Guia da Semana

Cachorro!

Montagem da Cia de Teatro Independente se propõe a desvendar o cotidiano de falsas aparências



É fato que grande parte dos atores, diretores e qualquer pessoa que tenha o mínimo de interesse pelo universo teatral já tenha tido contato com a obra de Nelson Rodrigues e, por conseqüência, se apaixonado por ela. O fato é que a obra de Nelson tem traços deliciosos de uma realidade suburbana que mistura e transita universos distintos que se iniciam nas residências das classes abastadas, passeiam pela classe média e encontram sua razão de ser no subúrbio e na malandragem carioca.

Do meu ponto de vista, esse respeito e atração que Nelson exerce sobre todos nós, em boa parte, é causado por uma dramaturgia rica em referências cotidianas muito próximas de nossa realidade. Suas obras são recheadas de desejos escondidos, vidas frustradas, ausência de escrúpulos e muita tragédia. A obra de Nelson nos traz uma certeza: a tragédia a que seus personagens são submetidos é o único caminho para a libertação. A redenção só pode ser alcançada se nos aventurarmos pelos caminhos da traição e do desejo. É essa atualidade de situações que tornam seus textos tão contemporâneos.

CACHORRO! de Jô Bilac se propõe a homenagear este universo. "Livremente" inspirado na obra do "Anjo Pornográfico", o processo de criação do texto partiu de uma adaptação do terceiro quadro do longa-metragem "Traição", escrito por Patrícia Mello e que leva o nome de Cachorro!.

O espetáculo narra a trajetória de um triângulo amoroso composto por Solange (Carolina Pismel), o marido Apoprígio (Paulo Verlings) e o amante Almeidinha (Felipe Abib), O amor proibido entre Almeidinha e Solange é o fio condutor da história rodriguiana escrita por Jô Bilac e dirigida por Vinícius Arneiro, o qual lhe rendeu a indicação ao Prêmio Shell de Melhor direção - 2007.

O texto de Jô Bilac garante bons momentos do espetáculo com frases certeiras como "O nosso amor não toma sol..." dita por Almeidinha a Solange que, de forma concisa, resume com beleza poética, o amor vivido na clandestinidade. A qualidade dos textos de Jô Bilac vem evoluindo gradativamente; autor de profusão criativa, está se consolidando como uma das grandes promessas da dramaturgia carioca.

O trio de atores, apesar de ainda jovens, tem talento e o emprestam com visceralidade aos seus personagens, com destaque para Felipe Abib, em ótima atuação, encarnando o amante que age como se fosse o marido traído. A discussão desta inversão de valores é um dos pontos fortes do espetáculo. Aquele que trai é o que se sente traído.

O cenário, assinado por Daniele Geammal, se concentra no uso de luminárias e praticáveis transparentes que em sintonia com a luz de Paulo César Medeiros nos remetem à sensação de clandestinidade, da mutablidade dos sentimentos vivenciados à margem da sociedade. O que está na sombra pode vir à luz. Por fim, o subúrbio carioca está bem representado nos figurinos idealizados por Júlia Marini e na direção precisa de Vinícius Arneiro.

Mais do que apenas uma homenagem ao universo rodriguiano, o espetáculo se propõe a desvendar um cotidiano de falsas aparências, onde é fácil se corromper pelo próprio desejo. Nada de tão novo mas, ainda assim, um grande espetáculo.

Quem é o colunista: Celso Pontara.

O que faz: Paulista, radicado no Rio, Celso Pontara é uma mistura de ator, dramaturgo e produtor cultural. É editor do Portal El Jorro - www.eljorro.com.br, o portal que traz notícias sobre a cena teatral carioca.

Pecado gastronômico: Coxinha de camarão do Bar Rebouças no Rio.


Melhor lugar do Brasil: Paraty.


Fale com ele: capontara@uol.com.br ou Clique aqui

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças