Guia da Semana

Escaldante banda

Depois de conquistar o cenário norte-americano, os paulistanos do Garotas Suecas retornam ao Brasil com um disco de estreia saindo do forno

Fotos: Gael Oliveira

Nem garotas e muito menos suecas. Os cinco marmanjos e a única integrante feminina do grupo paulistano ficaram conhecidos por vencer o prêmio de Aposta MTV no VMB de 2008, com somente um EP produzido na época. Não demorou para os norte-americanos se encantarem e foram eles que, de fato, apostaram na mistura brasileira de rock, soul e funk, com um quê de psicodelia dos anos 60 e um pé no contemporâneo.

O sexteto embalou festivais nos Estados Unidos, como o South by SouthWest, que lhe rendeu elogios nas mídias internacionais. E foi na gringa que o Garotas Suecas lançou em setembro seu primeiro CD, o Escaldante Banda, pelo selo californiano American Dust. O disco chega ao Brasil este mês, lançado de maneira independente e disponibilizado gratuitamente pelo site oficial. Depois do acalorado show no Centro Cultural São Paulo, o Guia da Semana conversou com o vocalista Guilherme Saldanha, o guitarrista Sérgio Sayeg (Sesa) e a tecladista Irina Bertolucci, confira a entrevista!

Guia da Semana: Como foram os primeiros passos da banda, vocês já começaram em seis?
Guilherme: Nos conhecemos num bar na Vila Madalena em 2005, eu e o Tomaz (guitarrista) tínhamos uma banda de folk e, durante um ano, fazíamos as jams. Lá, conhecemos o Sesa, decidimos montar o Garotas e fomos chamando outras pessoas.
Irina: Eu fui a última a entrar. Começamos a gravar em 2005 e, em 2008, saiu o videoclipe. Quando ganhamos o prêmio do VMB de Aposta MTV já tínhamos ido aos Estados Unidos e começávamos a engrenar por lá.

Guia da Semana: Como surgiu a oportunidade da banda engatar a carreira nos Estados Unidos?
Irina: Fomos para lá em junho de 2008, o Sesa morava lá há um ano. Rolaram uns contatos legais e conseguimos sair com uma infraestrutura e uma turnê marcada. A primeira foi em janeiro de 2009, com uns 15 shows e, desde então, fizemos quatro turnês com o EP Dinossauros.
Sesa: A primeira turnê com repertório diferente foi em março desse ano, quando estávamos gravando o disco e, em setembro, fizemos a turnê de lançamento.

Guia da Semana: O Escaldante Banda foi lançado primeiro nos Estados Unidos, pelo selo californiano American Dust. Como aconteceu isso?
Guilherme: Eles conheceram a gente no festival South by SouthWest. Na época foi uma pressão, mas foi da hora, os shows eram todos lotados!
Irina: Acho que tivemos sorte das pessoas certas terem ouvido, gostado e falado bem na mídia. É um caminho natural da imprensa de qualquer outro país, um fala, daí o outro fala também, e assim vai. É engraçado porque a gente é realmente uma das únicas bandas que está fazendo esse tipo de som por lá, sem ser uma coisa totalmente revivalista, de fazer exatamente o que era feito antes.

Guia da Semana: Como foi a temporada de shows na gringa?
Sesa: Tocamos em lugares muito variados, desde festivais de dia no gramado, super família, aberto ao publico, a uns buracos, bar de rock mesmo.
Guilherme: E até Convenção das Bruxas (risos).
Sesa: Mas a gente sempre se adapta! No festival, os pais acabam jogando as crianças para cima, no bar sujo, os doidões dançam.

Foto: Gael Oliveira

O Garotas Suecas contagia a plateia que reúne crianças, jovens e até a geração beat

Guia da Semana: Lá fora, comparam muito vocês com outras bandas brasileiras, como Os Mutantes?
Sesa: Sim, sim. E é irado, claro, Os Mutantes são geniais! Mas é que essa parte da cultura brasileira é muito celebrada nos Estados Unidos né. Os caras relançam todos os discos do Caetano em vinil, então, a gente acaba indo no caldo.

Guia da Semana: Pela quantidade de shows, vocês trabalharam mais fora do país que aqui. Vocês têm vontade agora de explorar a carreira no Brasil também?
Sesa: Essa vontade não é de agora. Lançamos antes lá porque rolou e não porque não queríamos aqui. A gente quer tocar aqui pra caralho, fazer o máximo de shows, com o máximo de gente. E lá também, onde quer que seja (risos)
Irina: Nunca planejamos lançar lá primeiro e vir para cá depois. Tanto que, em termos de tempo de banda, a gente ficou muito tempo aqui em São Paulo. Até porque era difícil sair e bancar a viagem. E ter ido para lá acaba tendo um respaldo positivo aqui e agora temos mais possibilidades de fazer shows no Brasil do que há 4 anos. 

Guia da Semana: O Escaldante Banda foi lançado no Brasil de maneira independente, como foi isso?
Irina: Lançar independente foi uma opção porque a gente realmente queria ter o disco no Brasil. Mas procuramos bastante, até selos menores e independentes.
Guilherme: É que aqui não tem muita estrutura para isso, lá é bem mais fácil. Nosso selo de lá é pequeno e não rola uma grana brutal, mas dá para fazer a produção das músicas e turnê.
Irina: E aqui, não vão querer investir se não forem ganhar muito dinheiro em cima. Cansamos de esperar e resolvemos lançar de forma independente, foi isso.

Guia da Semana: O que vocês acham da produção independente no Brasil?
Irina: Eu acho que tem muita gente que está voltando pro independente e, vindo pro independente os que nunca foram. É uma opção muito interessante, você não tem toda aquela grana injetada na banda, mas é você que cuida da própria carreira, o dinheiro vai direito para você e não tem nenhum intermediário "mega-load" como uma gravadora. Acho que hoje em dia rola mais fazer esses esquemas auto-geridos.
Sesa: Acho que o lance é você se associar com pessoas, produtores e selos pequenos ou não-selos, mas que façam a coisa rolar.

Guia da Semana: Quais são as influências musicais da banda?
Sesa: A gente ouve muita música brasileira, soul, sambasoul, Tim Maia, Roberto Carlos, Erasmo Carlos.
Irina: Acho que cada um tem sua influencia, o Tomaz escuta bastante Luiz Melodia, o Perdido escuta muito Mitter e Sly & The Family Stone, por exemplo.

Foto: Gael Oliveira

Irina canta a única música em inglês do CD, Sunday Nigth Blues

Guia da Semana: Do EP Dinossauro para o Escaldante Banda, o que mudou?
Irina: Acho que fomos escolhendo melhor o que ia em cada música, e não colocar tudo em todas as músicas. Tiramos linha de baixo muito rebuscada, percebemos que não precisa ter órgão e piano junto, e assim fomos tirando e pondo até achar a medida certa.

Guia da Semana: O Escaldante Banda termina com Sunday Night Blues, que distoa um pouco das outras, por ser a única música em inglês e com a voz doce da Irina...
Irina: Já tínhamos essa ideia de que eu cantaria uma música e o Tomaz escreveu esse blues, que era bem melancólico. Mas como era em inglês, não queríamos um blues tradicional e transformamos num sambablues.
Sesa: Acho que ter uma música que foge completamente dialoga com todos os discos que a gente ouve, que muitas vezes tem uma faixa que não tem nada a ver, mas que faz todo o charme.

Guia da Semana: Agora uma curiosidade, por quê Garotas Suecas?
Guilherme: Eu e o Tomaz estávamos em Foz do Iguaçu e conhecemos umas garotas suecas no albergue. Fizemos uma música pra elas que se chamava Swedish Girls. E quando a gente voltou para São Paulo, a banda estava começando e precisávamos de um nome, tinha que ser um nome engraçado que cada vez você risse menos dele. Daí eu falei "Garotas Suecas", estávamos comendo pastel na Vila Madalena e os caras falaram: "Legal, mas não" (risos). No dia seguinte, o Sesa me ligou e falou, "pô, Garotas Suecas!"

Guia da Semana: E o nome do CD, Escaldante Banda, de onde vem?
Guilherme: Escaldante Banda é referência a uma música do Jorge Ben que ele canta da "escaldante banda do seu Tião Brilhantina".
Sesa: E que se apresenta junto com o "macaco ciclista, o urubu que toca flauta e violão, a orquestra de sapo e a girafa seresteira".
Irina: E esse disco é bem pra cima, é um disco quente, de música escaldante.

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças