Guia da Semana

De volta à Idade da Pedra

Novo álbum do Queens Of The Stone Age resgata o bom rock da banda de Josh Homme



O agonizante mundo do rock ´n´ roll parecia caminhar para bater as botas definitivamente no começo desta década. Após suportar anos de boysbands e música pop de baixa qualidade, o movimento estava prestes a ser massacrado e se dispersar em outros estilos de pseudo-rock como o hardcore e heavy-metal. Porém alguns focos de resistência parecem ter se formado em todo o mundo. No cenário norte-americano uma das bandas que conseguiu se destacar foi o Queens Of The Stone Age (QOTSA para os mais íntimos).

Surgida em 1997, a banda californiana encabeçada pelo talentoso guitarrista-vocal Josh Homme renova o estilo, apostando em um som mais cru e ácido conhecido como stoner rock que é caracterizado por possuir riffs de guitarra graves e lentos e grande influência psicodélica, um rock com forte influências setentistas e lisérgicas. As grandes influências dessas bandas vêm do hard rock dos anos 70. O Queens não fica de fora, mas com uma diferença, suas melodias pesadas e bem trabalhadas vão além de descrever simplesmente viagens alucinógenas, às vezes seu tom melancólico pode chegar a representar fascinantes bad trips sonoras.

Tão conturbada quanto sua música é a história da banda, que já teve a participação de Dave Grohl na bateria e hoje da formação original só restou o vocalista. No meio deste ano foi lançado o quinto CD sugestivamente intitulado Era Vulgaris, um álbum claramente mais popular, quando comparado com algumas obras-primas anteriores como o elogiado Song´s for the Death. Embora perca um pouco de seu caráter alternativo, o album consegue reafirmar o estilo da banda e se recuperar do incerto Lullabies to Paralyze.

Dessa vez, eles apresentam 11 faixas com riffs cavalares de guitarras, como em Sick, Sick, Sick, com participação de Julian Casablancas, do Strokes, ou então nos levam a lugares longínquos e familiares como em Make It Wit Chu (que tinha sido gravada como I Wanna Make it Chu no álbum The Desert Sessions Vols. 9 & 10).

Era Vulgaris talvez não chegue ao auge de outros álbuns, mas serve para demonstrar que o mais genuíno rock ainda respira ofegante, sem apelo nem agravo. E que Josh Homme continua a ser um roqueiro despudorado e hedonista que não liga para conceitos pré-concebidos. Um roqueiro de verdade.

Fotos: Matthew Field
Quem é o colunista: Adriano Sanches
O que faz: jornalista
Pecado gastronômico: spaghetti com fritas.
Melhor lugar do Brasil: o subsolo
Fale com ele: zebu777@hotmail.com



Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças