Guia da Semana

Björk, The Killers, Juliette And The Lick e Arctic Monkeys no TIM Festival

Evento, que acontece em outubro, anuncia suas primeiras atrações

Juliette Lewis: de Hollywood para o palco do Tim Festival


Desde 2003, quando ocorreu sua primeira edição, o TIM Festival firmou-se como um dos maiores eventos musicais do país. Convidando atrações de peso ano após ano, reúne nomes de respeito de estilos diversos, como jazz, rock e world music. Realizado em outubro deste ano em quatro capitais - Rio de Janeiro, São Paulo, Vitória e Curitiba -, o festival já tem suas primeiras atrações definidas: os grupos The Killers, Arctic Monkeys, Juliette And The Licks e a cantora Björk. Conheça um pouco mais sobre cada um destes artistas:

Arctic Monkeys

Aclamados como a salvação do rock, os britânicos do Arctic Monkyes prometem arrebanhar milhares de moderninhos para suas apresentações no país. Mas afinal, quantas salvações do rock não surgiram nos últimos anos? Strokes e Franz Ferdinand, tão incensados pela imprensa, ocuparam o posto recentemente, e hoje não desfrutam mais do que certa simpatia.

Fenômeno digital, a banda de Alex Turner projetou-se pelo site de relacionamentos MySpace, para logo em seguida tomar de assalto o restante da internet. Revistas especializadas e críticos de plantão - inclusive no Brasil - endeusavam o quarteto antes mesmo que os garotos tivessem qualquer papel assinado com uma gravadora. I Bet You Look Good On The Dancefloor, primeiro hit do grupo, alcançou o topo de importantes paradas européias, catapultando os rapazes de Sheffield para o estrelato instantâneo.

Arctic Monkeys: sucesso no MySpace
Com dois discos na bagagem, Whatever People Say I Am, That´s What I´m Not e Favourite Worst Nightmare, o Arctic Monkeys aposta em uma fórmula que tem se mostrado garantia de sucesso: fusão de rock de garagem, cru e direto, com uma dose comedida de pós-punk. Com um pé em uma pose que transita entre Liam Gallagher e Julian Casablancas, Alex Turner & Cia. tem o mérito de causar frisson por onde passa com um show vibrante, ainda que não seja o supra-sumo musical comparável aos Stone Roses, como profetizou a publicação britânica New Musical Express.

Juliette And The Licks

Penacho na cabeça, microfone na mão e Dave Grohl nos estúdios. Esses são alguns dos elementos que adornam o novo álbum do Juliette And The Licks, grupo encabeçado pela atriz norte-americana Juliette Lewis. Em Four On The Floor, o quinteto abusa de bases punks entrecortadas pelo vocal intenso e provocante da atriz-cantora, que muitas vezes remete a gente como PJ Harvey e Hole - para quem o conjunto abriu alguns shows.

Além de Juliette, os guitarristas Todd Morse e Kemble Waters, o baixista Jason Womak e o baterista Ed Davis integram a banda que aporta no Brasil em outubro. Cansada da rotina de Hollywood, a atriz - indicada ao Oscar por Cabo do Medo, em 1991 - deixou os sets de filmagem de lado para subir ao palco, empreendendo uma espécie de guinada espiritual rock ´n´ roll.

Björk

Impossível de ser rotulada, a cantora Björk remodelou o cenário pop nos últimos anos. Dona de um talento vocal elogiado e de uma capacidade ímpar de experimentação, a islandesa conquistou a admiração de crítica e público logo em seu disco de estréia, Debut. De lá para cá, a ex-integrante do Sugarcubes tem mostrado disposição para encarar desafios complexos, como o enfrentado em Medulla, álbum alicerçado em bases vocais.

Björk traz Volta ao Brasil
Volta, seu trabalho mais recente, deve pautar as apresentações da cantora no Brasil. Amparado por gente de peso, como o produtor Timbaland e Antony Hegarty, o disco lança mão de uma pegada mais dançante, o que pode ser comprovado nas faixas Earth Intruders e Declare Independence, e de canções que remetem à própria trajetória da cantora, que certamente será resgatada no palco do TIM Festival.

The Killers

Conferir ao rock uma aura levemente eletrônica não é nenhuma novidade desde o início da década de 80. Cultuado no cenário indie, os americanos do The Killers deixaram pistas do mundo inteiro de pernas para o ar com dois hits esmagadores que seguiam essa fórmula: Somebody Told Me e Mr. Brightside. Em Hot Fuss, álbum de estréia do quarteto de Las Vegas, melodias assobiáveis com quê de New Order e Depeche Mode davam a tônica de um trabalho bem recebido pela crítica e cujas vendagens surpreenderam muita gente.

The Killers: pop, inidie-rock e eletrônico
Em pouco tempo, o vocalista Brandon Flowers, o guitarrista David Keuning, o vocalista Ronnie Vannucci e o baixista Mark Stoermer estavam abrindo quatro shows da perna européia da Vertigo Tour, última turnê do U2. Na cola de outras bandas, que também flertam com a e-music, o Killers costuma apresentar um show enérgico.

Atualizado em 1 Dez 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Obras do MASP agora podem ser vistas em plataforma on-line gratuita

Museu integra a partir de hoje o acervo do Google Arts & Culture

Museu do Café, em Santos, inaugura exposição gratuita sobre propaganda da bebida

A partir de 28 de dezembro, os visitantes poderão conhecer as estratégias das marcas de café de 1900 a 1959

Especial férias: MASP abre ao público em todas as segundas-feiras de Janeiro

Programação de férias disponibiliza cinco dias a mais para visitar o Museu

5 motivos para assistir ao documentário "O começo da vida" na Netflix

O filme mostra a importância dos primeiros anos de vida sob a ótica dos quatro cantos do mundo

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA