Guia da Semana

Com inspiração

Infelizmente, parte do que escutamos nas rádios hoje é tudo encomendado. Nada feito com inspiração



A música nasce da inspiração. A letra pode entrar na mente do artista a qualquer momento sem ser convidada. E a melodia também. Ulisses Rocha, grande violonista e compositor do nosso país, já viu muitas de suas peças nascerem na estrada, enquanto ia de São Paulo a Campinas. Ele imaginava as notas e, no final da viagem, passava para o papel tudo o que surgiu no asfalto.

Mas o que dizer sobre os dias de hoje? Os músicos continuam compondo por pura inspiração? Ou, no melhor estilo Idade Média, por encomenda?

 Ligue o rádio. Você vai descobrir algo triste: 1% de inspiração e 99% de encomenda. As letras mecânicas e as rimas previsíveis não surpreendem nossos ouvidos. Elas são como o trânsito das seis da tarde: sem novidade, desgastantes. Quando alguém escreve uma música, pensando apenas em fazer sucesso, deixa de lado todo o sentimento disponível que mora em algum lugar por aí. E som órfão de inspiração frustra a plateia. 


Peguemos Tom Jobim emprestado lá do céu como exemplo. Escolha aleatoriamente um dos CDs dele ou aperte o play do mp3 em alguma das canções do maestro soberano. Já nos primeiros acordes, você dá um sorriso. Porque Jobim nunca compôs só para fazer sucesso. Ele se sentava debaixo de uma árvore no Jardim Botânico e despejava emoções na partitura. A voz do maestro vivia trazendo recados do mundo da inspiração.


Quer ser famoso fazendo música? Comece pesquisando as fontes da sua inspiração.
Quem é a pessoa que faz você ter vontade de pegar um instrumento, um papel, uma caneta e sair arriscando versos e notas? Invista em encontros com ela. Quais são os lugares capazes de arrancar um fundo suspiro da sua alma, seguido de um "adoro esse lugar"? Qual a hora do dia em que a rotina vai dormir e a sua mente convida o coração para pensar no lugar dela?

Música com inspiração nem sempre assume o primeiro lugar nas listas das mais tocadas. É o caso do som de George Vidal e de João Miguel Valencise. Entre no Myspace desses artistas e tome um banho de canções capazes de emocionar até o alemão mais frio de Berlim.

A música deve nascer lá de dentro do artista, chegar ao mundo com uma história para se contar. Senão, ela toca nas rádios, toca nas lojas de shoppings, toca nos elevadores, toca nos palcos, e não toca ninguém.

Leia as colunas anteriorwa de Pedro Cavalcanti:

Não dá!

Ali, no interior

O rádio que queremos ouvir

Quem é o colunista: Pedro Cavalcanti.

O que faz: Publicitário.

Pecado gastronômico: Qualquer prato preparado pela minha avó.

Melhor lugar do Mundo: Aqui e agora, como diria o Gil.

O que está ouvindo no carro, iPod, mp3: Ulisses Rocha, Pat Metheny, Chico Saraiva
 
Fale com ele: phmarcos@terra.com.br

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Obras do MASP agora podem ser vistas em plataforma on-line gratuita

Museu integra a partir de hoje o acervo do Google Arts & Culture

Museu do Café, em Santos, inaugura exposição gratuita sobre propaganda da bebida

A partir de 28 de dezembro, os visitantes poderão conhecer as estratégias das marcas de café de 1900 a 1959

Especial férias: MASP abre ao público em todas as segundas-feiras de Janeiro

Programação de férias disponibiliza cinco dias a mais para visitar o Museu

5 motivos para assistir ao documentário "O começo da vida" na Netflix

O filme mostra a importância dos primeiros anos de vida sob a ótica dos quatro cantos do mundo

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA