Guia da Semana

Jovem Mídia

Gravadoras e empresas vem utilizando a jovem mídia para investir em divulgação e incentivar a legalização da música digital

Foto: Getty Images

Para ter acesso ao conteúdo do e-card, basta fazer um breve cadastro no site indicado e fazer o download no seu computador

Desde que se popularizou o método de baixar canções pela internet, ficou praticamente impossível pensar que o mercado de mídias musicais, como CDs e DVDs, teria uma reviravolta. O fôlego novo desse filão são os e-cards. Essa é a aposta das gravadoras e empresas para divulgação de produtos ou promoções; além de ser uma alternativa para burlar a pirataria e oferecer música ao público gratuitamente.

Com as mesmas formas de um cartão de crédito, mais parecido com uma carta de baralho, cada mídia apresenta códigos únicos ou raspadinha. Você pega a série de números, digita no site indicado e baixa o conteúdo disponível, que pode ser música, clipes ou vídeos. O cartãozinho é o formato mais usado para o mercado da música, mas se tratando de promoções institucionais, já foi possível colocar um e-card até em caderno escolar. "Já o produzimos em forma de crachá, como brinde para os ovos de Páscoa da Lacta, na garrafinha de Coca-Cola e como raspadinha no caderno da Hannah Montana", informa Eduardo Almeida, um dos sócios da Coolnex Entretenimentos, que a pioneira em produção de e-cards no Brasil.

Foto: Divulagação Sony Music Brasil

Essa é a frente do e-card distribuído no show da cantora Beyoncé, em São Paulo

Os primeiros

Zeca Pagodinho foi o cantor que estreou o uso dos e-cards no país. Um cartãozinho promocional divulgou a música Dona Esponja, durante o último lançamento do cantor: Acústico MTV Zeca Pagodinho 2 Gafieira, pela Universal Music. A dupla sertaneja João Bosco e Vinícius também já fez uso dessa nova mídia. Em abril, a Sony distribuiu dez mil e-cards em um show dos cantores no Villa Country, em São Paulo. "A distribuição dessa mídia torna-se um diferencial para o show e uma lembrança tangível para os fãs", fala Claudio Vargas, diretor de novos negócios da Sony Music Brasil.
 
Ele ainda explica que a gravadora personalizou o seu e-card, chamando-o de MusicTicket+ e lançou a novidade, em parceria com a Coolnex, no início do ano no show da Beyoncé, em São Paulo. Na sequência, houve a estreia do filme High School Musical no cinema, em que muitos receberam o card para fazer o downlond do making off do longa e de imagens para usar em blogs ou redes sociais. "Já fizemos também para a turnê da ISA TKM no Brasil e acabamos de lançar o primeiro card gospel do cantor Michael W. Smith", comenta Vargas.

Foto: Divulagação Sony Music Brasil

Atrás do cartão de música promocional da turnê da ISA TKM havia a raspadinha para pegar o código e todas as intruções de uso

Prós desse formato

Com o público, o sucesso dos e-cards já foi comprovado e muito requisitado, virando até objeto de desejo dos fãs. Foi o que aconteceu com os da Beyoncé. Os cartões foram distribuídos somente em São Paulo e um deles chegou a ser muito disputado no site de compras e vendas, Mercado Livre.

Mais que uma ferramenta de entretenimento, os e-cards são tratados com muita seriedade e com uma alternativa concreta de trazer novamente o contato físico do público com o material do artista ou da marca. "É o casamento perfeito entre o material digital com o físico", define Almeida. Além de ser uma maneira de legalizar as músicas digitalizadas, pois há um contrato de uso do conteúdo do iMusica, que é a primeira empresa da América Latina a oferecer música totalmente certificada por meio da internet, usada para fins comerciais.

Os e-cards também podem atender as necessidades do cantor que está começando sua carreira, pois seu custo inicial é baixo. "Pagamos de R$ 0,49 a R$ 0,99 por cada música para as gravadoras, com as quais negociamos o pacote. Com mais a parte gráfica e o serviço, o custo é de R$ 1.200,00 para a produção de 1.000 e-cards", fala um dos idealizadores do Coolnex Card.

De acordo com Vargas, em 2009, a venda de música digital na Sony Music Brasil cresceu 39% e, hoje, representa mais de 15% do seu faturamento. "Os planos da gravadora é continuar investindo no formato para torná-lo cada vez mais popular, já que o entretenimento online é uma realidade em ascensão", expõe.

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças