Guia da Semana

Dança Contemporânea

O grupo Momix volta a São Paulo com a montagem inspirada no deserto do Arizona, onde os bailarinos realizam movimentos como se não existisse gravidade

Foto: Divulgação

Depois da apresentação no Rio de Janeiro, o grupo de dança contemporânea Momix está de volta a São Paulo, em curta temporada, de 15 a 18 de agosto, na Via Funchal. A companhia traz dois de seus principais espetáculos: Opus Cactus e Lunar Sea.

Nomeado pelo coreógrafo Moses Pendelton, Momix significa "mix de Moses". Há 27 anos, a trupe de dançarinos, acrobatas e ilusionistas é conhecida internacionalmente pelas apresentações, com cenas que utilizam, além dos corpos dos bailarinos, acessórios e cenografia que destaca jogo de luz e sombras.

Foto: Divulgação

O mentor
No mesmo ano em que se formou em literatura inglesa, Moses Pendleton fundou o Pilobolus Dance Theatre. Misturando dança, acrobacias e criatividade, o grupo ganhou prêmios, até a primeira aparição na Broadway, em 1977. Dois anos depois, o coreógrafo atuou em Integrale Erik Satie, para a Ópera de Paris. Na cerimônia de encerramento das Olimpíadas de Inverno em Lake Placid, nos Estados Unidos, assinou a coreografia Momix, cujo nome seria de sua nova companhia de dança logo no ano seguinte.

Além de suas turnês mundiais, tem atuado em filmes e TV. Os dançarinos participaram da homenagem a Picasso em Paris e representaram os Estados Unidos no Centro Cultural Europeu, em Delphi.


Foto: Divulgação
Os espetáculos
Pendleton, que também é fotógrafo, viajou por muitos países em busca de imagens de desertos. E é no que se transforma o palco em Opus Cactus. Há lagartos, flores exóticas, pássaros e cactus. As músicas são uma mistura de Bach com Brian Eno, Dead Can Dance, intercaladas com canções aborígenes americanas e australianas.

O jogo de luzes é assinado pelo coreógrafo, junto com Joshua Starbuck e John Finen, onde tudo se transforma em um passeio cheio de cores e magia. Com dez bailarinos especializados em balé clássico, dança moderna e ginástica artística, as cenas combinam teatro e dança e são protagonizadas por serpentes, flores e monstros pré-históricos. Os dançarinos brincam com fogo e desafiam a lei da gravidade, por meio de acrobacias e movimentos com os corpos sem tocar o chão.

Lunar Sea foi criado para comemorar os 25 anos da companhia, em 2005. Pendelton produziu uma coreografia que se passava na lua, onde a gravidade não limitasse a coreografia dos bailarinos.

Foto: Divulgação
Parte da apresentação se passa no escuro e os corpos brilham e executam todos os movimentos. Uma tela separa o palco do público e recebe projeções de imagens surreais, fugindo da lógica e da razão, onde a platéia não tem limites para poder sonhar e imaginar junto com as cenas.

O figurino se destaca, não só pelo modelo ou cor, mas também pelo fato de que algumas cenas são feitas por duplas de bailarinos, mas o público tem a sensação de ver somente uma pessoa no palco. Os outros estão completamente invisíveis no cenário.

Esse espetáculo define-se como um jogo de corpos, em que os bailarinos flutuam ou nadam no vazio, todos se unem e se separam sem tocar o chão, de misteriosas maneiras. A partir de todos esses movimentos, pássaros e aranhas se formam entre toda a magia e jogo de sombra e luz, o que chama a atenção do público presente.

O grupo passará por Brasília, Salvador, Recife, fechando a turnê em Curitiba. Saiba mais sobre a programação.

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças