Guia da Semana

Closer

Colunista fala sobre a estréia no espetáculo Closer, no Teatro Augusta

Foto: Photocase

A estréia do espetáculo Closer, no Teatro Augusta, pode ser descrita como uma reunião de vertentes da nossa classe teatral. De muitos lugares e tribos, representantes circulavam pela calçada e saguão aos cumprimentos e cruzando olhares.

O texto original de Patrick Marber ficou mais conhecido com a versão cinematográfica, estrelada por Natalie Portman. Na mais recente montagem brasileira, o papel coube a Rachel Ripani, também tradutora e produtora.

A peça, logo de início, mostra uma das suas maiores qualidades, a excelente relação entre a luz de Wagner Freire e a direção de Florência Gil, inteligente ao solucionar as questões de tempo e espaço da narrativa, determinando consistência ao ritmo e levando a platéia conhecedora apenas da filmagem a descobrir nuances novas.

Contudo, é necessário melhor afinar a interpretação. Falas que se perdem na imprecisão das intenções, dicções confusas. E, ainda que o nervosismo da estréia surgira uma hora e outra, a peça segue bem até o final.

Críticas sobre o texto saíram às dezenas acompanhando a estréia do filme. Portanto, volto meu olhar para uma questão pouco debatida no circuito cultural.

Segundo Ripani, a produção levou três anos para ser efetivada. Dificuldades comuns como patrocínio e manutenção dos direitos de montagem atravessaram o percurso desde sempre. A força na crença de ser este o texto certo e a vontade de realizá-lo dentro de padrões profissionais são atributos esquecidos não só entre os artistas iniciantes. Reflexos de um mercado consagrado por fórmulas condicionadas pelas empresas, instituições e casas de espetáculos.

Dizer, hoje, por qual teatro o público se interessa, não passa de mecanismo manipulador a serviço das vontades de quem escolhe. Mas de alguma maneira estamos submetidos às escolhas, seja pelos editais, prêmios-estímulo, interesses corporativos, escritórios de marketing etc.

Closer aparece sobre o palco três anos depois de ser desejado. E lá está. Exemplo claro da importância de se manter fiel aos ideais originais e de ser possível, sim, fazer teatro sem estar alicerçado e carimbado por esta ou aquela chancela. Fugir da venda submissa, da reformulação conceitual como moeda de troca pelo galgar reconhecimento é possível desde que a arte seja de fato sua maior coerência de discurso.

A maneira como o espetáculo se revela ao público, a consistência de uma direção precisa, a intimidade entre os atores, revela Closer como um exemplo a ser seguido. Enfrentemos os leões diários, então. Os absurdos e exigências que descaracterizam quase sempre a arte e o artista. Pois, enquanto ficarmos aprisionados em condições que nada têm com o trabalho em si, ou instrumentais comerciais de divulgação, na tentativa de solucionar o desinteresse explícito das pessoas pelo Teatro, estaremos verdadeiramente deixando de trazer à tona o mais importante de qualquer trabalho: a sinceridade de usar a arte na construção de diálogos.

Hoje Closer sobe ao palco e grita: ainda há artistas com quem conversar.

Leia as colunas anteriores de Ruy Filho:

? Gob Squad


? O teatro de Henrique Diaz


? Mais Quero Asno... e os recursos do fomento


? El Chingo e os fantasmas de cada um


? Com prosecco e qualidade


? O teatro candango e a morte de todos os dias


? Entre o silêncio e a mudez


? A ciência como pretexto dramático


? A alma decepcionada frente à realidade


Quem é o colunista: Ruy Filho.

O que faz: diretor e dramaturgo.

Pecado gastronômico: carpaccio de pato do Piselli.


Melhor lugar do Brasil: Salvador fora de temporada.


Fale com ele: ruyfilhosp@yahoo.com.br ou acesse o blog do autor

Atualizado em 10 Abr 2012.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças