Guia da Semana

Brasil instrumental

A música que nasce aqui e ganha o respeito do mundo

Banda Mantiqueira: Indicação ao Grammy e turnê no exterior
Foto: Gabriel Boieiras e Silvio Aurichio

Ao redor do mundo, reverencia-se o talento do músico brasileiro. Por aqui, como já dizia o saudoso Tom Jobim, fazer sucesso parece pecado. Pecado ou simples desatenção do público, a música instrumental brasileira não sabe o que é um período de estiagem há décadas. O Guia da Semana traz um breve perfil de alguns ícones do gênero, que continuam dando mostras de brilhantismo e renovação.

Pau Brasil

Quando os primeiros integrantes do grupo Pau Brasil decidiram congregar ritmos americanos, europeus, latinos e africanos conferindo a essa fusão um toque genuinamente brasileiro, a idéia que tinham na cabeça era o Manifesto Antropófago, criado por Oswald de Andrade e apresentado durante a Semana de Arte Moderna de 22, de onde surgiu a inspiração para o nome do conjunto.

Desde a década de 70 na estrada, o grupo, que já foi composto por mais de uma dezena de músicos como Roberto Sion, Azael Rodrigues e os geniais Lelo e João Eduardo Nazário, participou dos principais festivais de jazz e música instrumental da Europa. Hoje, o conjunto conta com Teco Cardoso (saxofone), Ricardo Mosca (bateria), Paulo Belinatti (violão), o remanescente Rodolfo Stroeter (contra-baixo) e Nelson Alyres (piano), e aposta em novos trabalhos e parcerias com nomes da MPB como Mônica Salmaso, Dori Caymmi, Joyce e Naná Vasconcelos.

Ayres, membro do Pau Brasil
Ayres, também conhecido por comandar durante anos o programa Jazz & Cia, da TV Cultura, tem uma extensa trajetória de sucesso na música brasileira. Ainda que tenha permanecido distante dos holofotes da grande mídia, o pianista ajudou na formação de importantes conjuntos como a São Paulo Dixieland Jazz Band e a Orquestra Jazz Sinfônica. Com a experiência de quem já dividiu o palco com ninguém menos do que Dizzy Gillespie, Ron Carter, The Platters e Benny Carter, Ayres continua a povoar os principais clubes de jazz do país, acompanhado ou não do Pau Brasil.

Jazz Sinfônica

Recriar arranjos clássicos e adaptar composições consagradas, dando-lhes novas roupagens é um dos chamarizes da Orquestra Jazz Sinfônica, de São Paulo. Criado no início da década de 90 por Eduardo Gudin e Arrigo Barnabé - célebre pianista e compositor paranaense -, o conjunto instrumental costuma convidar grandes personalidades do cenário musical brasileiro e internacional para a série de apresentações realizada no Memorial da América Latina.

Ao promover a aproximação de talentos individuais como o guitarrista John Pizzarelli, a cantora Jane Monheit e o magistral Paulinho da Viola de uma verdadeira orquestra com ares de big-band, a Jazz Sinfônica presenteia o público com um formato diferente, que raras vezes o próprio artista tem a oportunidade de integrar. Além de um time competente, formado por mais de 80 músicos, a orquestra conta com a regência dos maestros João Maurício Galindo e do experiente Cyro Pereira.

Banda Mantiqueira

Desde os primórdios de sua história, o jazz é intensamente identificado com a imagem das big bands, tradicionais conjuntos que costumavam animar de festas a velórios pelas ruas de Nova Orleans. Na primeira metade do século, as big bands encontraram em Benny Goodman, Count Basie e Duke Ellington seu maiores expoentes. Hoje, não tão incensadas quanto antigamente, tais bandas se reinventam, sem deixar de recorrer ao balanço do swing e do dixieland.

Mantiqueira: brasilidade nos arranjos
Exemplo de dinamismo e sofisticação musical, a Banda Mantiqueira casa gêneros tipicamente brasileiros, como samba e bossa nova, à gafieira e ao choro, sem perder as bases jazzísticas. Seu naipe de metal dialoga docemente com percussão e cordas, dando vida a composições de Cartola, Nelson Cavaquinho, João Bosco, Pixinguinha e até Villa-Lobos, entre outros mitos da música brasileira. Turnês pelo exterior e uma indicações ao Grammy são reflexos do reconhecimento que a Banda Mantiqueira tem obtido em terras estrangeiras, que infelizmente no Brasil se limita apenas ao círculo da música instrumental.

Zimbo Trio

Em 2006, durante a Virada Cultural, um dos eventos mais importantes do calendário paulistano, uma extensa fila contornava o Teatro Municipal da cidade em busca de ingressos para assistir a apresentação do Zimbo Trio, o respeitado grupo formado pelo pianista Amilton Godoy, o baterista Rubinho Barsotti e o contrabaixtista Itamar Collaço. Em mais de três décadas de trabalho dedicado à música, emulando o melhor da sonoridade genuinamente nacional, o Zimbo Trio arrebanhou uma legião de admiradores e seguidores de diversas faixas de idade, como se pode comprovar em seus shows.

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças