Guia da Semana

Bodas de prata do axé

O axé music comemora 25 anos e é um dos ritmos mais tocados no Brasil

Foto: Divulgação/ Site Oficial

Daniela Mercury em cima do trio elétrico no carnaval de Salvador em 1999

"Nega do cabelo duro/ Que não gosta de pentear/ Quando passa na baixa do tubo/ O negão começa a gritar". Esses versos são inesquecíveis para quem curtia música brasileira em 1985. Eles fazem parte da canção Fricote, de Luiz Caldas, que explodiu nas rádios do Brasil inteiro e tornou conhecido o ritmo axé music. Em 2010, a levada baiana comemora seus 25 anos de sucesso e de adesão pelas mais diversas tribos. O ritmo deixou de ser música de carnaval para tocar durante o ano todo, de norte a sul do país.

O suingue baiano nasceu da mistura de outros sons e é bem marcado pela inserção de percussão nas melodias. "Os dois pólos-base do axé music são o frevo, influenciado pelo rock e pop, e o samba reggae", define o produtor musical da banda Asa de Águia, Rafael Pereira. Manno Góes, baixista do Jammil e Uma Noites e responsável pela produção dos discos do grupo, acrescenta que o axé tem influências também do chorinho, da MPB, da chula e do samba duro da Bahia.

Foto: Divulgação/ Site Oficial

O grupo Asa de Águia está na ativa desde 1987 e está preparando um mega trio elétrico chamado Fênix  para os próximos carnavais

Raízes do ritmo

Os dois profissionais da música baiana lembram que o axé não começou com Luiz Caldas, pois o trio elétrico de Armandinho, Dodô e Osmar já eletrizavam o carnaval de Salvador há muito tempo com canções instrumentais, levadas pela guitarra baiana, conhecida também como pau elétrico. "Esse ano o trio comemorou 60 anos, ou seja, o axé já existe há mais de 25 anos", lembra Manno. Antes do intérprete de Fricote ficar conhecido nacionalmente, Sarajane e Morais Moreira também já eram expoentes do som.

A questão é que foi Luiz Caldas quem teve a sacada de tornar as músicas do axé music mais comerciais. Elas agradaram os brasileiros por serem festivas, dançantes e retratarem essa alegria nacional. Os anos 90 foram o auge do axé, quando basicamente só se tocava esse ritmo em todas as rádios país. Nesse ínterim, as estrelas eram todos baianos e vendiam uma quantidade avassaladora de cópias de discos e atraiam milhares de fãs em seus shows. O sucesso também se refletia no exterior e o axé ficou ainda mais conhecido com a participação do grupo Olodum no clipe They Don't Care About Us do ídolo pop Michael Jackson, em 1996.

Evolução sonora

Quem realmente estourou com o axé e tornou-se uma diva nacional foi Daniela Mercury. Afinal, quem não se lembra da música O canto da cidade? Foi uma das mais executadas no Brasil em 1992. Sua primeira grande apresetenção em São Paulo aconteceu no mesmo ano e reuniu muita gente no vão livre do Masp. "Ela era inovadora pois seu som mesclava influências da MPB e do Bloco Afro (que reproduz a música africana)", explica Manno Góes.

Netinho fez muito sucesso durante anos, na década de 90, principalmente com a música Milla. Seu estilo de canções trazia para o axé um pouco mais do pop e agradava o público com suas melodias românticas e também animadas. O Asa de Águia sempre incendiou a galera em seus shows, com suas batidas mais fortes e puxadas para o rock. "Quando você escutava a introdução (da música) de um desses três, já sabia de quem era pois seus arranjos eram característicos e inconfundíveis", fala Rafael. Outros expoentes do ritmo foram surgindo, como É o tchan! e Companhia do Pagade, mas acabaram perdendo as força e acabando.

Foto: Divulgação/ Site Oficial

O público vai ao delírio quando a banda Jammil e Uma Noites tocam a música Praieiro

Haja fôlego

Chiclete com Banana, Asa de Águia, Carlinhos Brown, Banda Eva, Jammil e Uma Noites, Ivete Sangalo e Claudinha Leitte são os grandes nomes no axé atualmente. São os cantores que mais atraem público em seus shows, micaretas e mais ainda nos blocos no carnaval de Salvador. 

Manno Góes, que é um dos maiores compositores de canções gravadas por intérpretes do axé e também de outros ritmos, é favorável as parcerias feitas com cantores de outros estilos. Ivete Sangalo já gravou com Roberto Carlos, Claudinha Leitte com CPM22, Asa de Águia com Jorge e Mateus, enfim, há inúmeras participações que misturam os acordes e dão certo frescor ao axé music. Questionado se ainda há fôlego para mais 25 anos, o baixista do Jammil afirma categoricamente que sim, no entanto, deve sempre inovar e amais perder sua linguagem universal: dança, festa e movimento.

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças