Guia da Semana

Eterno sucesso

Sessenta mil pessoas cantaram, em coro, 26 canções da banda Bon Jovi, que voltou aos palcos brasileiros depois de 15 anos

Foto: Divulgação


Quando escutei Bon Jovi pela primeira vez, eu gostei muito da voz do vocalista da banda, que tinha (e ainda tem) aquele charme e arrancava suspiros da mulherada. Nunca acreditei que um dia estaria no meio de milhares de pessoas para assistir a um show deles. Mas realizei meu sonho indo à apresentação do quarteto no Estádio do Morumbi, na última quarta, 6 de outubro.

Cheguei ao estádio por volta das 17h, sendo que o show estava previsto para começar às 21h. Ao ver aquela multidão de fãs, aguardando Jon Bon Jovi, Richie Sambora, Tico Torres e David Bryan, que não vinha ao Brasil há 15 anos, percebi a grandiosidade e o sucesso deste grupo que tem mais de 20 anos de carreira. Cerca de 60 mil pessoas compareceram ao local para curtirem The Circle Tour.

Na coletiva de imprensa, que aconteceu antes do show, o próprio vocalista chegou a dizer: "A duração do show só dependerá do público". E as centenas de pessoas que estiveram por horas na fila antes da abertura dos portões e viajaram quilômetros para assistirem a um espetáculo de luz, som e muita música boa, fizeram por merecer: foram cerca de três horas de apresentação, com um set list recheado de sucessos e também de canções do novo disco, que leva o nome da turnê, lançado em 2009.

A abertura ficou por conta da Fresno, que entrou vaiada pelo público e saiu pouco aplaudida, pelo fato de os fãs não terem aceitado que eles abrissem um show do porte de Bon Jovi. Escutei muitos falando que não se conformavam pela escolha, pois os públicos de ambas as bandas são completamente diferentes. Acredito que quem gosta de Fresno pode gostar de Bon Jovi, mas o contrário, parece impossível. 

Quando as luzes se apagaram e o telão começou a exibir diversas palavras como Love, Life e Hope, a multidão foi ao delírio. Os integrantes entraram tocando Blood On Blood, do disco New Jersey, de 1988, seguida de We Weren't Born to Follow, do último álbum. Na terceira música, as pessoas não sabiam se gritavam ou se cantavam junto com Jon: a música You Give Love A Bad Name. Também não faltou a clássica das clássicas, Runaway.

Em um certo momento do show, o vocalista deu espaço para o carismático Ricchie Sambora cantar Lay Your Hands On Me, animando o público e mostrando que, além de ser um excelente guitarrista, também solta o vozeirão.

Um show cheio de surpresas. Outro auge foi em Bad Medicine, em que Jon Bon Jovi chamou o também guitarrista Bobby Bandiera à frente do palco, pois dizia que era preciso acalmar os ânimos naquele momento. Foi então que ele tocou os primeiros acordes de Pretty Woman, algo totalmente inesperado, mas a banda foi a fundo e a cantou inteira.

O bis ficou por conta de These Days, Someday I'll Be Saturday Night e Livin' on a Prayer. Nesta última, a banda colocou no telão vídeos enviados por fãs, que a dublavam, interpretavam e até faziam performances durante a música.

Posso dizer que os momentos em que arrepiei de verdade vendo a galera cantando com a banda foram em Blaze Of Glory, I'll Be There For You, Always e Bed of Roses, que foi tocada após o bis, quando o público pedia para que a banda não fosse embora. Sinceramente: foram três horas que eu não vi passar e ainda fiquei querendo mais. Espero que eles não demorem mais 15 anos para voltar ao Brasil, porque, com certeza, também estarei presente no próximo show.

Abaixo, o set list completo do show no Estádio do Morumbi e o nome do respectivo álbum:

Blood on Blood (New Jersey)
We Weren't Born To Follow (The Circle)
You Give Love A Bad Name (Slippery When Wet)
Born To Be My Baby (New Jersey)
Lost Highway (Lost Highway)
Superman Tonight (The Circle)
In These Arms (Keep The Faith)
Captain Crash (Crush)
When We Were Beautiful (The Circle)
Runaway (Bon Jovi)
We Got It Going On (Lost Highway)
It's My Life (Crush)   
Bad Medicine (News Jersey)/Pretty Woman
Lay Your Hands On Me (Cross Roads)
Always (Cross Roads)
Blaze Of Glory (Cross Roads)
I'll Be There For You (New Jersey)
Have A Nice Day (Have A Nice Day)
Sleep When I'm Dead (Keep The Faith)
Work Of The Working Man (The Circle)
Who Says You Can't Go Home (Have A Nice Day)
Keep The Faith (Keep The Faith)
Bis
Wanted Dead or Alive (Cross Roads)
These Days (These Days)
Someday I'll Be Saturday Night (Cross Roads)
Livin' on a Prayer (Slippery When Wet)
Final
Bed Of Roses (Keep The Faith)

Leia as colunas anteriores de Maraísa Bueno:

"A minha cabeça está virada"

Não tão novo assim

O encanto de Aragão

  Quem é a colunista: Maraísa Bueno .

O que faz:
jornalista e repórter da equipe do Guia da Semana.

Pecado Gastronômico: uma boa massa e, é claro, chocolate!

Melhor Lugar do Brasil: minha casa, na pequena cidade de Serrania, sul de Minas Gerais (também não dispenso uma boa praia!).

Para Falar com ela: maraisabf @gmail.com, no twitter (@Maraisabf) ou acesse seu blog

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças