Guia da Semana

Eduardo Martini

Por detrás de sua personagem Neide Boa Sorte existe um carismático ator, bailarino, cantor, humorista e um homem apaixonado pelo o que faz

Neide Boa Sorte


1) Quando e como você começou a carreira de ator?
Desde pequeno estou ligado nas artes. A primeira recordação que tenho é de uma professora que dava aula na escola alemã que eu estudava. Ela fazia roupas de papel crepom. Eu lembro o quanto eu era dedicado. Recortava tudo, colava. Aquela atividade me fascinava. Depois mudei para uma escola que a aula de português era declamar um poema na frente de todos. Nossa, eu adorava. E depois aos 15 anos entrei para o Tablado e lá fiz minha primeira peça de teatro. Daí, eu nunca mais parei. Acho que a gente nasce sendo artista. A responsabilidade, no entanto, é muito grande. É uma profissão que todos os dias você tem de começar do zero. O trabalho do ator não pode ser só um dia. Tem de ser todos os dias. A estréia acontece sempre.

2) Em qual momento você decidiu se voltar para a comédia?
Eu acho que foi quando fiz o outro monólogo Na Media Do Possível. Eu tive uma grande surpresa. Era algo muito patético e que eu me apaixonei por fazer. O teatro lotou. Era engraçada a comédia porque falava do dia-a-dia. É interessante extrair o bom astral de uma situação hilária que te aconteça. Eu adoro comédia. Hoje em dia, fica bem difícil assistir um drama. O ator tem de ter o público como foco.

3) Por que, na sua opinião, a personagem Neide Boa Sorte caiu na graça do público brasileiro?
Eu acho que ela caiu porque todo mundo quer ser um pouco como ela. De falar a verdade e as coisas na cara. A Hebe que ficava de espectadora dava muita risada porque a Neide não estava nem aí com quem ela estava falando, ela fala o que pensa e pronto. Eu tenho uma linha muito precisa de trabalhar com a Neide. As pessoas no fundo querem ouvir também a verdade, mas claro ela está disfarçada de Neide, não sou eu Eduardo falando. E o legal é que mesmo no espetáculo as pessoas entendem e assistem com uma cabeça aberta sabendo que a qualquer momento a Neide pode tirar um sarro delas.

Foto: divulgação


4) Qual é a diferença de interpretar a Neide na televisão e de fazê-la no palco?
Ah, é muito mais difícil fazê-la no palco. Na TV, eram seis, sete minutos. É uma esquete. No palco o tempo gira em torno de uma hora. É um monólogo. No teatro acontecem coisas que me deixam numa saia justa. No entanto, eu tiro numa boa. O público que vai me assistir é aberto. Eu procuro fazer não só o estereótipo do xingamento, eu dou um toque carinhoso mesmo se eu estou tirando alguém da platéia. É uma brincadeira, mas que as pessoas entendem também que é a verdade. Por exemplo, outro dia eu mexi com uma senhorinha que tinha cabelo branco. Nossa, todas que estavam juntas e tinha o cabelo branco ficaram emocionadas no final. Talvez por eu ter dado essa atenção para elas. É bom fazer os outros rirem e saírem da apatia do cotidiano. O teatro é muito gratificante. Nesse fim de semana uma senhora bem magrinha foi falar comigo no fim do espetáculo. Ela era bem humilde e disse que fazia dois meses que não saia do hospital porque sua irmã estava quase morrendo, mas que naquele dia ela se deu ao luxo de ir assistir a Neide para se distrair. E ela falou que se divertiu pelo ano inteiro e que eu era muito talentoso. Nossa, isso para mim vale mais do que qualquer coisa.

5) Como é feito o seu preparo físico para encarar a personagem? Ensaios, aulas, alimentação, etc...
Cuido da minha alimentação. Eu sou da teoria de que você é o que você come. Como de três em três horas. Faço aula de voz. Agora estou fazendo pilates. É genial. Estou adorando. Tomo um gatorade para repor as energias. Eu escolhi ser ator, então tenho de emprestar o meu corpo para o personagem por isso preciso estar sempre preparado.

6) Você ensaia tudo o que faz ou algumas piadas vem da improvisação?
Eu tenho uma coisa de improvisação muito grande. Adoro improvisar. Quando eu entrei no Grupo Tablado, eles davam um tema e em dois minutos você tinha que inventar tudo, o personagem, a história, enfim, acredito que essa tenha sido minha grande escola. Eu gosto de inventar. É um exercício muito bom.

Leia a resenha da peça I Love Neide

Atualizado em 10 Abr 2012.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças