Guia da Semana

Cowboys sem chapéu

Caçula do sertanejo tradicional, o estilo universitário atrai cada vez mais adeptos entre os jovens de classe média alta

Foto: Divulgação
A dupla João Neto & Frederico, uma das mais famosas do gênero

Gostando ou não de sertanejo, uma coisa todos nós temos que admitir: dos tempos de Pena Branca e Xavantinho até Bruno e Marrone, o gênero mudou bastante. Dando continuidade a essa linha cronológica, nada mais natural do que encontrar a última novidade entre a turma do rodeio, que agora abraça o sertanejo universitário, estilo que vem conquistando um público cada vez maior entre os adeptos das modas de viola e canções de amor.

Assim como o pagode e o forró, que conquistaram o seu espaço entre os jovens de classe média alta, o estilo começou a chamar a atenção desse público através de duplas como César Menotti & Fabiano, em uma combinação do melhor das modas de viola em uma roupagem mais pop e agitada. "Temos públicos de todas as idades e classes, o que é uma grande realização para um artista: atingir a todas e não somente a uma tribo em especial", comenta César (clique aqui e veja a entrevista completa).


Foto: Marco Antônio Vieira Cunha
Um dos ambientes do Villa Country, casa que abriga o estilo universitário

Nova fase

O sertanejo pode ser dividido em quatro fases: a primeira de duplas como Tonico e Tinoco, que começaram a se destacar entre os anos 30 e 40, voltadas para as tradicionais histórias do campo e modas de viola. Logo depois foi a vez das composições irônicas e de duplo sentido, como as de Milionário e José Rico, na década de 70. Mas, apenas nos anos 90 que ocorreu o boom caipira, com as famosas músicas sobre amor e traição, imortalizadas nas interpretações de Zezé di Camargo e Luciano, Chitãozinho e Xororó, Leandro e Leonardo e muitos outros.

"O ritmo se atualizou, acompanhando uma tendência  de enormes mudanças comportamentais da década. O mundo hoje vive uma nova realidade. O sertanejo universitário é uma versão repaginada que foi influenciado pelo próprio ambiente externo. O artista vai criando aquilo que o público está esperando. Assim nascem as inovações", explica o diretor de conteúdo do Villa Country, Marco Tobal Junior. A casa paulistana possui o sertanejo como tema de toda a decoração e espaço reservado para ensinar a moçada a dançar country.

Agora, ao que tudo indica, é a vez do sertanejo universitário, que tem como principal característica uma levada mais agitada, com músicas que falam de amor, mas também contam casos engraçados. Enquanto isso, novas duplas surgem aos montes, disputando seu lugar ao sol dentro do novo estilo. As maiores apostas estão em nomes como João Neto e Frederico, João Bosco e Vinícius, Victor e Léo, Jorge e Mateus e Maria Cecília e Rodolfo.

"Acredito que o sertanejo universitário é mais um rótulo que o mercado e o próprio público criaram. Há uma diferença, a melodia tem uma levada mais pop, uma linguagem mais jovem, não fala de coisas ruins, não tem aquela melancolia de muitas letras. Mas nós não deixamos de lado a essência do sertanejo tradicional", comenta o cantor João Neto, da dupla João Neto e Frederico, considerada uma das precursoras do estilo, autora do hit Pega Fogo Cabaré.

Foto: Divulgação/www.estancialtodaserra.com.br
A festa do Estância que misturou Axé e Sertanejo no mesmo palco

Para todos

Segundo os artistas de sertanejo universitário, além do destaque musical, a maior inovação que o gênero trouxe foi a quebra de preconceito entre o público. "Antes muitos jovens tinham medo e até vergonha de assumirem que gostavam de sertanejo. Hoje não. Pelo próprio nome sertanejo universitário, eles assumem que gostam do estilo, assim como gostam de pagode, forró, axé", explica João Neto.

Mas o segmento não é mais exclusividade dos "cowboys" e "cowgirls" que frequentam as caravanas sertanejas, trajando o figurino típico. "Ainda continua o público que vai aos rodeios em comitivas. Mas agora existe outro perfil de frequentador, que vai aos eventos não caracterizado, mas sim, como se estivesse indo para uma balada. É um público que também gosta de pagode ou micaretas", esclarece o promotor de eventos do Estância Alto da Serra, Wilson Roberto da Silva.

Essa mistura de públicos pode ser observada em uma festa realizada pela casa recentemente, na qual uma banda de micareta e uma dupla sertaneja dividiram a programação da noite. "Nós não esperávamos que compareceria tanta gente. Esse evento mostrou mesmo que o público quer conhecer mais a respeito do sertanejo. A dupla se apresentou e o público ficou presente, assistindo e aproveitando cada minuto do show", completa.

Talvez isso seja a prova, de assim como a tradicional MPB passa por renovações constantes, entre diversas influências musicais, o sertanejo também possa criar novos filhos. "A música sempre passar por uma renovação. É uma continuidade do sertanejo tradicional, que se tornou, na verdade, integrante música popular brasileira", finaliza João.

Serviço:

Estância Alto da Serra
Endereço: Estrada Nevio Carlone, 03 - São Bernardo do Campo
Contato: (11) 4101-5000

Villa Country
Avenida Francisco Matarazzo, 774 - Parque da Água Branca
Contato: (11) 3868-5858

Atualizado em 10 Abr 2012.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Obras do MASP agora podem ser vistas em plataforma on-line gratuita

Museu integra a partir de hoje o acervo do Google Arts & Culture

Museu do Café, em Santos, inaugura exposição gratuita sobre propaganda da bebida

A partir de 28 de dezembro, os visitantes poderão conhecer as estratégias das marcas de café de 1900 a 1959

Especial férias: MASP abre ao público em todas as segundas-feiras de Janeiro

Programação de férias disponibiliza cinco dias a mais para visitar o Museu

5 motivos para assistir ao documentário "O começo da vida" na Netflix

O filme mostra a importância dos primeiros anos de vida sob a ótica dos quatro cantos do mundo

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA