Guia da Semana

Criolo

Criolo tem atraído a atenção dos fãs e da mídia pela qualidade das suas músicas - além de ter sido o criador da rinha de MCs

Foto: Ursula Kiori


Intenso é a única palavra que fica completamente óbvia quando se assiste a um show do Criolo, hoje não mais Doido. Após quase 20 anos de carreira no rap, ele alcançou o mainstream com o disco Nó Na Orelha, lançado este ano.

O último show que ele realizou em Santo André, no ABC Paulista, foi, na verdade, puro improviso. Isso porque era para ser uma rinha de MCs - disputa de freestyle que ele próprio, ao lado do DJ Dan Dan, criou - mas não houve quem quisesse desafiá-lo. Mas ele não decepcionou a galera e, além das músicas do mais novo trabalho e algumas antigas, cantou a estrofe de uma faixa inédita, como presente para os fãs que lotavam o lugar.

Uma semana depois, a corrida para os ingressos de duas apresentações no Studio SP, na capital paulista, era frenética. As entradas se esgotaram rapidamente para as datas, a imprensa foi vetada de última hora e a plateia tinha nomes como Kamau e Adriana Lessa.

Com um público totalmente cheio e que incluía pessoas de todos os tipos, Criolo sobe ao palco, de bata africana e óculos escuros, ao som de Bogotá, primeira música do disco e cantada a todos pulmões por um público que não errava a letra.

O ápice, como já era de se esperar, ficou para Não Existe Amor Em SP, que virou hit do ano, mas faixas como Linha de Frente e Grajauex também arrancaram gritos inspirados de um público emocionado, quando Criolo já estava com sua famosa camisa do Corinthians.

Em 2011, o rapper chegou ao pico da carreira, tendo participado (e bastante elogiado por isso) do último clipe do Emicida, Então, Toma!, com direção de Fred Ouro Preto. O vídeo traz ainda participações inusitadas como Renato Teixeira , Zeca Baleiro e até NX Zero.

Isso sem contar que era para Nó na Orelha ser o álbum que faria o artista dar uma pausa na carreira, mas acabou ganhando uma produção bem feita de Daniel Ganjaman e o sucesso foi imediato. Ficou curioso para ver o show? Clique aqui e assista a um trecho! 

Leia as colunas anteriores de Carol Tavares:

Pitty

Esteban


Quem é a colunista: Carol Tavares, uma repórter geminiana e um pouco esquisita.

O que faz: É repórter do Portal MTV - o que quer dizer que escreve, grava, entrevista, cobre eventos e planta bananeira com uma mão só (mentira, isso eu não sei fazer).

Pecado Gastronômico: Cerveja conta?


Melhor lugar do mundo: O Meu Quarto.

O que está ouvindo no carro, iPod, mp3: No momento, viciada no disco A Coruja e o Coração, da Tiê. Mas a trilha sonora do filme À Prova de Morte, do Tarantino, não sai do carro.

Fale com ela: caroluiz@gmail.com ou siga seu Twitter.




Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Museu do Café, em Santos, inaugura exposição gratuita sobre propaganda da bebida

A partir de 28 de dezembro, os visitantes poderão conhecer as estratégias das marcas de café de 1900 a 1959

Especial férias: MASP abre ao público em todas as segundas-feiras de Janeiro

Programação de férias disponibiliza cinco dias a mais para visitar o Museu

5 motivos para assistir ao documentário "O começo da vida" na Netflix

O filme mostra a importância dos primeiros anos de vida sob a ótica dos quatro cantos do mundo

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP