Guia da Semana

Entrevista: Zezé Motta

Completando 40 anos de carreira, a atriz e cantora interpreta sua primeira vilã, na peça 7 - O Musical

Foto: Robert Schwenck


Com a platéia do Teatro Carlos Gomes (RJ) cheia, nem mesmo um pequeno acessório do cenário despencando acidentalmente no palco tirou o brilho da reestréia do espetáculo 7 - O Musical, que trazia como estrela da noite a atriz Zezé Motta, brilhando ao lado das belas vozes de seus companheiros de palco. Entre eles, a atriz Alessandra Maestrini, que interpreta a empregada gaúcha de Toma Lá, da Cá, da Rede Globo, destacando-se no papel da sofrida e invejosa Amélia, além da jovem Marina Ruy Barbosa e da experiente Ida Gomes, que, com 85 anos de idade e 70 dedicados à carreira, fez bonito no palco, interpretando a Sra. A.

As duas horas e 15 minutos passaram despercebidas em meio a cenas de comédia, amor e ódio, todas referindo-se a belos contos de fadas infantis, como Branca de Neve e Cinderela, porém numa visão mais adulta. Para falar mais sobre o assunto, o Guia da Semana entrevistou Zezé Motta, que completa 40 anos de profissão em 2008 e conta os detalhes da preparação da peça, que deve chegar a São Paulo no ano que vem. Confira!

O espetáculo

Foto: Robert Schwenck


GDS - A Carmem é sua primeira vilã. Como foi o processo de preparação para esse papel? Houve muito estudo sobre as histórias dos Irmãos Grimm?

Zezé Motta - Na verdade, eu fiquei mais focada na direção do Charles Möeller. Voltei mais para o que ele queria de verdade na Carmem. Agora, na segunda temporada do espetáculo, a personagem está muito mais forte!

GDS - Como é a preparação para um musical? É diferente de outros tipos de espetáculos de Teatro?

Zezé Motta - Nessa peça eu não danço! (risos). Mas a preparação para um musical é bastante trabalhosa, porque exige uma postura maior de cada artista. Eu voltei até a fazer aulas de canto para aprimorar mais o que eu já conheço. É trabalhoso, mas no final é maravilhoso.

GDS - Com relação à trilha sonora, ao figurino e ao cenário, o que achou da mistura de um estilo medieval (as roupas serem parecidas com as das histórias dos irmãos Grimm) com o contemporâneo (cenário adaptado ao Rio de Janeiro)?

Zezé Motta - Na primeira temporada, o figurino de Rita Murtinho recebeu o Prêmio Shell. É lindo, cheio de detalhes. O cenário é maluco, porque neva no Rio de Janeiro (risos). Já em relação à trilha sonora, é muito bom cantar as músicas do Ed Motta. As letras são fortes e passam a história para o espectador.

GDS - O que achou da atuação dos estreantes Marina Ruy Barbosa e de Pedro Sol?

Zezé Motta - Todos os artistas que estão nesse musical são lindos e profissionais. Foram dez substituições de atores e atrizes para a segunda temporada. Foi até um susto, porque já estávamos acostumados com as atuações de cada um. Mas acabou sendo a mesma harmonia, todos se entrosaram com muita facilidade. E uma outra curiosidade é que, no trabalho, há quatro gerações: a de Marina, que tem 13 anos, a geração dos 20 aos 30, a minha, que é a mesma de Rogéria, e Ida Gomes, que tem 85 anos. Por mais tempo de profissão que você tenha, o artista sempre está aprendendo. Eu converso muito com a Alessandra Maestrini e estamos sempre experimentando as cenas, ainda mais ela, que é uma atriz requintada, consegue fazer um acabamento limpo em todas.

GDS - Já que falou em Ida Gomes, para você, o que é trabalhar com essa, que completou 70 anos de profissão em 2008?

Zezé Motta - Eu tenho o privilégio e a honra de dividir o camarim com essa atriz, que é um exemplo de profissional, ainda mais estando com 85 anos e trabalhando num musical que tem dois atos e mais de duas horas de duração. Temos muito o que aprender com ela.

GDS - *O valor do ingresso em alguns domingos custará R$ 1,00. O que você acha dessa proposta de Teatro Popular?

Zezé Motta - Acho isso muito interessante. É democratizar a cultura. Acredito que a partir do momento que o público tiver mais acesso ao teatro e ao cinema, vai sempre fazer uma força para voltar, ver novos trabalhos. A falta de interesse é tanto pelas condições financeiras quanto condições culturais. Eu tive o privilégio de estudar em uma escola que incentivava os alunos. Eu acho que também falta motivação das escolas, tanto públicas quanto particulares, de levarem seus alunos até a cultura. Eu ajudei na fundação da ONG Centro de Informação e Documentação do Artista Negro - CIDAN e lá, além das aulas de teatro, também levamos os alunos até o teatro para assistirem aos espetáculos.

*O preço promocional de R$ 1,00 acontece todo último domingo do mês. A temporada de 7 - O Musical dura dois meses no Rio, portanto, a promoção acontece ainda nos dias 26 de outubro e 30 de novembro.

A carreira

Foto: Robert Schwenck


GDS - Você começou em um musical (Roda Vida) e agora, completando 40 anos de carreira, está no elenco de um outro grande espetáculo. Qual o significado dessa vilã para sua história profissional?

Zezé Motta - No início da minha carreira, fiz vários musicais. [A atriz também atuou em Fígaro Fígaro, Arena canta Zumbi, entre outros]. Eu estudei balé moderno, dança afro, jazz, canto. Já tinha algum tempo que não fazia teatro, principalmente musicais. Foi muito bom o convite para interpretar a Carmem. Quando eu fiz Xica da Silva, a personagem (Maria da Silva) não era exatamente uma vilã. Ela fazia suas maldades, mas a Carmem é muito mais maldosa. Eu acho que o ator tem que experimentar de tudo, interpretar anjos e demônios, e eu adoro esse novo papel.

GDS - Você está na área artística há 40 anos. O que mudou no teatro, televisão e até cinema, desde quando começou a atuar?

Zezé Motta - Eu iniciei minha carreira enfrentando a censura, com o Roda Viva. Fomos proibidos de encenar o espetáculo em Porto Alegre, na ditadura. Hoje, temos total liberdade de escrever e encenar trabalhos. Isso é muito bom, pois podemos mostrar a realidade de um lugar, a pobreza e a miséria existentes.

GDS - Entre muitos de seus trabalhos nas telinhas, está a novela Xica da Silva, que primeiro foi um filme e depois foi para a televisão. Qual a importância desse trabalho?

Zezé Motta - Eu acho que a novela foi um marco pela história em si. Fomos dirigidos por Walter Avancini, que pra mim é um ´papa´ da teledramaturgia. Mas, outra novela que, pra mim, foi um marco, é Beto Rockefeller (exibida em 1968, com direção de Lima Duarte e Walter Avancini), porque ousou criticar a burguesia brasileira.

GDS - Você também já lançou diversos discos, entre eles O Samba Mandou me Chamar. Você sentiu que a pirataria prejudicou a venda de seus discos?

Zezé Motta - Eu faço parte dessa luta contra a pirataria. Eu sou diretora de comunicação de uma sociedade de proteção de direitos autorais e isso é uma luta permanente. A pirataria é uma traição com o artista. Infelizmente, ainda não há uma ´cura´ para isso, mas não podemos desistir de combater esse crime.

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças