Guia da Semana

Festival de Curitiba

Saiba qual é a opinião do colunista sobre o evento

Foto: divulgação


Entre quinta e domingo, acompanhei o início do Festival de Curitiba. Com um novo formato, expandindo suas atuações para além da Mostra Oficial e Fringe, a nova cara do evento revela simultaneamente o desgaste das fórmulas comuns e a necessidade de construção de outros parâmetros. Neste ano, os dois preceitos surgem como grito de socorro, neste que é um dos mais relevantes festivais do país.

Nem lá nem cá, todavia. A fórmula continua em seus aspectos tradicionalistas, sobretudo quanto a estrutura organizacional dos espetáculos, enquanto as novidades esperam alcançar o interesse popular.

Durante os quatro dias primeiros, alguns aspectos já se revelam interessantes. Não faltam, como sempre, espetáculos amadores e estudantes em vários estágios ou recentemente profissionalizados. O que se vê, diferente de edições passadas, é uma melhoria qualitativa principalmente da consciência do intérprete em sua relação com o teatro. Maior preocupação com a eficiência técnica, com o discurso estético, independentemente das correntes e conceitos, traduzem, em certo aspecto, um amadurecimento do jovem ator no que se refere ao fazer teatro e a sua opção por ter a arte como profissão.

Ainda que muitos patinem sob a ingenuidade do discurso juvenil, há, na valorização da inquietação, o gosto esperançoso do teatro retornar do abismo qual fora lançado por gerações de atores, dramaturgos e diretores objetivados pela mera inclusão mercadológica.

Se, em um lado, os espetáculos são mais atraentes em seus defeitos e equívocos, no outro, a resposta do público mostra-se igualmente estimulante. Quando participara do festival, em meados de 2000, a consciência de ser uma boa platéia, a formada por quinze pessoas, reiterava as dificuldades em participar do Fringe. Hoje, poucos eram os espetáculos cujas cadeiras não se ocupavam em cinqüenta. Valoroso impacto da aceitação dos temas mais controversos e cenas voltadas às pesquisas de linguagem.

Problemas como a não presença de Gerald Thomas, anunciado para uma palestra, e a quebra do projetor, durante a apresentação de Vestido de Noiva, dos Satyros, levando-a ao cancelamento, traduzem o quão difícil é reestruturar problemas já cristalizados. Não há um culpado, pois não se trata somente disso. As deficiências de agora são latências históricas de mais de uma década e por tanto tempo permitidas e aceitas pelos próprios artistas participantes. É preciso comungar a responsabilidade pelos problemas, sugerir e exigir reformulações, advertir conseqüências.

Enquanto esta semana, artistas se reúnem pela luta de um incentivo Estadual para as artes cênicas, erguendo os punhos, no centro de São Paulo, os novos e anônimos permanecem em Curitiba realizando, por uma outra via, igual política de sobrevivência, dando existência à arte não pelo paternalismo governamental, mas pela realização desprovida de qualquer outro interesse que não,e apenas, o sonhar.

Não há certo ou errado, melhor ou pior. Cabe ao Estado, em seus mais diversos níveis, o desenvolvimento de mecanismos de apoio e efetivação das artes. Mas, em 2008, a garotada no Fringe, com todos os seus erros e ingenuidades, entusiasmam muito mais.

Leia as colunas anteriores de Ruy Filho:

? Como lidar com os códigos dramáticos frente as modificações feitas em montagens de clássicos?


? A contemporaneidade de uma tradição


? Closer


? Gob Squad


? O teatro de Henrique Diaz


? Mais Quero Asno... e os recursos do fomento


? El Chingo e os fantasmas de cada um


? Com prosecco e qualidade


? O teatro candango e a morte de todos os dias


? Entre o silêncio e a mudez


? A ciência como pretexto dramático


? A alma decepcionada frente à realidade


Quem é o colunista: Ruy Filho.

O que faz: diretor e dramaturgo.

Pecado gastronômico: carpaccio de pato do Piselli.


Melhor lugar do Brasil: Salvador fora de temporada.


Fale com ele: ruyfilhosp@yahoo.com.br ou acesse o blog do autor

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças