Guia da Semana

Esqueceram os limites

Reality Show da Rede Record mostra artistas não tão "artistas" assim

Foto: Getty Images

Recentemente, a Rede Record estreou um reality show a la Big Brother Brasil, mas com dois diferenciais: em vez de anônimos, colocou 14 figuras conhecidas no meio artístico, e todas estão em uma fazenda (localizada em Itu, no interior de São Paulo).

Os participantes, literalmente, têm uma vida de quem vive 'na roça'. Acordam cedo, tiram leite de vaca, colocam comidas para outros animais, cuidam da horta, e convivem sob o registro de 36 câmeras espalhadas pelo local. Há brincadeiras para ver quem vai para o paredão, chamado lá de "Tá na roça", e o líder, denominado o Fazendeiro, mantém a "ordem" em toda a casa e determina tarefas aos demais participantes, durante uma semana.

Você deve estar se perguntando, por que eu coloquei ordem entre aspas. Bom, eu assisti apenas três episódios e já sei tudo o que aconteceu nos anteriores, por causa de flash backs - um pouco mal-produzidos por sinal, pois cortavam as cenas no meio das conversas, não sabendo como foi o final -, que mostram determinadas cenas de discussões e quase brigas entre os participantes (lembrando que são pessoas conhecidas no meio artístico, como escrevi anteriormente).

Um dos atores (não vou citar o nome, quem assistiu deve saber de quem estou falando) passou de todos os limites quando foi o Fazendeiro, pois achava que mandava em tudo na casa, até no que os outros participantes tinham ou não que usar. O limite foi uma  discussão com outro ator só porque ele estava usando óculos escuros na cozinha. Agora, o porquê disso, eu não sei.

No episódio de quarta, 17 de junho, fiquei boquiaberta com as coisas que ouvi. Tudo bem que, quando você conhece somente uma pessoa de festas ou trabalhos que duram pouco tempo, a maneira de vê-la é de um jeito e pode mudar totalmente quando começa a conviver diariamente, fechado em uma casa, não tendo para onde fugir. Tanto que uma participante desistiu na primeira semana do programa.

Onde quero chegar com isso? Apenas que nem em Big Brother e muito menos em Casa dos Artistas eu lembrei de ver discussões atrás de discussões (todos tiveram, mas não tanto quanto esse programa que está há cerca de três semanas no ar) e praticamente todos os participantes ficaram contra uma só pessoa. Além disso, os palavreados usados durante as discussões também me deixaram assustada. Afinal, todos são figuras públicas e, de uma forma ou de outra, são referências para muitos que desejam seguir a carreira musical ou o teatro. Se não fossem os "piiiii" - esses sim colocados de forma correta não deixando nem adivinhar o que a pessoa falou - toda hora, seria uma lavagem cerebral para quem escutasse tudo o que eles disseram.

Como o próprio apresentador do reality já disse "é um programa que diverte as famílias brasileiras". Lembrando que nessas famílias existem crianças que estão aprendendo a falar, e acredito que os pais não gostem muito de escutar seus filhos falando os palavrões ditos pelos participantes desse programa.

Leia a coluna anterior de Maraísa Bueno

A moda pega...

Quem é a colunista: Maraísa Bueno.

O que faz: jornalista e repórter da equipe do Guia da Semana.

Pecado Gastronômico: uma boa massa e, é claro, chocolate!

Melhor Lugar do Brasil: minha casa, na pequena cidade de Serrania, sul de Minas Gerais (também não dispenso uma boa praia!).

Para Falar com ela: maraisabf@yahoo.com.br ou acesse seu blog

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Obras do MASP agora podem ser vistas em plataforma on-line gratuita

Museu integra a partir de hoje o acervo do Google Arts & Culture

Museu do Café, em Santos, inaugura exposição gratuita sobre propaganda da bebida

A partir de 28 de dezembro, os visitantes poderão conhecer as estratégias das marcas de café de 1900 a 1959

Especial férias: MASP abre ao público em todas as segundas-feiras de Janeiro

Programação de férias disponibiliza cinco dias a mais para visitar o Museu

5 motivos para assistir ao documentário "O começo da vida" na Netflix

O filme mostra a importância dos primeiros anos de vida sob a ótica dos quatro cantos do mundo

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA