Guia da Semana

Entrevista com Edgard Duprat

Filho do casal de bailarinos fundador do Ballet Stagium fala sobre a exposição comemorativa dos 40 anos da companhia

Por Guilherme Udo

Filho da bailarina Marika Gidali, que fundou o Ballet Stagium junto com Décio Otero, Edgard Duprat é o curador da mostra Ocupação Ballet Stagium que retrata a trajetória de quarenta anos da companhia no Itaú Cultural. Confira a entrevista!

Guia da Semana - Qual o critério que você utilizou para escolher o material que vai estar na ocupação já que foram mais de mil horas de imagens para 45 vídeos?
Edgard Duprat - Adaptamos uma ideia que tínhamos para o hall do Itaú Cultural. Todas as ocupações que já passaram por lá eram uma homenagem a alguma pessoa, no caso, eles queriam homenagear Marika Gidali e Décio Otero. Mas a Marika sugeriu uma exposição diferenciada baseada num projeto de vídeo que o Ballet Stagium havia começado a fazer e nunca terminou. Eu apresentei um projeto homenageando o trabalho que ambos fizeram: criei um conceito do que seria a mostra e como os vídeos seriam utilizados. Um grupo de pesquisa formado sugeriu que quem passasse pela exposição pudesse vivenciar situações que quem integrava o ballet passou. O mais curioso é que existem momentos que as quarenta companhias durante os quarenta anos passaram. São situações em comum: montagem, viagem, aula e projetos.

GDS - Filmar, apesar de brincadeira de criança, era uma forma de registrar as coreografias e imortalizá-las?
ED - Desde 1972, gravamos as coreografias como forma de registro para podermos remontar as coreografias. Com o passar do tempo, passamos a filmar também os bastidores para mostrar o divertimento da equipe e ter registrado o que acontecia nas viagens. Os vídeos eram exibidos em um curso de férias ministrado nos meses de janeiro de cada ano.

GDS - O que a cenografia pretende passar? É como se o visitante se sentisse mergulhado nos bastidores da companhia?
ED - 
Criamos um ambiente que a pessoa que passa pelas instalações vivam os momentos que os integrantes das companhias viveram. Foram pesquisados momentos nos 40 anos dentre os registros. A ocupação também teve sua verba voltada para a recuperação do material e pouca coisa se perdeu. Os cenários e toda a instalação, menos os equipamentos, serão doados ao Ballet Stagium quando a mostra acabar. Existe a ideia de transformá-la em uma exposição itinerante, mas é somente uma proposta, ainda sem patrocínio.

Atualizado em 10 Abr 2012.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças