foi constantemente reformulado e inovado por tanta gente.

A montagem, em cartaz no Centro Cultural Veneza, dirigida por João Fonseca e estrelada por Izabella Bicalho, embora respeite a estrutura do texto original traz certo ar de renovação agregando novos elementos em sua concepção. Às canções originalmente concebidas para o espetáculo, juntam-se O que Será (À Flor da Pele) e Partido Alto.

Desde sua estréia em 2007, o espetáculo cumpriu temporadas no Rio e em São Paulo, com grande sucesso de público e crítica na capital fluminense. Teve duas indicações ao Prêmio Shell carioca - melhor ator, para Thelmo Fernandes e música, para Roberto Burguel.

A direção de João Fonseca, embora atual, transpõe para o palco com acerto algumas marcas típicas e referenciais do coro grego. A protagonista Joana, interpretada com força e garra por Izabella Bicalho, é o grande destaque do espetáculo, arrancando aplausos em cena aberta após cada cena interpretada por ela. Dona de uma voz poderosa e presença cênica marcante, Izabella dá vida a uma Joana traída, amargurada e vingativa que se utiliza do poder dos santos para consumar sua tragédia e vingança. Thelmo Fernandes, no papel de Creonte, imprime todo seu talento e experiência como ator, sendo responsável por alguns dos melhores momentos do espetáculo. Luca de Castro, em ótima atuação, interpreta um Mestre Egeu anárquico, ao mesmo tempo sábio e rei da Vila do Meio-dia. Os demais atores ganham mais em conjunto do que em cenas isoladas.

O cenário idealizado por Nello Marrese e, originalmente criado para palcos maiores, sofreu uma mutilação pela limitação do espaço no Centro Cultural Veneza. O altar com todos os santos, momento-chave da vingança de Joana e um dos pontos altos do espetáculo, foi abolido. Permanecem em cena os praticáveis tão bem idealizados e construídos de forma a dar movimento e ação ao ambiente. A iluminação de Luiz Paulo Nenem contribui e minimiza a perda de parte do cenário e cria a atmosfera adequada para embarcamos na voz de Izabella e nas canções de Chico Buarque.

O espetáculo criado por João Fonseca tem vigor, as marcações são primorosas e precisas e a voz de Izabella de tirar o fôlego. Um belo e empolgante espetáculo feito para emocionar.

Quem é o colunista: Celso Pontara.

O que faz: Paulista, radicado no Rio, Celso Pontara é uma mistura de ator, dramaturgo e produtor cultural.

Pecado gastronômico: Coxinha de camarão do Bar Rebouças no Rio.

Melhor lugar do Brasil: Paraty.

Fale com ele: capontara@uol.com.br ou Clique aqui

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças