Guia da Semana

Corpos pintados

Mostra revela que as expressões do corpo humano podem também ser arte

Por Humberto Baraldi




Corpos com tintas no meio da metrópole. Pode parecer estranho, mas não são aborígenes australianos. É somente arte. Começa na Oca a exposição multimídia Corpos Pintados, que trata as questões dos povos estampadas em seres humanos.

A mostra reúne contribuições de mais de 150 artistas, entre fotógrafos, artistas plásticos, escritores e músicos. Obras dos brasileiros Arcangelo Ianelli, Wesley Duke Lee, Luiz Allegretti, Ester Grinspum e Paulo Pasta fazem parte do evento. "Utilizei o corpo de algumas pessoas para projetar textos poéticos", informa Pasta.

Corpos Pintados é um projeto iniciado em Santiago do Chile, no ano de 1981. O idealizador e fotógrafo Roberto Edwards busca explorar a diversidade dos seres humano por meio de diferentes perspectivas, com obras aplicadas diretamente sobre corpos nus. Nos primeiros dez anos, artistas locais atenderam ao convite de Edwards e tiveram as sessões de pintura corporal fotografadas. Este material originou um livro e a exposição.

De acordo com Ester Grinspum, não adianta explorar as expressões dos homens sem alguma finalidade. "O importante é passar uma mensagem com a arte. Trazer um pouco da história dos rituais primitivos, é uma das minhas características".

Uma das mudanças mais relevantes desta nova etapa do projeto foi aumentar o número de participantes. Aos 45 artistas plásticos chilenos do início, foram agregados outros de diversos países, além de músicos, fotógrafos e cineastas. O trabalho de Edwards faz uma única exigência: o corpo precisa ser o protagonista da obra.

A versão que desembarca no Brasil foi inaugurada em 2003, também no Chile, e é resultado de um processo evolutivo, realizado ao longo dos anos em que a mostra excursionou. Os trabalhos, todos inéditos, foram produzidos em Oficinas Experimentais, locais devidamente equipados, em que são realizadas as propostas dos artistas, com o suporte de uma equipe de profissionais.

A trilha sonora é composta por 60 temas instrumentais criados a partir de sons produzidos pelo corpo humano. "Vale a pena visitar esta produção, pela sua gradiosidade e riqueza de detalhes", revela Ester.

Serviço

Inauguração: 04 de maio.
Temporada: até 17 de julho.
Local: OCA - Parque do Ibirapuera, Portão 03.
Telefone: (11) 6846-6000.
Horários: de terça a domingo, das 10h às 22h.
Preço: R$ 15. Estudantes pagam meia-entrada com a apresentação da carteirinha.

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças