Guia da Semana

Erasure e os anos 80

Impossível não cantar com a galera músicas como A Little Respect, Oh´Lamour e Love to Hate you

Foto: MRossi


Andaram falando que a onda dos anos 80 estava acabando, mas não foi isso que vimos no show do Erasure no Credicard Hall, no dia 9 de agosto. A casa estava totalmente lotada por fãs, na intenção de ouvir os clássicos da dupla. Havia diversos casais na platéia, além do público GLS seguidores dos artistas.

Antes da apresentação, quem estava no palco era a turma da festa Trash 80`s, pioneira no segmento "revival". DJ Catatau e companhia tocaram sucessos de New Order a Depeche Mode. Também não faltou novidades como Lady Gaga, para de promover o novo projeto Super Trash.

Não demorou muito para a dupla Vince Clarke e Andy Bell, acompanhado de suas backing vocals, subirem ao palco com a turnê Total Pop. Andy, com seu terno vermelho brilhante e sua ótima voz, deu boas-vindas ao público. Vince Clarke, ex-Depeche Mode e fundador do grupo Yazoo, trocou seus teclados e tocou com o notebook e samples. Em algumas faixas, ele usou também seu violão.

As duas backing vocals, muito bem posicionadas e afinadas, alternavam as notas com Andy, trazendo uma ótima sonoridade. Já o palco do Erasure era bem simples, sem muitos aparatos, o que deu destaque, ao fundo, com o nome da banda em evidência e seus pedestais brilhantes. Andy era o mais animado, não parou um minuto com suas dancinhas. Em alguns momentos, lembrou até passos de balé.

Agora falando do repertório, eles mostraram todos os sucessos com um ar de greatest hits. Andy também anunciou uma nova canção, que o público pôde ouvir com atenção. Mas aquela noite tinha o clima de revival, em que todos dançaram faixas como Hideaway, Breath of Life e a ótima Heavenly Action. Com músicas como Chains of Love, Sometimes, Drama, entre outras, pudemos analisar a grande voz de Andy.

Depois disso, o primeiro sucesso no show do Erasure entra em ação. Era a faixa Love to Hate You, música que invadiu as rádios na década de 90. Alguns fãs, a essa altura, já estavam se sentindo numa verdadeira pista de dança. A ótima Blue Savannah entra na sequência, mostrando mais uma vez a voz afinadíssima de Andy.

O som característico de Vince Clarke fez a pista do Credicard Hall incendiar com as animadas Knocking On Your Door, Who Needs Love e Chorus. Músicas que podemos sentir o início da época eletrônica com seu estilo tecnopop. Claro que a galera aguardava, ansiosa, os grandes sucessos do Erasure, e foi quando Vince tocou os primeiros acordes de Oh` Lamour. Em uma brincadeira, Andy confundiu o público ao iniciar a voz de Nothing Compares To You, de Sinead O`Connor, e deu sequência ao vocal de Oh` Lamour. Nesse momento, a plateia das cadeiras superiores na casa já não aguentava mais ficar sentada, e também caiu na dança.

Em seguida, a dupla começou a cantar seu maior hit. A Little Respect foi cantada por todos os presentes no Credicard Hall, criando uma só voz. Andy Bell, com um grande sorriso, agradeceu diversas vezes - até Vince Clark não se conteve e demonstrou sua felicidade.

Depois disso, todo o grupo saiu do palco e manteve aquele clima de bis. Ao retornar, o Erasure manteve a vibe com mais um sucesso da dupla. Dessa vez, executaram a faixa Stop. O clima continuou ótimo, pura diversão em torno do ambiente, uma verdadeira festa. A dupla agradeceu mais uma vez e se despediu de mais um show na cidade.

Podemos dizer que o Erasure lavou a alma com sua apresentação, superando o último show feito em 1997 no extinto festival Close Up Planet. Na época, a escalação das atrações não ajudou muito os caras, apenas David Bowie estava mais próximo de seu público. De qualquer forma, eles fizeram um ótimo show nesse festival, não se importando com as caras feias dos que não estavam gostando.

Falando mais de anos 80, nos próximos meses teremos grandes atrações no Brasil. Começando com Tears For Fears, tocando também no Credicard Hall, e a banda Duran Duran, que está confirmada no festival SWU. E ainda falam que a década mágica está perdida.

Leia as colunas anteriores de Marcos Chapeleta:

A cultura do vinil

A volta do vinil

O rock do Slayer

Quem é o colunista: Além de ser apaixonado por música, gosto de estar de bem com a vida e sempre pensar positivo..

O que faz: DJ, baterista, além de atuar na área corporativa.

Pecado gastronômico: Comida japonesa é comigo mesmo.

Melhor lugar do mundo: Me veio na cabeça a ilha de Lost (rs).

O que está ouvindo no carro, iPod ou mp3: Rock e Pop (a essência, é claro).

Fale com ele: chapeletatosko@gmail.com, ou siga seu blog e Twitter.


 

Atualizado em 2 Fev 2012.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças