Guia da Semana

Hardcore em festa

Os shows da banda Street Bulldogs foram marcados pelo resgate de músicas mais antigas e a felicidade da galera

Foto: Thiago de Oliveira


Duas noites memoráveis para o hardcore nacional. A banda paulista Street Bulldogs se reuniu após três anos para gravar um DVD ao vivo e, segundo eles, encerrar com chave de ouro a trajetória da banda.

Foi necessário abrir uma data extra (12/12), pois os ingressos do show da gravação (que se realizou apenas no dia anterior, 11/12), tinham se esgotado há mais de um mês. Fazia muito calor em Sampa e o tradicional Hangar110 contava com um detalhe novo - a retirada de uma pilastra de sustentação que ficava bem no meio da pista. Além dessa novidade, a casa estava toda equipada com a aparelhagem para a gravação: câmeras, grua, técnicos de som para captar o áudio, e tudo mais.

11/12
Antes de a banda subir ao palco, foi apresentado nos telões um teaser do que será o DVD. Um pouco das entrevistas, algumas cenas de ensaio e, no fim da apresentação do vídeo, a banda subiu ao palco. Sem mais demora, ela iniciou o show com Sweet threat, para delírio da galera.

O que se viu no palco durante as primeiras músicas foi uma espécie de chuva de pessoas pulando, enquanto no chão o Hangar inteiro se agitava sem parar, e sem nem se importar com o calor.

O clima amistoso da galera também ajudou a tornar o dia especial. Todos se ajudando, evitando que alguém se machucasse, agitando com consciência.  Galera essa que, em grande parte (eu ousaria dizer que 50% dos presentes), era formada de pessoas acima dos 22 anos. Eu mesmo vi muitas, muitas pessoas que não encontrava em shows há, no mínimo, cinco ou seis anos.

A banda tocou músicas de todos os discos, de surpresa foi Loser, que está presente no EP com a banda americana TurnDown, além de muitos clássicos conhecidos por todos os fãs da banda. We are the one, Don`t you remember?, Play the song again e Mas(s)ters fizeram a galera abrir rodas animalescas no Hangar. Call me at home é como se fosse o hino da banda e, obviamente, todos berraram, cantaram como sendo a última vez (na verdade como disse o vocalista Leo, seriam as últimas vezes... talvez).

De surpresa (pois não fazia parte do set) a banda tocou Red roses bouquet e Tarde demais ao voltar para regravar duas músicas ( Play the song again, Spider) pois não tinham ficado perfeitas para o DVD. Assim acabou o primeiro dos dois dias derradeiros (ou não) dos Street Bulldogs.

12/12
O domingo contou com shows de abertura da banda H.E.R.O., que mostrou seu hardcore melódico em inglês e muito bem executado, e também da banda Overlife Inc., com 15 anos de estrada, que enfrentou alguns problemas técnicos durante sua apresentação. Porém, esquentou muito bem a galera, tocando músicas de todos os seus álbuns e um cover da banda americana Comeback Kid.

A banda paulistana Hateen aproveitou para fazer seu tradicional show de final de ano, com um setlist especial só em inglês. Rodrigo Koala e Sonrisal, que também tocam no Street Bulldogs, fizeram uma verdadeira maratona, tocando tantas vezes em tão poucas horas.

Eis que chega a hora. Street Bulldogs no palco e setlist com algumas mudanças na ordem nas músicas. Play the song again abriu o show e, pelo resto dele, também houve novidades.

Sem as obrigações de ter de gravar nada, a banda estava um pouco mais solta no palco. Até o vocalista Leo - conhecido pelo seu temperamento ranzinza - parecia estar se divertindo. Diferente do show do dia anterior, ele estava mais agitado, lembrando um pouco os "velhos" tempos talvez.

A banda encerrou a apresentação com Spider e Tarde demais, e como disse o próprio Leo: "Quem tiver de matar saudade, mata agora. Quem tiver de curtir, curte agora, porque não sei nem quando e nem SE irá ter outro".

Obviamente todos entenderam o recado e participaram intensamente dos shows.

Como dito no início, foram duas noites fantásticas para o hardcore nacional. Uma das únicas e, talvez, últimas chances de os mais novos virem uma das bandas mais importantes que já tivemos, e os mais velhos relembrarem os tempos de verdadeira independência musical. O tempo que música era feita por quem gostava apenas e tão somente por amor a ela! GO BULLDOGS GO.
 
Leia a coluna anterior de Thiago de Oliveira

Experiência única


Quem é o colunista: Thiago de Oliveira, Thiagones.

O que faz: Tecnólogo em informática/desenvolvimento de sistemas, e músico quando me é permitido.

Pecado Gastronômico: Massa, molho e queijo!


Melhor lugar do mundo: O Meu Quarto.

O que está ouvindo no carro, iPod, mp3: Matisyahu Novo (disco Light), Snowing, Farside, I Shot Cyrus e algumas barulheiras.

Fale com ele: thiagoneshc@hotmail.com


 

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças