Guia da Semana

Fernanda Montenegro vive Simone de Beauvoir

A grande dama dos palcos brasileiros volta em cartaz com o monólogo Viver Sem Tempos Mortos

Por Guilherme Udo

De volta aos palcos com a peça Viver Sem Tempos Mortos, Fernanda Montenegro fala sobre carreira, vida e amadurecimento. A atriz retorna com a produção no Teatro Raul Cortez, após algumas apresentações no Rio de Janeiro - para a reinauguração do Teatro Dulcina - e em Juiz de Fora. É a primeira grande temporada após uma pausa para as gravações da novela Passione.

Sozinha em cena, sentada em um banco e com um foco de luz, Fernanda dá vida à Simone de Beauvoir - filósofa francesa que escreveu grandes obras, além de uma autobiografia. O texto foi elaborado pela própria atriz em cima de todo o material escrito que Simone deixou e tem um alto teor literário, que, com ajuda de Felipe Hirsch - fundador da Sutil Companhia, junto com Guilherme Webber, que atualmente dirige Os Altruístas -, ganhou toques de dramaturgia contemporânea.

"Estamos vivendo a época do monólogo... é uma realidade que o teatro está enfrentando", conta a atriz ao explicar a escolha do formato, que também é justificado pelas escassas verbas das leis de incentivo à cultura. Mas não é em tom de reclamação que Fernanda fala sobre o assunto, "para o ator é um grande desafio estar sozinho em cena, todos deveriam tentar protagonizar e também monologar", completa.

O tema da montagem é denso e não foi suavizado na elaboração do roteiro, que segue fielmente as palavras da filósofa. "Esse espetáculo, mais do que qualquer outro, me confirma que se o trabalho teatral tem clareza em sua proposta, ele é para todo público", diz Fernanda, que também acredita que o teatro não tem que trazer uma mensagem, mas sim sensibilizar a plateia, como o monólogo que faz cada espectador pensar sobre a sua vida e existência.

Ainda sobre a temática, a atriz leva sua vida para o palco. "Quando você pega um personagem com temperamento rico como o de Simone e fala de sua biografia, você relaciona com a sua trajetória. A peça é uma revisão da minha vida porque já estou com a idade que estou, são 65 anos de vida pública", conta a atriz, que em cena, procura mostrar feminino e valorizar aquela que todo dia levanta e vai a luta. A encenação também volta mais madura, segundo a própria. "O ator trabalha sempre, é uma matéria que sofre ação do tempo... sinto que melhorei", finaliza. 

Atualizado em 10 Abr 2012.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Obras do MASP agora podem ser vistas em plataforma on-line gratuita

Museu integra a partir de hoje o acervo do Google Arts & Culture

Museu do Café, em Santos, inaugura exposição gratuita sobre propaganda da bebida

A partir de 28 de dezembro, os visitantes poderão conhecer as estratégias das marcas de café de 1900 a 1959

Especial férias: MASP abre ao público em todas as segundas-feiras de Janeiro

Programação de férias disponibiliza cinco dias a mais para visitar o Museu

5 motivos para assistir ao documentário "O começo da vida" na Netflix

O filme mostra a importância dos primeiros anos de vida sob a ótica dos quatro cantos do mundo

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA