Guia da Semana

Aversão da vida a dois

Mesmo sem grandes investimentos, o diretor e os atores mostram muito bem a história de um casal - cada um com a sua versão

Foto: Simone Vidal


Eu fui assistir à peça "Aversão - a Comédia", escrito por Mariana Rebelo e dirigida por Rodrigo Sant`anna, em cartaz no Teatro Cândido Mendes. Foi uma bela surpresa!
 
Seria fácil julgar a peça pelo cartaz: produção de baixo custo, batalhada/suada por sua autora/produtora/atriz, com elenco de apenas dois atores... Falar mais seria incorrer num terrível preconceito da minha parte (cala a boca, João Pedro!). Afinal, o que vale é o resultado do espetáculo e, de mais a mais, quantidade não é qualidade. Mas eu confesso que não esperava muita coisa. No máximo um besteirol - uma boa dose de pipoca com tequila.
 
O meu preconceito se justifica. Já faz alguns anos que o teatro "off-Broadway carioca" (ai, ai, ai, não existe termo melhor do que esse?) vem sofrendo uma renovação natural, assim como uma cebola tem perdido as cascas e me feito chorar. Paradoxalmente, boa parte dessas montagens hoje em dia tem como objetivo o riso fácil. Sinceramente, eu até gosto... mas tudo tem limites.
 
"Aversão - a Comédia" conta a história de um casal de jovens que está se separando. Enquanto encaixotam as coisas, aproveitam para "lavar a roupa suja" e relembram os fatos que contribuíram para o rompimento. É uma guerra de versões estapafúrdias que retrata muito bem a atual geração de jovens urbanos que não namoram, "ficam"; que não se casam, "juntam".
 
"Aversão" me fez engolir a língua e os maus pensamentos sobre essa atual massa de atores ditos "desconhecidos" e produtores que escrevem e atuam. A peça é engraçada! Só isso já valeria meu ingresso. Mas além de tudo, a peça é atual, possui picardia, uma direção elegante e um elenco ousado. Se a estreia foi boa, sei que as próximas apresentações, com alguns retoques e com maior adesão do público, serão ainda melhores. A peça tem defeitos? Alguns, claro. A iluminação do teatro é muito precária, mas dá conta do recado. Em alguns momentos, as pausas longas e a falta de dinâmica dos atores me incomodaram. O texto também está longo e possui cenas redundantes que poderiam ser retiradas. O resto, não é digno de nota.
 
O ator Leandro Lamas é o responsável por grande parte do humor no espetáculo e está muito bem em seu papel. Ao vê-lo atuar, lembrei-me do elenco da peça "Surto" - único espetáculo que fez sucesso no Teatro Cândido Mendes. Lembro-me bem que, naquela época, o elenco era formado por atores talentosos e idealistas, recém-formados na Casa de Artes de Laranjeiras (CAL), amantes do teatro e avessos à péssima qualidade dos programas humorísticos da TV. Conversei com Lamas após a apresentação de "Aversão" e descobri que ele também é idealista, apaixonado pelo teatro, e - olha que coincidência - formado pela CAL. Espero sinceramente que ele continue a sua jornada no teatro e, mesmo com o sucesso - que certamente virá -, não seja estragado pelos atuais besteiróis televisivos - triste destino de todos os bons comediantes brasileiros.

Leia as colunas anteriores de João Pedro Roriz:

Tron e seus efeitos especiais

A versão 2010 de Hair

A rede social

Quem é o colunista:"Sou um bandido corrompido pelas paragens do bem, muito além do homem descrito como poeta".

O que faz: Escritor, jornalista e ator. Autor de nove livros e peças de teatro. Faz palestras em escolas de todo o Brasil. É apresentador do programa "Rio Cultural", da Rádio Rio de Janeiro.

Pecado gastronômico: Todos, principalmente cerveja quando sai com os amigos!

Melhor lugar do mundo: Sua casa, principalmente na hora de escrever e/ou quando os parentes e os amigos o visitam.

O que está ouvindo no carro, iPod, mp3: É muito fã de Chico Buarque. Também gosta de música clássica, ópera, rock e MPB.

Para falar com ele: jproriz@gmail.com, ou no seu site.


Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças