Guia da Semana

Donos da dança

Conheça alguns dos principais nomes da dança no Brasil

Exaltar as diferentes formas e testar os limites do corpo. Dessa forma, diversas companhias de dança do Brasil vêm completando a agenda dos palcos pelo país. Elas misturam o cênico e a expressão corporal em espetáculos de deixar o público com o queixo caído. E quem pensa que apenas as atrações internacionais merecem destaque, se engana. Por aqui, grandes nomes da dança são inclusive admirados lá fora. Para você ficar antenado, selecionamos três grandes referências brazucas no gênero, Deborah Colker, Rodrigo Pederneiras e Ivaldo Bertazzo. Conheça mais sobre a vida deles e seus trabalhos.

Ivaldo Bertazzo

Foto: Divulgação


Paulistano da Mooca, Ivaldo Bertazzo começou a dançar aos 16 anos. Teve aulas com grandes nomes da dança e passou por países como Grécia, Espanha, Indonésia, Índia, Tailândia, Myanmar, Argentina e Chile, o que o fez incorporar os movimentos e as culturas locais em seu trabalho. Em 1975, criou a Escola do Movimento - Método Bertazzo e em seguida, entre 1976 e 1992, montou 24 espetáculos em dois planos - um da arte mais sofisticada, com bailarinos profissionais e aparato cênico, outro da "dança-cidadania", com não-profissionais e espírito de mutirão.

Nos últimos anos, Bertazzo trabalha com a periferia e empresas privadas. Em 2007, voltou aos palcos, após vinte e dois anos atuando apenas nos bastidores, com o espetáculo Kashmir Bouquet, sua 35ª montagem. Há dois anos, a Escola do Movimento Ivaldo Bertazzo, no bairro da Pompéia, oferece o curso de formação no Método Ivaldo Bertazzo para educadores e não profissionais.

Deborah Colker

Foto: Divulgação


Ela fez psicologia, foi jogadora de vôlei e estudou piano. Mas foi a partir dos anos 80 que começou a dançar, coreografar e dar aulas. Em 1984, quando foi convidada para coreografar os movimentos da peça A Irresistível Aventura, Deborah deu início ao que seria a vertente mais importante de sua carreira. Como diretora, trabalhou com os principais nomes e atores do país em espetáculos como Escola de Bufões de Moacyr Góes, Macbeth de Ulysses Cruz com Antônio Fagundes, Sonhos de Uma Noite de Verão de Werner Herzog e Uma Noite na Lua, com Marco Nanini e direção de João Falcão. Em 1994 fundou a Companhia de Dança Deborah Colker e desde então não para de formar profissionais.

Conhecida por seus balés aclamados pela crítica, nacional e internacional, como: Nó, Casa, Rota, 4 por 4, Cruel e Dínamo, é a primeira mulher á dirigir um show do Cirque du Soleil, e foi considerada pela Revista Época uma dos 100 brasileiros mais influentes do ano de 2009. Deborah acaba de levar seu espetáculo 4 por 4 para o Rio de Janeiro, México, Colômbia e Nova York em curta apresentação em todos os países.

Rodrigo Pederneiras

Foto: Divulgação


Diretor e fundador de uma das companhias mais famosas do Brasil, o Grupo Corpo, em 1975, Pederneiras trabalhou com professores e coreógrafos como Oscar Araiz, Isabel Santa Rosa, Hugo Travers, Aldo Lutufo, Freddy Romero, Tatiana Leskova, Gustavo Mollajoli, Hector Zaraspe e Jane Blauth. Tudo começou com o espetáculo Maria Maria, que anos depois se tornaria uma referência da dança moderna no mundo. Entre 1976 e 1980 atuou como bailarino do grupo que dirige, até que em 1978 criou Cantares para esta mesma companhia, de que viria a assumir o cargo de coreógrafo residente.

Rodrigo tem seu trabalho reconhecido nacional e internacionalmente e já coreografou para o balé do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, do Teatro Guaíra, paara o Balé da Cidade de São Paulo e para a Companhia de Dança de Minas Gerais. Fora do Brasil, coreografou para a companhia da Deutsche Oper Berlin (Alemanha), Gulbenkian (Portugal), Les Ballets Jazz de Montréal (Canadá), Stadttheater Saint Gallen (Suíça) e Opéra du Rhin (França). O Grupo Corpo acaba de completar 35 anos e realiza uma turnê especial por diversos países.

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças