Guia da Semana

Baile sem máscaras

Quando cai o pano, o encanto começa. Saiba por que o grupo O Teatro Mágico tem esse nome



Dia de show é sempre uma emoção. Principalmente quando se é fã da banda. Antes de chegar ao local da apresentação, tem todo o ritual de preparação, que inclui ouvir as músicas do set list, pensar no figurino da noite e preparar o espírito para viver um momento diferente da rotina.

Eu chego até a olhar para o ingresso com um certo carinho e também com a certeza de que aquela noite vai ser incrível. De alguma maneira, algo me diz que eu vou voltar para casa com aquele brilho que só os olhos de quem viveu uma epifania podem refletir. Respeitável público, O Teatro Mágico está montado!

Convite dado, as pessoas começam a chegar para a festa. A fila tem lugar garantido para dezenas de rostos pintados de pierrot, que dividem espaço com meninas de fitas trançadas no cabelo. Tem até cover mirim de Fernando Anitelli, vocalista da trupe.

Todo mundo está ali com o mesmo intuito: libertar seus fantasmas, desnudar o coração, desfazer as poses, destruir as máscaras e revelar seus medos. Não, não é uma sessão espírita, mas é praticamente um descarrego.

Sendo assim, chamar a banda de Teatro Mágico é puro pleonasmo! As apresentações do grupo não precisam de nada extraordinário para encher os olhos do público, ao contrário das grandes produções nacionais, que trazem gigantescas caixas de som acompanhadas de fogos de artifício e pirotecnia. Na verdade, o grande "efeito especial" é que o show transcende o palco e ganha espaço entre o público.

Enquanto bailarinas dançam no ar, penduradas em arcos ou em tiras de tecido, palhaços encantam a plateia com malabarismos, mímica, clown e arte circense. O show do Teatro Mágico é uma grande brincadeira. Um verdadeiro empirismo lúdico.

É recomendável certas doses de cuidado ao ir, pela primeira vez, ao show da banda. Isto porque as composições de Fernando Anitelli têm mandinga e conseguem ler pensamentos. Sabe aquele nó na garganta que aparece quando bate a angústia e você começa a pensar na vida? Agora imagine um montão de gente cantando junto essa mesma sensação que, antes, parecia ser só sua, tão particularmente íntima. É como se tudo o que você trazia sufocado no peito ficasse óbvio demais e saltasse aos olhos de todos ali.

Mas, no grande baile, nem tudo é tudo bonitinho! E é justamente a acidez das letras da trupe que nos fazem rever nossa forma de encarar a vida. Dosadas com a suavidade da poesia, as letras da banda criticam nosso comportamento passivo e acomodado, que adotamos como justificativa à correria do cotidiano. E a poesia, essa menina, não tem dono.

Durante a apresentação, público também vira atração! Os fãs pausam a banda e recitam versos, declamam frases, brincam de ciranda e fazem um espetáculo à parte. Como diz Anitelli, "o público é uma extensão da banda". São eles que deixam vivo o modo independente de pensar do Teatro Mágico. Sem se prender a ideias, gravadoras ou posturas da mídia, a banda se mantém livre para criar o que quiser, pois tem como apoio o carinho de um público fiel,  que atua muitas vezes como "produtor cultural" ao disseminar, piratear e divulgar a arte do grupo Brasil afora.

Se você ficou curioso para conferir o espetáculo da banda, mas ainda não teve a oportunidade, eis aqui uma boa notícia. O grupo está lançando um novo DVD, produzido em parceria com o Itaú Cultural, intitulado Segundo Ato. A obra tem o selo "creative commons", que permite a livre circulação, exibição, veiculação e cópia das imagens e do áudio, na íntegra. E aí? Está esperando o que para viver essa experiência?

O Guia da Semana está sorteando livros da escritora e também integrante da trupe, Maíra Viana. Participe da promoção!

Leia a coluna anterior de Nathalya Buracoff:

Heavy Therapy

Quem é a colunista: curiosa e bem-humorada. Adora conhecer gente e é apaixonada por cultura, principalmente cinema, teatro, música e quadrinhos.

O que faz: é jornalista.

Pecado gastronômico: chocolate e bacon. Em refeições separadas, obviamente.

Melhor lugar do mundo: aquele que reúne boa música, meus amores e meus amigos.

Fale com ela: nathalya @comtatos.net, no blog ou acesse seu twitter

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças