Guia da Semana

Blitz

Fique por dentro da história do grupo que foi responsável pela ascensão musical dos anos 80



Rio de Janeiro, 1981. Com o sucesso do grupo de teatro Asdrúbal Trouxe o Trambone, um de seus integrantes, Evandro Mesquita, resolveu se juntar ao amigo Lobão e fundar uma banda de rock teatral, algo inovador para a época. O nome escolhido para o projeto: Blitz, em virtude das constantes "prensas" que os dois levavam dos policiais, ainda sob o comando do regime militar. Para completar o ingrediente de irreverência, integraram-se ao grupo as gatas e talentosas backing vocals Fernanda Abreu e Márcia Bulcão, Ricardo Barreto na guitarra, Antonio Pedro Fortuna no baixo e William "Billy" Forghieri nos teclados. Além de Evandro nos vocais e guitarra, e Lobão na bateria - tempos depois foi substituído por Juba.

 

Em 1982, lançaram o primeiro compacto, Você Não Soube me Amar, que foi uma explosão, levando a trupe a gravar o primeiro LP no mesmo ano, As Aventuras da Blitz. O disco trouxe a clássica Mais Uma de Amor (Geme, Geme), o que confirmou a força da banda em conquistar uma legião de fãs por todo o Brasil. No ano seguinte, veio o álbum Rádio Atividade, com os hits Estou a Dois Passos do Paraíso, Betty Frígida, Weekend e a versão para Biquíni de Bolinha Amarelinho tão Pequenininho, do conjunto norte-americano Pockriss. Em 1984, o sexteto gravou um especial para a Rede Globo, Blitz contra o Gênio do Mal, com os atores Oswaldo Loureiro (Kid Babalu - Gênio Mal) e Patrycia Travassos (Rapsódia Blue) como os vilões da história. Ainda no mesmo ano, foi lançado o último disco da carreira com os membros originais, Blitz 3.

 

Nos anos posteriores, o grupo só voltaria a se apresentar em eventos especiais, como no primeiro Rock in Rio (janeiro de 1985), no qual cantaram para uma multidão jamais imaginada por eles. Além de shows na Praça da Apoteose (RJ) e outros palcos das principais capitais brasileiras, e também em terras estrangeiras. Em 1990, a banda lançou o CD Todas as Aventuras da Blitz, mas sem o mesmo brilho de antes. Quatro anos depois eles gravaram o álbum Blitz Ao Vivo e, em 1995, sem a presença de Fernanda Abreu - que já seguia em carreira solo - a trupe voltou a aparecer na mídia por conta do retorno do sucesso Mais Uma de Amor (Geme, Geme), tema da personagem Luísa (Fernanda Rodrigues), na primeira temporada da série Malhação (Rede Globo). De lá para cá, trabalharam em outros discos, sempre com Evandro Mesquita como líder e Juba nas baquetas.

 

Mesmo sendo uma banda importante para o cenário musical dos anos 80, a Blitz só teve sua autobiografia As Aventuras da Blitz, lançada em 2009, escrita pelo jornalista Rodrigo Rodrigues. Nas palavras do próprio Rodrigo, era a lacuna que faltava para preencher a história do rock brasileiro dessa década, antes mencionada em livros sobre os Titãs, RPM, Barão Vermelho e Os Paralamas do Sucesso. Se hoje, esses grupos são sinônimos de sucesso, devem sua glória à explosão da trupe de Evandro Mesquita. Atualmente, a Blitz é um trio, formado por Mesquita, Juba e Willian Forghieri e estão em turnê de divulgação do DVD ao Vivo Eskute e Veja Blitz, lançado em 2010.


Foto: Divulgação
Site oficial: http://www.blitzmania.com.br/

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Museu do Café, em Santos, inaugura exposição gratuita sobre propaganda da bebida

A partir de 28 de dezembro, os visitantes poderão conhecer as estratégias das marcas de café de 1900 a 1959

Especial férias: MASP abre ao público em todas as segundas-feiras de Janeiro

Programação de férias disponibiliza cinco dias a mais para visitar o Museu

5 motivos para assistir ao documentário "O começo da vida" na Netflix

O filme mostra a importância dos primeiros anos de vida sob a ótica dos quatro cantos do mundo

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP