Guia da Semana

Ano novo ou novo ano?

Menos diálogo e mais ação - é isso que a nova ministra da pasta pretende para sua gestão

Foto: Agência Brasil

A ministra da Cultura, Anna Buarque de Hollanda

O ano nem mesmo começou e já temos dois pontos fundamentais no que deve ser a Cultura. A eleição de Dilma modifica a gerência do Ministério da Cultura, agora liderado por Anna Buarque de Hollanda. Contrariando muitos pedidos para que Juca Ferreira continuasse, a troca expôs os dois pontos que identifiquei: primeiro, de que não será tão fácil o diálogo com a nova presidente para os artistas, visto que a pressão feita não foi nada pequena e setorizada. Ao contrário: envolveu diversas áreas e agentes culturais, com nomes de peso e importância, mas não foi suficiente para que Dilma reavaliasse suas vontades. Segundo, o discurso menos polemizador da ministra que optou, na sua posse, não esbarrar em polêmicas e identificar apenas os pontos de continuísmo dos projetos em tramitação no Congresso, somando, ainda, a tonalidade da fala a favor do artista mais do que ao servir a população.


Nos dois pontos que podem parecer circunstanciais à primeira olhada, o que se tem é uma mudança gerencial, estrutural e conceitual de como a Cultura será administrada no país. Enquanto a independência da presidente e a contenção da ministra revelam que as decisões serão menos dialogadas e mais efetivas - o que é bom se nos ativermos ao excessivo processo de discussão pública da gestão Juca, estacionada às assembleias e resoluções eternamente em refinamento, já se prevê uma linha menos precisa de observação sobre a própria pertinência da Cultura na constituição do plano de governo. 

Anna de Hollanda mostrou por aqui e ali sua aptidão para a administração em ambientes culturais. Por isso, talvez, se sinta à vontade em se proteger e trabalhar menos o debate acirrado que envolve tantos interesses dos setores culturais, lembrando, como custou a Juca perceber, que muitos desses interesses escondiam em populismo a face oportunista da classe dominante. Ao se proteger, Anna pode vir a ter menos prestígio com o passar do tempo. Certamente a mesma classe, que inclui renomados artistas, indústrias culturais, produtores de toda espécie e patrocinadores gigantes travestidos de investidores preocupados, irá saltar sobre sua jugular com fome e sedução. Se Anna conseguir se manter distante e centrada em um projeto próprio, talvez a Cultura ganhe mais em resultados do que fora o plenário popular de Juca. Isso, por si só, já seria um grande acontecimento.

Acompanhar pelos jornais o desenvolvimento desse processo não será suficiente. É preciso, desta vez, que nos afastemos um pouco mais para que consigamos observá-lo em movimento. Cabe ao artista, então, realizar seu trabalho sem tanta manipulação de conchavos e planos mirabolantes para dominar o tal mercado. Enquanto nos ativermos à compreensão (correta em muitas acepções) de ser o mercado o foco principal do fazer artístico, nada do que construiremos irá além de eventos e banalidades temporárias. A expectativa de que a ministra pode vir a ser útil no baixar da bola da classe cultural e conduzi-la para uma reorganização de sua existência anima, ainda que boa quantidade dos artistas deva estar desde já sem dormir.


Anna de Hollanda tem a faca mas quem poderá lhe dar o queijo é Dilma. Sem força política junto à Presidência, a pressão da classe artística dominante será esmagadora. Apenas Dilma é capaz de sustentar Anna de Hollanda frente aos interesses mesquinhos com que a Cultura tem sido sorvida pelo mercado. O problema é que Dilma, assim como Lula, não parece muito interessada. Como sempre, o Ministério da Cultura circula os discursos presidenciais casualmente, aos interesses da fração do instante para plateias específicas. E, enquanto a Presidência não se atentar à existência da Cultura como algo mais amplo que o entretenimento, nem Gil, nem Juca e, muito menos, Anna chegarão a algum lugar. A nova presidente tem o poder de fortalecer a pasta para que a ministra possa realizar o que precisa ser realizado. Talvez essa seja, em última instância, a verdadeira revolução possível. Teremos, enfim, um Ministério da Cultura independente de pressões políticas, manipulações mercadológicas, e mais voltado à sua própria função: deixar a Cultura existir. Boa sorte pra todos nós, então.


Leia as colunas anteriores de Ruy Filho:

A Fúria domesticada

Pássaros também desejam

Desabafo eleitoral

Quem é o colunista: Ruy Filho.

O que faz: Diretor e dramaturgo.

Pecado gastronômico: Carpaccio de pato do Piselli.

Melhor lugar do Brasil: Salvador fora de temporada.

Fale com ele: ruyfilhosp@yahoo.com.br ou acesse o blog do autor


 



Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças