Guia da Semana

Isolado de si mesmo

Leia a crítica do espetáculo O Inverno da Luz Vermelha, que conta com André Frasteschi, Marjorie Estiano, e Rafael Primot no elenco

Foto: André Gardenberg

Aspecto próprio do mundo civilizado, a solidão se desenvolve desde sempre como fruto inerente ao homem urbano. O perder-se dentre as artérias das cidades, a boemia do início do século passado, desprovida de companhias outras que não a poesia e a arte, o enclausuramento ideológico pós-guerras... Esses e tantos outros aspectos trouxeram à literatura e ao homem a compreensão de ser a solidão algo maior do que o existir só. Mas Trouxe também sua utilização como discurso e problematização acerca da realidade a partir de uma observação crítica.

Hoje, a solidão atua em níveis mais descontrolados pelo sujeito, que ora se vê sozinho ora se prefere assim. A troca da relação direta pela virtualização determina ainda mais perigos, sobretudo o da ilusão de ser possível reverter conscientemente o isolamento. Afinal, basta ligar o computador para se encontrar ou ser encontrado e deixar, assim, de se estar só. A solidão funda a condição do homem contemporâneo e determina a sua subjetividade um existir limitado a ela.

A ilusão de que optamos pela solidão traduz-se na incapacidade de revertê-la. Usamos da artificialidade do autoconvencimento para acomodar-nos e fingir desconhecer a impossibilidade de reverter nosso isolamento. E construímos nossas personas limitadas a uma camada de apresentação, como se fosse verdade ser apenas o que se revela ao outro e do outro o que enxergamos tão claramente. Esse achatamento sobre nossa identidade reflete mais do que sua banalização, traduz, sobretudo, a distância em dialogarmos com as multiplicidades.

Sobre a construção de identidades isoladas, existe a superficialidade de uma camada representativa, reduzindo o sujeito ao imediatismo de sua leitura, que Adam Rapp elabora nos personagens de Inverno da Luz Vermelha. Isolados neles mesmos, convivem à solidão de suas próprias vidas, incapazes de chegar no outro.

A distância, formalizada sob a subjetividade de uma geração acostumada a ser apenas assim, revela o sofrimento daqueles que não encontram outras maneiras de existir. A prostituta (Marjorie Estiano), cuja identidade trai a si própria ao se vender o personagem da mulher qual desejaria ser, o músico (André Frateschi), que impõe a destruição sobre qualquer envolvimento que lhe obrigue a se revelar diferente ao estereótipo que construiu de si, e o escritor (Rafael Primot), em fuga de si mesmo, que encontra apenas em sua história os artifícios para sua escrita.

O Inverno da Luz Vermelha cruelmente explode a condição solitária do homem naquilo que mais reconhecemos como contrário a ela: o amar. O encontro entre as pessoas leva-as ao ápice da condição de solitárias. Não é possível se aterem a qualquer sentido de encontro, pois não cabe mais ao homem o partilhamento sequer de seus sonhos e desejos. A peça invade nossos segredos e aponta o dedo sobre os esconderijos, onde guardamos nossos verdadeiros eus.

A coesão dos atores faz do que poderia ser um argumento juvenil e pessimista, um jogo de representações, de capacidades e entregas valorosas. São jovens talentosos em busca de algo que reclame ao mundo suas existências. Além disso, a escolha de um texto como de Rapp dialoga, com coragem e generosidade, as incertezas dos discursos. Um trio que se mostra disposto a romper a solidão fácil do teatro burguês e sua aceitação prévia, e, com lágrimas, ao fim, se deparar ao público. André, Marjorie e Rafael trouxeram de si os argumentos que nos prendem por quase duas horas nas poltronas, reclamando por um pouco mais.

Trabalho de uma eficiente direção que, igualmente, incomoda suas idiossincrasias e deixa serem os atores a estrela do espetáculo. Monique Gardenberg, como já revelou em seus trabalhos anteriores, sabe construir a cena e nela impor sua marca. Desta vez, a diretora doa sua criação para que algo a mais possa surgir, permitindo ao teatro, como raramente é feito, o argumento para nos aproximar o humano. Se Rapp enxerga na solidão do homem sua condição existencial, Monique e o elenco fizeram da manifestação teatral a contramão desse argumento. É possível, sim, reencontrar-se e estar junto ao outro, ainda que seja por duas horas, separados em poltronas vermelhas. Vermelhas, como curiosamente, já nos indicava o título do espetáculo, enquanto o inverno se revela no interior da solidão de cada espectador.

Leias as colunas anteriores de Ruy Filho:

A favor, seja como for
 
Apito final?

Espelhos no Escuro

Quem é o colunista: Ruy Filho.

O que faz: Diretor e dramaturgo.

Pecado gastronômico: Carpaccio de pato do Piselli.


Melhor lugar do Brasil: Salvador fora de temporada.


Fale com ele: ruyfilhosp@yahoo.com.br ou acesse o blog do autor

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças