Guia da Semana

Heavy Therapy

Colunista foi até o show do Metallica em São Paulo e escreve sobre detalhes da apresentação



Lotado. Assim estava o Morumbi quando, ao som de Ecstasy Of Gold, de Ennio Moricone, os telões começaram a passar cenas do filme Três Homens em Conflito (The Good, The Bad and the Ugly). Então um arrepio subiu pela espinha, pois, assim como no álbum S & M, a música anunciava o inicio do show do Metallica - algo inédito para mim.

Nascida em 1985, era a primeira vez em que eu iria ver, ouvir e vibrar junto com a banda, ao lado de cerca de 70 mil pessoas que fizeram do Morumbi um cenário incrível para a apresentação. Importante citar que, durante o show de abertura, o guitarrista do Sepultura, Andreas Kisser diz: "É um prazer estar aqui com vocês, no estádio do melhor time do mundo, o São Paulo Futebol Clube!" É verdade. Porque, assim como foi com AC/DC e com Aerosmith, quando o show é no Morumbi tudo tem um gostinho especial, com o escudo do São Paulo em destaque no meio da multidão que lota os rock concerts do estádio.

De volta ao Metallica... Eles subiram ao palco e quando começam a tocar Creeping Death, do álbum Ride the Lightning, a adrenalina passeou pelas minhas veias. A multidão pulou e cantou em uníssono, com o grupo servindo de combustível para a catarse coletiva.

Alguns podem até estranhar a presença de uma menina-moça-delicada, como eu, toda maquiada e empolgada no meio de milhares de cabeludos headbangers, gritando, pulando e ouvindo heavy metal. Mas quer saber? Essa é minha terapia.

Você há de convir que um bom show de rock é um grito de liberdade contra o chefe azedo; contra aquele ser irracional de que você insiste gostar, mas que só lhe faz sofrer; contra a amiga duas caras; contra o idiota que estaciona na sua vaga do prédio. Enfim, é a trilha sonora para você liberar a sua fúria contra o mundo, mesmo que isso seja só reflexo da TPM.

Muito mais do que uma banda que toca o fast and heavy metal, o Metallica traz em suas músicas questões éticas, políticas e sociais. Ou seja, os caras são muito mais do que cabelos compridos, roupas pretas e guitarras.

Como no livro Metallica e a Filosofia, de William Irwin, no qual filósofos e amantes da banda discutem e questionam teorias filosóficas a partir das letras das músicas - "de acordo com Platão, as artes imitativas (em especial as tragédias) podem ter um efeito saudável sobre a alma, purgando o indivíduo de emoções destrutivas". Aliás, as letras de Hietfield são verdadeiras poesias e não devem nada aos clássicos de grandes nomes do rock como The Doors, Beatles e U2.

O grupo largou as drogas e a bebedeira e depois de onze anos sem pisar em solo brasileiro, fez um espetáculo vigoroso, apresentando um disco muito bom, o Death Magnetic, depois de uma fase sem tantos louros. O repertório também contou com clássicos que consagraram o Metallica, como One - responsável pelo ápice do show.

Nesta hora o céu de São Paulo poderia desabar que nada pararia o Metallica. Com uma queima de fogos que levou aos fãs a sensação de estarem na frente de batalha, os versos de One rasgaram a garganta de cada um presente no estádio.

O show prosseguiu animado e eu já não sabia de onde vinha meu fôlego ao cantar Enter Sandman. Perfeito! Simpáticos, voltaram para o bis e, atendendo a pedidos, encerraram o show com Seek and Destroy. Depois de mais de duas horas, a sensação que tomou conta dos fãs foi a de que o Metallica voltou melhor, mais rápido e tocando com  uma vitalidade invejável. Resumindo, este foi um dos melhores shows de heavy metal da minha vida.

Quem é a colunista: curiosa e bem-humorada. Adora conhecer gente e é apaixonada por cultura, principalmente cinema, teatro, música e quadrinhos.

O que faz: é jornalista.

Pecado gastronômico: chocolate e bacon. Em refeições separadas, obviamente.

Melhor lugar do mundo: aquele que reúne boa música, meus amores e meus amigos.

Fale com ela: nathalya @comtatos.net, no blog ou acesse seu twitter

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças