Guia da Semana

Dica de leitura: Cine arco-íris

O livro vem com quase 300 resenhas de filmes sobre a homossexualidade, desde os anos 40 até os dias de hoje

Filmes de temática LGBT não são fenômeno recente porque, somente agora, a sociedade estaria mais permeável a esse gênero cinematográfico. O livro Cine arco-íris (Edições GLS) traz resenhas de quase 300 películas produzidas nos últimos cem anos. Sim, os filmes gays começaram a ser produzidos por volta dos anos 40 do século 20.


Para situar o leitor na história desse gênero tão peculiar, o autor mostra um pouco do começo do cinema, em 1895, e vai desenrolando as "novidades" que surgiam até 1940, quando apareceram o que pode ser considerado os primogênitos filmes LGBT. Prova disso é o Festim Diabólico, de Alfred Hitchcock - sim, o mestre do suspense. Nele, segundo o autor, dá a entender que os dois protagonistas seriam homossexuais. Nos anos 50, A Malvada mostra uma Bette Davis com um relacionamento para lá de impossível com sua secretária.

A produção de filmes LGBT vai aumentando com o passar dos anos. Foi na década de 60 que filmes simbólicos como Nero foram produzidos - a película mostra o reinado do imperador romano, com todas as orgias que ele protagonizava. O Brasil entra na rota dos filmes homossexuais com Noite Vazia, de Walter Hugo Khouri; e O Cortiço, de Francisco Ramalho Jr, são alguns exemplos.

Outros ícones cinematográficos que extrapolam os títulos de filmes importantes e também são classificados como LGBT são O beijo da mulher-aranha, de Hector Babenco; Lei do Desejo, de Pedro Almodóvar (que traz Antonio Banderas ainda desconhecido do público) e Vítor ou Vitória, com Julie Andrews no elenco. A temática lésbica ficou mais forte em 1990, quando a Kate Winslet de antes de Titanic estrelou Almas Gêmeas, do diretor Peter Jackson. Na trama, ela é uma adolescente que é apaixonada pela melhor amiga. 

Mas, a partir dos anos 2000, a temática saiu totalmente do armário. Milk, com Sean Penn no papel do primeiro gay a assumir um cargo público nos Estados Unidos; e O segredo de Brokeback Mountain, com Heath Ledger e Jake Gyllenhall nos papeis de dois cowboys que se apaixonam, são os exemplos mais recentes.


Cine arco-íris
De: Stevan Lekitsch
Editora: Edições GLS
Páginas: 272

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças