Guia da Semana

Covers que ninguém merece

A síndrome do papagaio é uma constante trágica na história da música

Nem os Los Hermanos escaparam da fúrias dos covers


Os motivos que levam artistas a regravar um sucesso consagrado na voz de outros músicos podem ser os mais diversos: uma sincera homenagem, falta de criatividade, oportunismo barato ou mera curiosidade sobre o resultado final. O fato é que para cada cover interessante, capaz de trazer um borrifo de criatividade ao cada vez mais cinzento cenário musical, surge uma avalanche de versões de péssima qualidade, requentadas sem o menor comprometimento com a obra original. O Guia da Semana pinçou algumas dessas tentativas fracassadas para ilustrar que na maioria das vezes, em time que está ganhando não se mexe.

Chitãozinho e Xororó - Rancho Fundo, de Ary Barroso e Lamartine Babo

Sandy & Júnior devem ter aprendido com os pais a parasitar composições alheias. Para quem acha que Have You Ever Really Loved A Woman, de Brian Adams, é a versão mais famosa na carreira da dupla sertaneja, ledo engano. A famigerada No Rancho Fundo, sucesso absoluto nas vozes de Chitãozinho & Xororó, não passa de uma regravação caipira de dois ícones da música popular brasileira: Lamartine Babo e Ary Barroso, que a compuseram no início da década de 30.

Britney Spears - I Love Rock ´N´ Roll, do The Arrows

Se Britney Spears cantando sua devoção ao rock ´n´ roll só pode ser uma gozação, ouvir sua versão do petardo de Joan Jett, originalmente gravado pela banda The Arrows, pode provocar risos incontidos. O mais cômico do cover é que a loira parece se levar a sério em sua tentativa patética de incorporar trejeitos roqueiros. Para o bem da humanidade, Britney anda perdendo os cabelos em sua saga esquizofrênica, poupando, assim, o ouvido do público de novas assombrações musicais.

The Calling - One e With Or Without You, do U2

Quando Wherever You Will Go estourou nas rádios do planeta, muita gente apostou que o The Calling não passaria de mais uma one-hit-band. Assim que a poeira baixou e a previsão se confirmou, os californianos partiram para a apelação. E a vítima favorita foi o U2, que teve duas de suas obras-primas - One e With or Without You - massacradas.

Alex Band não teve dó do U2
A infelicidade não poderia ser maior: O vocalista Alex Band reduziu uma das melhores músicas da década a uma piada de mau gosto, desfigurando o vocal sóbrio de Bono, enquanto seus companheiros reduziam a guitarra de The Edge a arranjos acústicos para lá de oportunistas. Embora possa se configurar como uma balada romântica, a verdadeira identidade de One é uma canção crucial na carreira dos irlandeses, que brinda e reflete sobre as incongruências de seus integrantes no exato momento em que a banda acenava para um fim. Mas se errar é humano, insistir no erro parece desumano. E foi exatamente isso que o The Calling fez ao esvaziar outro clássico do U2, agora a mítica With Or Without You. A esperança é que Band e seus colegas deixem de lado essa fixação pelo quarteto irlandês o quanto antes.

Cláudia Leitte - O Último Romance, dos Los Hemanos

Uma das preciosidades do álbum Ventura, dos Los Hermanos, O Último Romance foi vítima de Cláudia Leitte, líder do grupo de axé Babado Novo. Durante um programa de televisão, Cláudia torturou a faixa escrita por Rodrigo Amarante durante três intermináveis minutos. Transfigurada em um misto de axé e acústico, a canção - que prima pela riqueza de seus arranjos - perdeu-se na banalidade do momento. Entretanto, os fãs do grupo carioca podem ficar despreocupados, a cantora ainda não tem planos de gravá-la.

Placebo - Where´s My Mind, do Pixies

O Pixies, lendária banda de Frank Black e Kim Deal, emplacou alguns dos maiores hits dos últimos vinte anos, inspirando uma geração de nomes como Nirvana e Radiohead. Ainda assim, o reconhecimento por parte do grande público permaneceu bem aquém do merecido. Como se isso não fosse o suficiente, ainda tiverem que engolir uma insossa regravação de Where´s My Mind, do Placebo, o trio que mais faz suspirar emos mundo afora.

O emo rock do Placebo enterrou um dos clássicos do Pixies


Nenhum de Nós - O Astronauta de Mármore, de David Bowie

David Bowie, o camaleão, desejaria uma camuflagem melhor para se proteger da versão bisonha de Starman, forjada pelo Nenhum de Nós, na década de 80. Rebatizada de O Astronauta de Mármore, a canção, símbolo da época em que Bowie recorria ao célebre personagem Ziggy Stardust, ganhou letra em português e uma levada um tanto quanto brega.

P.Diddy - Every Breath You Take, do The Police

Nos tempos em que P. Diddy era apenas Puff Daddy, o bad boy não perdoou um dos grandes hinos do Police, mandando às favas o bom gosto em um cover dantesco de Every Breath You Take, que ainda ganhou a alcunha de I´ll Be Missing You, em homenagem ao rapper Notorious B.I.G, assassinado em 1997. E o que já era ruim conseguiu ficar pior quando Sting dividiu o palco com Puffy Daddy, evocando um genuíno frankstein sonoro.

Five - We Will Rock You, do Queen

O que pode acontecer quando uma boy band tem a presunção de remodelar um dos maiores clássicos do rock? Em 1999, o falecido grupo Five mostrou sua face oportunista ao regravar o colossal sucesso do Queen, We Will Rock You. Um tempero jovem aqui, um vocal hip hop adocicado acolá, pede-se ajuda para os membros remanescentes do grupo britânico e pronto, está finalizada uma farsa capaz de trazer Freddy Mercury do além-túmulo. Felizmente a versão original do Queen continua sendo um totem do rock, enquanto o Five...

Metallica - Whiskey In The Jar

Muitas vezes, a versão regravada pelo artista passa tão distante da original que seu real sentido acaba sendo esvaziado. A canção tradicional irlandesa Whiskey In The Jar é um desses exemplos. Datada do século XVIII, a música faz parte do folclore da ilha gaélica, tendo sido interpretada por dezenas de músicos distintos. Na versão rock ´n´ roll, ela ficou consagrada na voz de Phil Lynot e sua banda, o Thin Lizzy, na década de 70. Outra gravação de tirar o chapéu é a do dueto entre a lenda folk The Dubliners e os punks do The Pogues. O mesmo não se pode dizer do Metallica, que simplesmente derramou o peso de sua música sobre a antiga versões, não acrescentando nada de original à canção.

A banda irlandesa Thin Lizzy, que restaurou Whiskey In The Jar


Foto: thinlizzylive.com

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças