Guia da Semana

Evita

Tem algo de errado quando uma peça que se propõe a biografar uma personagem real tem em seu maior destaque e trunfo alguém que não é o biografado

Foto: João Caldas


Concebido no Brasil por Jorge Takla, diretor com mais de 70 montagens no currículo teatral, o espetáculo Evita está em cartaz desde março no Teatro Alfa, em São Paulo. Ele traz a mesma história que foi levada ao cinema e se tornou mundialmente conhecida pelas mãos do diretor Alan Parker em seu videoclipe de mais de duas horas e meia de duração.

No filme, Madonna, Antonio Banderas e Jonathan Pryce davam vida e voz ao trio de protagonistas. Mesmo um pouco cansativo, o filme chegava a emocionar pela grandiosidade da produção.

Já no teatro, 45 atores, 22 músicos e projeções gigantes de filmagens da Evita real dividem o palco com Daniel Boaventura, Paula Capovilla e Fred Silveira como Perón, Evita e Che Guevara, respectivamente. Com versões das músicas em português, a peça é grandiosa, com números musicais bem coreografados e canções bem traduzidas.

Mas se o filme era de Madonna, a peça é de Fred Silveira. Seu Che Guevara, presente em quase todos os minutos de espetáculo, rouba todas as cenas e tem mais presença que a Eva Duarte de Paula Capovilla. A atriz é experiente em musicais, já tendo estrelado, entre outras, montagens de A Bela e a Fera e West Side Story no Brasil, mas não consegue transmitir a emoção necessária à personagem, que aparece quase despercebida em algumas cenas. 

Daniel Boaventura, ator e cantor conhecido no país por seus papéis em novelas, também é experiente no teatro. Com mais de dez musicais no currículo, dá a força e o poder ao político Perón com seu vozeirão grave.

Mas é mesmo Fred Silveira quem se destaca. Ator conhecido de diversos musicais ( West Side Story, Godspell - este, pelo qual recebeu o prêmio Qualidade Brasil de melhor ator, Les Miserables, O Fantasma da Ópera, My Fair Lady, Os Produtores e Avenida Q, para citar somente os mais conhecidos), Fred é, segundo o diretor Jorge Takla, o ator mais experiente do elenco. E ele demonstra isso em cena. Seu Che Guevara é um rockstar de primeira grandeza, que narra a peça com o vigor e a vitalidade que faltam à Eva Perón.

Pintada com cores mais políticas e menos românticas que o filme, a peça conta a mesma história, desde a infância pobre de Eva Duarte, até sua ascenção como "mãe do povo" e primeira-dama no governo populista de Perón.

Tecnicamente impecável, a montagem em seus cenários de projeção quase coloca a plateia dentro dos discursos e das manifestações populares, mas, apesar disso, ou talvez justamente por isso, acaba se tornando asséptica e não emocionando. As versões em português sequer chegam a grudar na cabeça, como acontece com as versões da montagem brasileira de Mamma Mia.

Infelizmente, a ópera-rock não empolga e fica aquele gostinho de que poderia ter sido mais, já que, mesmo um filme considerado não muito bom e estrelado por Madonna - e que foi considerado um dos maiores fiascos da história cinematográfica -, consegue emocionar e empolgar mais.

Leia a coluna anterior de Flávio St Jayme:

Piratas do Caribe

Quem é o colunista: Flávio St Jayme.

O que faz: Pedagogo de formação, historiador de Arte, empresário de profissão, artista plástico e escritor de realização, cinéfilo e blogueiro de paixão.

Pecado gastronômico: Batata frita, Coca Cola e empanados em geral.

Melhor lugar do mundo: Aquele onde a gente quer chegar. E a gente sempre vai querer chegar em algum lugar.

O que está ouvindo no carro, iPod, mp3: Sempre: Ludov, Matchbox Twenty, Maroon Five, Jay Vaquer, Belle & Sebastian, Coldplay, Robbie Williams, Pato Fu, Irreveresíveis, Glee, trilhas de filmes.

Para falar com ele: flavio.stj@gmail.com, ou siga seu blog, Twitter e Facebook.


 


 

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças