Guia da Semana

Arte contemporânea

Confira a programação ofeerecida pelos museus modernos para a sua capital

Fotos: divulgação

Museu de Arte Contemporânea de Niterói

Fazer a conexão entre a sociedade e a cultura e apresentar manifestações artísticas que transformem o olhar passivo do observador. Foi-se o tempo em que os museus se resumiam a edifícios divididos de espaços brancos com quadros centenários para serem apreciados. Trabalhando com materiais diversos e artistas de várias vertentes, muitos desses espaços atuais oferecem informações logo na sua fachada, com uma arquitetura onde o concreto armado transmite leveza e curvas, levado pelas construções modernas e que dialogam com o espaço em volta.
 
Dentro deles, em pouco tempo o público pode viajar em um incursão por arte, história e cultura, mergulhando em um universo de formas e misturando passado, presente e futuro. Se você está com um tempinho livre, reserve na sua agenda, monte a programação e visite o museu de arte contemporânea da sua cidade.

MAC-USP - São Paulo

Fundado em 1948 pelo empresário Ciccillo Matarazzo, o Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo conta com mais de oito mil obras - entre óleos, desenhos, gravuras, esculturas, objetos e trabalhos conceituais - e possui a mais importante coleção da América Latina com foco na produção ocidental do século 20.

Tem por modelo o Museum of Modern Art (MoMA) de Nova Iorque, fundado em 1929, e está prestes a ser transferido para uma nova sede, nas antigas dependências do Detran e áreas vizinhas, como o terreno do Instituto Biológico. Seu acervo é valioso e inclui obras de Modigliani, Picasso e Tarsila do Amaral, entre outros.

Em exposição, o espaço traz a mostra Um dia terá que ter terminado 1969/74, a segunda de uma série de três exibições especiais que refletem sobre a constituição do seu acervo durante a ditadura militar, apontando como um dos poucos espaços de resistência ao cerceamento da livre expressão do país. Em cartaz até 31/7/2011.


Exposição Um dia terá que ter terminado 1969/74, MAC-USP

MAC Niterói
- Rio de Janeiro

Os traços arrojados e modernos fazem o Museu de Arte Contemporânea do Rio de Janeiro assemelhar-se a um cálice ou mesmo um disco voador, destacando as belezas da costa carioca. Concebido pelo arquiteto Oscar Niemeyer, foram necessários cinco anos para a construção: o prédio do museu apresenta-se como uma escultura de 16 metros de altura em praça aberta e tem como base um espelho-d'água, contemplando o monumento. 

O acervo permanente é constituído pela Coleção João Sattamini, um conjunto de mais de mil peças reunidas desde a década de 50 pelo colecionador que dá nome à exposição. É considerada a segunda maior coleção de arte contemporânea do Brasil.

A mostra itinerante (Re)construções: Arte Contemporânea da África do Sul, reúne 13 artistas sul-africanos de diversos estilos para mostrar o panorama da produção cultural do país de Mandela pós-apartheid. Entre os artistas expostos, estão William Kentridge, que tem obras nos principais museus e galerias do mundo, como o Museum of Modern Art, de Nova Iorque; e David Goldblatt, fundador do Market Photography Workshop, em Joanesburgo, um instituto que ensina fotografia e educação visual para jovens desfavorecidos pelo sistema segregador. Em cartaz até 15/5/2011.

MAM - Salvador

Às margens da Baía de Todos os Santos, em Salvador, o Museu de Arte Moderna da Bahia está localizado no Solar do Unhão, um sítio histórico construído no século 16. Fugindo do eixo Rio-São Paulo, Salvador já recebeu exposições internacionais inéditas, como as dos artistas Sophie Calle e Joseph Beuys.

A cidade busca a renovar da sua programação de arte e, com apoio do Palácio da Aclamação e o do Palacete das Artes Rodin, tem como destaque a retrospectiva de Franz Krajcberg. Foi o único espaço brasileiro a receber a mostra À luz de dois mundos, de Tunga, originalmente feita para o Louvre, em Paris.

Atualmente, o espaço recebe 54 obras selecionadas de 14 artistas de diversas nacionalidades que expuseram seus trabalhos na 29ª Bienal de São Paulo. A mostra paulista trabalha a relação entre a arte e a política e permite que os baianos confiram  a documentação do Tucumán Arde (evento de protesto que artistas argentinos realizaram contra a violência sofrida por campesinos no final da década de 60) e filmes, como o do artista espanhol Miguel Rio Branco, que retrata o Pelourinho no final da década de 70. Em cartaz até 29/5/2011.


Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba

MON - Curitiba

Complexo composto por dois prédios e instalado em uma área de 35 mil metros quadrados, o Museu Oscar Niemeyer tem como destaque a arquitetura dos edifícios aliada à arte. O primeiro prédio foi projetado pelo arquiteto que dá nome ao espaço tem um design que se assemelha ao olho humano. A instituição tem como foco as artes visuais, a arquitetura e o design, com projeção nacional e internacional.

O museu abre espaço por tempo indeterminado para a mostra O Silêncio e a Solidão, da pintora Leonor Botteri, uma curitibana que, nos anos 40, desenvolveu uma linguagem própria e enfrentou o preconceito para se expressar em um trabalho situado entre o expressionismo e a pintura metafísica. A predileção por retratos, autorretratos e naturezas-mortas destaca-se em obras com tons sóbrios e escuros.

Em parceria com o Instituto Moreira Salles, o museu também apresenta a mostra Maureen Bisilliat: fotografias. Editadas pela própria artista, 250 imagens navegam pelos universos literários de Guimarães Rosa, Jorge Amado, João Cabral de Melo Neto, Ariano Suassuna e Euclides da Cunha. Além das referências, a mostra sintetiza situações vividas ao longo da carreira de Maureen, como nas viagens ao Japão, África e Bolívia. Em cartaz até 31/7/2011.

Mamam - Recife

Instalado em um tombado casarão histórico tombado do século XIX, às margens do Rio Capibaribe, o Museu de Arte Moderna Aloisio Magalhães foi criado em julho de 1997 para homenagear o artista plástico, designer e ativista cultural pernambucano. Com um acervo de mais de mil trabalhos, fazem parte do espaço trabalhos de renomados artistas: como Gil Vicente, Francisco Brennand, Paulo Bruscky, Nelson Leirner, Marcelo Silveira, Ernesto Neto e Vik Muniz.

Em cartaz, a mostra do cartunista Rafael Campos Rocha: Deus, Messi, almoço interminável (não necessariamente nessa ordem). A exposição apresenta uma coletânea de trabalhos desenvolvidos pelo artista desde 2010, com vídeos de textos que aparecem na tela como créditos dos filmes tradicionais e quadrinhos baseados em seu principal personagem criado no ano: Deus, o personagem religioso como uma mulher negra de hábitos sexuais plurais, que gosta de cerveja, jogos de azar e punk rock. Em cartaz até 20/5/2011.

Ainda neste ano, entre junho e agosto, o espaço recebe algumas obras da Bienal de São Paulo de 2010 - atualmente expostas no MAM do Rio e no MAM da Bahia.


(Re)construções: Arte Contemporânea da África do Sul, MAC Niterói

Fundação Iberê Camargo - Porto Alegre

Criada em 1995 com o objetivo de preservar e divulgar a obra do prestigiado pintor brasileiro, a Fundação Iberê Camargo procura incentivar a reflexão sobre a produção artística contemporânea. A sede foi projetada pelo arquiteto português Álvaro Siza e recebeu o Leão de Ouro da Bienal de Arquitetura de Veneza (2002). Mais de cinco mil obras do artista integram o acervo.

No espaço, a mostra Mil e um Dias e Outros Enigmas apresenta o trabalho da artista porto-alegrense Regina Silveira, que usa as formas do edifício para fazer intervenções na fachada e no seu interior. Um exemplo é o Atractor, uma aplicação de vinil com a palavra Luz na parte externa do local, misturando com o ambiente e dialogando com a arquitetura. (até 29/5/2011)

Ainda estão programadas para este ano as mostras do uruguaio Joaquín Torres García, do italiano Giorgio de Chirico e com recortes inéditos da obra de Iberê Camargo: seus desenhos, sua relação com o ambiente cultural do pós-guerra e a fase final, dos anos 80 até sua morte, em 1994.

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças