Guia da Semana

Mallandragem no palco

Com um currículo que acumula príncipe em filmes da Xuxa, jurado de calouros no Silvio Santos e programas infantis, Sérgio Mallandro leva suas histórias ao tablado e lota o teatro

Há alguns anos era comum vê-lo na telinha. Hoje em dia suas piadas caricatas e os jargões clássicos como "rááá", "yeah yeah" e "glu glu" invadiram os palcos cariocas e Sérgio Mallandro, 53, se tornou a mais nova cara do stand up nacional. Em temporada no Teatro dos Grandes Atores, no Shopping Barra Square, o apresentador/ator/comediante se rendeu ao gênero, que pelo visto deu certo, já que acaba de estender a temporada de apresentações de Sem censura

Sérginho compõe seu espetáculo de forma dinâmica e interativa com a plateia. Composto por todas as idades, estilos e gostos, o público que o viu na TV comandando a Oradukapeta e Show do Mallandro, agora cai na gargalhada a frente do tablado.

Feliz com o sucesso das apresentações e com planos de voltar à TV, Mallandro bate um papo com o Guia da Semana e revela que vive a fase mais feliz de sua vida e que participaria do reality A Fazenda 3. Confira!    

Guia da Semana: Quando teve a ideia de seguir no stand up?
Sérgio Mallandro: Uma amiga que mora em Los Angeles fez contato comigo e disse que lá vários humoristas ficavam contando suas histórias e eram um sucesso. Logo em seguida, alguns humoristas como Marcelo Adnet e Fábio Rabin me convidaram para fazer pequenas participações em seus shows. Algumas empresas começaram a me chamar, até que fui convidado para o teatro. Fez sucesso, chamaram para sexta e sábado, estou até hoje e acabo de estender a temporada que começou em janeiro.

Guia da Semana: Em que são inspiradas as histórias que você conta?
Mallandro: Coisas de bastidores, de gente que me para na rua, de como vive o Sérgio Mallandro. Por exemplo, se eu peço uma informação, as pessoas pensam que é uma pegadinha. Falam "yeah yeah", "glu glu", é muito comum isso. Na peça, falo de um dia que eu fui num velório e ninguém conseguia me olhar, porque riam, comento de passagens minhas com a Xuxa, com o Silvio Santos, uma confusão que tive com o Maradonna em um camarote, além de fatos do cotidiano, relacionamentos, etc. 

Guia da Semana: Para você que é comediante há anos e acabou de entrar para esse ramo do teatro, qual o maior desafio em fazer ao vivo com uma plateia?
Mallandro: Sou um cara do palco. Faço muitos shows para a galera de universidades, aniversários, festa de formatura. Mas estar dentro de um teatro, com um público menor, que compra ingresso e quer se divertir é diferente. É muito mais concentrado. Na hora que faço uma graça, já recebo uma resposta imediata. Interajo com a plateia, levo pessoas no palco, ele é uma coisa sagrada. Eu nunca tinha feito e estou muito feliz com a filosofia e aprendizado que estou tendo.

Foto: Divulgação


Guia da Semana: Nas suas apresentações a plateia varia desde jovens, adultos e idosos. A que você credita tamanha diversidade?
Mallandro: Estou na TV há 29 anos. Nesse tempo fiz programas para crianças que hoje são universitários, recém-formados e tem faixa etária mais elevada, por isso engloba tanto. No teatro vai uma galera de até 40, 50. Outro dia foi uma senhora de 83 anos. Até parei o show, perguntei se ela havia entrado no teatro errado e ela disse: "Não, não, eu cresci com você". Caí na risada, a galera bateu palma, fizemos uma homenagem.

Guia da Semana: Você comandava um programa infantil e depois passou a comandar atrações mais adultas, como foi essa passagem?
Mallandro: Fiz programas para crianças de 86 a 96. Depois disso, entrei para outro estilo. Implementei as pegadinhas, mudei o formato e apenas fui fiel ao meu público, que cresceu. Antigamente fazíamos a porta dos desesperados e quem participava ganhava um vídeo game, uma bicicleta. Hoje em dia eles querem ganhar um engradado de cerveja, uma malandrinha que dance para eles.

Guia da Semana: Tem vontade de ter novamente um programa na TV aberta?
Mallandro: Tenho, inclusive no cinema também. No fim desse ano vou participar de um outro projeto na telona. Recentemente recebi uma homenagem (o curta-metragem Ópera do Mallandro, de 2007) do Caetano, Wagner Moura, Lázaro Ramos, Lucio Mauro Filho e outras pessoas sensacionais. Tenho um projeto para TV que é muito maneiro, estou apresentando para algumas emissoras e vendo onde se encaixa melhor. Daqui a pouco eu volto.   

Guia da Semana: Você acompanha os programas da atualidade? 
Mallandro: Gosto muito do Pânico, participo às vezes. Brinco muito com eles. Vejo o Sílvio Santos, participo também de vez em quando com ele. Vou apresentar em breve meu stand up no Programa do Jô, vejo sempre o Marcelo Adnet, na MTV. Me agrada a programação atual, tem muita coisa boa. O que está em alta hoje são os realitys shows. Eu até apresentaria um, se jogassem na minha mão eu faria.

Foto: Divulgação


Guia da Semana: Algumas pessoas te consideram um ícone da TV. Como você encara esse tipo de visão e como se vê nos dias de hoje?
Mallandro: Eu estou vivendo o melhor momento da minha vida. Saio na rua e recebo muito carinho das pessoas. Só colho os frutos de um bom trabalho que plantei e quero colher ainda mais. Sou sempre convidado para participar de festas dos anos 80, os lugares ficam lotados de gente gritando meu nome, não há como não se emocionar. Esse é o grande barato da vida.

Guia da Semana: Acha que a era da Internet é fundamental para um artista nos dias de hoje?
Mallandro: Com certeza. Hoje em dia um artista precisa rebolar para sobreviver. Tira uma foto com alguém em um aeroporto, por exemplo, em um minuto já está no computador e isso expõe muito mais. Não se pode fazer nada errado, pular cerca, tem que ficar mansinho e não dar moleza. Estão todos monitorados.

Guia da Semana: Falando em monitorar, alguns veículos afirmaram que você participará do reality show A Fazenda 3, na Record. Já está confirmado? Não se incomodaria em ser vigiado 24 horas?
Mallandro: Ninguém me convidou oficialmente, mas se rolar eu vou estudar a proposta com muito carinho, afinal é um programa muito legal. Já sou vigiado 24 horas por dia, é só sair na rua que todo mundo olha. Agora, dentro de casa já não sei, eu sou meio louco. Colocar aqueles bichos para dormir, cuidar de tudo lá dentro. Acho que eu seria expulso da Fazenda. Mas é uma experiência nova, seria muito engraçado.

Atualizado em 8 Fev 2012.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças