Guia da Semana

Amor e morte

Gabriel Villela dirige Marcello Antony e Leandra Leal em Vestido de Noiva, adaptação de Nelson Rodrigues

Foto: Divulgação

Leandra Leal, Marcello Antony e Vera Zimmermann são o novo triângulo amoroso de Vestido de Noiva

Em 28 de dezembro de 1943, Nelson Rodrigues finalizava o texto de uma de suas peças mais célebres: Vestido de Noiva, considerada até hoje como o marco inicial do teatro moderno brasileiro. Muitos atores, atrizes e diretores já encararam a responsabilidade de dar vida aos personagens do dramaturgo no teatro, cinema e até na televisão, entre eles, Jofre Rodrigues, o próprio filho do escritor.

Agora a nova trupe que assume o desafio de corpo e alma é composta por Leandra Leal, Marcello Antony e Vera Zimmermann, com direção de Gabriel Villela. Para isso, apostam em uma montagem baseada em uma combinação de estilos dramáticos diversos. A adaptação conta ainda com participações de Luciana Carnieli, Maria do Carmo Soares, Pedro Henrique Moutinho, Rodrigo Fregnan, Cacá Toledo, Helô Cintra e Flávio Tolezan.

Sonho e realidade


Marcello Antony e Leandra Leal em cena

A convite do produtor executivo Cláudio Fontana e Milla Moreira, Antony vive o protagonista Pedro. "Na época estava acabando o meu trabalho em Ciranda de Pedra. Estava com vontade de fazer teatro, mas nenhum texto me agradava. Quando surgiu o encontro com o Gabriel, tudo casou. Se tivéssemos combinado, não teria dado certo", relembra o ator.

A peça conta a história de Alaíde (Leandra Leal), uma mulher que vive um triângulo amoroso com seu marido Pedro e sua irmã Lúcia (Vera Zimmermann). Depois de uma discussão com Lúcia, Alaíde é atropelada. Desacordada, alternando entre o sonho e a realidade, lembranças e alucinações são conduzidas pela figura de Madame Clessi (Luciana Carnieli), uma prostituta idolatrada por Alaíde.

"É uma linguagem forte que transporta para o palco a profunda angústia presente nos textos de Nelson Rodrigues, que choca e emociona o público", conta Antony. "Apesar de ter 66 anos, a peça continua muito contemporânea", completa.

A rodrigueana


Leandra Leal é Alaíde, a protagonista da trama

O papel de protagonista fica sob responsabilidade de Leandra Leal, para quem o destino tratou de armar uma peça. "Já estava com o elenco mais ou menos formado, mas ainda não tinha a Alaíde. Foi quando o Cláudio viu a Leandra vestida de noiva, para gravar o último capítulo de Ciranda de Pedra. Me ligou dizendo que tinha encontrado a atriz e ela já até estava com o figurino", brinca o diretor.

Leandra não titubeou para aceitar o convite. Fã do autor desde os 15 anos, quando entrou em contato com sua obra pela primeira vez, conta que sempre sonhou em interpretar um texto dele. "Sempre quis ser a Alaíde nos palcos. Desejava isso há anos e agora consegui". E ao que parece, o autor entrou na vida da atriz em dose dupla. A partir de julho, Alaíde será substituída em sua vida por outra heroína rodrigueana, a Ritinha, de Bonitinha, mas Ordinária, adaptação de Moacyr Góes para o cinema.

Planos intercalados


A história é baseada em um delírio na cabeça da protagonista antes de sua morte

Estruturado em três planos intercalados, referentes a diferentes dimensões - realidade, memória e alucinação -, o texto é essencialmente freudiano, já que as representações de alucinação e memória se passam no subconsciente da personagem. Em um constante jogo entre realidade e devaneios, questiona-se a distorção e a subjetividade da realidade, assim como as fronteiras entre o real e o onírico.
 
"Os três planos estão presentes originalmente de acordo com as rubricas do autor. O palco só não está dividido em três níveis. A condução do pensamento do espectador para cada um deles se dá por meio de outros artifícios, que não sejam oriundos da cenografia, principalmente através da interpretação e da luz", afirma o diretor. "A realidade que às vezes penetra nesse mundo se dá por informações pontuais, como os sons do acidente e os batimentos cardíacos da personagem. Mesmo assim, os dois mundos estão muito interligados, interpenetrados e interseccionados", finaliza.


Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças