Guia da Semana

Come on, join the Joyride

Longe das turnês havia 15 anos, os suecos do Roxette entoaram seus hits famosos e relembraram os anos 90

Foto: M.Rossi/T4F


O cabelo platinado e curtíssimo de Marie Fredriksson está lá. A voz potente e delicada, também. O carisma de Per Gessle e sua habilidade com a guitarra, então, nem se fala. Seria uma quase volta aos anos 90, não fosse pela profusão de câmeras digitais e celulares na plateia - alguns deles tiravam fotos e as publicavam instantaneamente no Facebook -, pertencentes às quase sete mil pessoas que lotaram o Credicard Hall no dia 14 de abril na volta da banda sueca Roxette.


No segundo show da turnê Charm School pelo Brasil - o primeiro havia sido em Porto Alegre dois dias antes, e a banda ainda se apresentou no dia 16, no Rio, dia 17, em Belo Horizonte, e fechou a série de shows no dia 19, no mesmo Credicard - a festa tinha sua razão de existir. Fora do circuito de shows desde 1995, a banda deixou saudades - e muitos hits de sucesso absoluto nos anos 90. Os adolescentes da época - e muitos adultos também - se derretiam em baladas como It must have been love, ainda em 1987, Fading like a flower, de 1991, e a Listen to your heart, de 1995.

A espera acabou às 21h45, quando Marie e Gessle e sua banda chegaram chegando ao palco com Dressed for Success. As luzes vermelha e lilás deram as cores ao show, o que realçava ainda mais o loiro cabelo de Marie. E foi difícil ouvir sua voz: o coro do público acompanhou a música do começo ao fim, em um êxtase digno de um grande hino. Sem intervalo, Sleeping in my car arrebatou o coração dos trintões e trintonas de hoje que, na época, sonhavam em ter um carro e andar com ele por aí com a pessoa amada.

The Big L e I wish I could fly também tiveram bom acompanhamento do público, mas não com o mesmo entusiasmo. Mas o Credicard se incendiou com It must have been love: foi só a música começar a ser tocada que o público cantou, em peso, sem errar um verso. Marie e Gessle ouviram e se surpreenderam.


A voz de Marie é um capítulo à parte, principalmente na Perfect Day, quando ela se livrou da jaqueta de couro que usava e ficou com sua camiseta regata preta. A música, lenta, foi somente um acessório para acompanhar o timbre potente e delicado da cantora, que conseguiu - finalmente - criar um certo silêncio para que os fãs pudessem admirar sua voz, uma verdadeira obra de arte. Mas esse silêncio durou pouco. Uma sequência de hits trouxe de volta o coro da plateia: Fading like a flower, Silver Blue e How do you do.


De repente, um dos panos de fundo do palco cai, e mostra outro, com uma imagem dos anos 90 da banda. E embalou com Dangerous e Joyride - isso foi a deixa para o público entrar totalmente no clima nostálgico. E uma surpresa: depois de Joyride, o guitarrista Christoffer Lundquist desfilou pelo palco tocando Brasileirinho - e a plateia retribuiu com muitos aplausos.

O show se encaminhava para seu fim. Way Out, Listen to your heart e Church of your heart fecharam com chave de ouro uma apresentação memorável. Faltaram alguns hits, é verdade. Ausências como I don`t wanna get hurt e Crash! Boom! Bang! - minha música favorita - foram duramente sentidas.

Na apresentação, Gessle não perdeu o pique e dizia que era muito bom estar de volta - sempre munido de uma garrafa de água e uma toalha. Thank you very much era o que Marie mais dizia. A participação da loira era mais do que especial: foi uma vitória, depois de um período complicadíssimo na sua vida. Ela teve um tumor cerebral em 2002, e os médicos diziam que ela teria 20% de chances de cura. Um verdadeiro Crash! e Boom! Contrariando as expectativas, ela venceu e continua firme, forte, esbelta e mostrou que não perdeu o rebolado nem sua doçura. Bang!, ela está de volta.

Leia a coluna anterior de Vanessa Zampronho:

Deixe a preguiça em casa


Quem é a colunista: Jornalista por profissão, otimista por convicção e curiosa por...curiosidade mesmo.

O que faz: Jornalista e ex-teacher de inglês.

Pecado gastronômico: Comida japonesa é sempre bem vinda.

Melhor lugar do Brasil: Qualquer lugar onde eu me sinta bem!

O que está ouvindo no carro, iPod, mp3: Joss Stone, hits dos anos 80, Roxette.

Fale com ela: vanzamp@uol.com.br.


 

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças