Guia da Semana

Mr. Big

O vocalista interagiu com o público, mandou super bem nos hits da banda e finalizou com Smoke in the Water, do Deep Purple

Foto: Taiz Dering

Paul Gilbert, guitarrista do Mr. Big

"O Aerosmith vai ter que trabalhar muito para superar este show", foi o comentário que ouvi saindo da apresentação que o Mr. Big fez no HSBC Brasil, em São Paulo, no dia 9 de julho. Não pude deixar de concordar, apesar de ser muito fã da banda de Steven Tyler.


Pouco conhecida por aqui - a banda tem duas ou três músicas que chegaram às paradas brasileiras, como To Be With You e Wild World (originalmente gravada por Cat Stevens) - o grupo é adorado por fãs de hard rock de qualidade, que lotaram a casa de shows para conferir pessoalmente a genialidade de Paul Gilbert (guitarra) e Billy Sheehan (baixo). Não é à toa que o último foi eleito Melhor Baixista cinco vezes pela revista Guitar Player. Além do Mr.Big, o músico já tocou com diversas bandas e com David Lee Roth. Completa o time o vocalista Eric Martin e o baterista Pat Torpey, todos da formação original do grupo, que surgiu em 1989 em Los Angeles (EUA).


Esta é a segunda vez que o grupo se apresenta no país - a primeira foi em 1994 em Santos (SP). Apresentando o álbum What if..., de 2010, a banda passou também por Porto Alegre (RS). O show que o quarteto trouxe para São Paulo mostra que a banda está em plena forma depois de algumas pausas ao longo da carreira.

Depois da longa, porém empolgante apresentação do norueguês Jorn, o show começou com Daddy, brother, Lover and Little Boy às 23h. A galera vibrou já nos primeiros acordes de um dos grandes hits do grupo, a divertida Green-Tinted Sixties Mind. O grupo tocou também "pedradas" como Alive and Kicking e Take Cover, seguida pela apaixonada Just Take My Heart - hora que o vocalista Eric Martin confirmou que ainda é galã e arrancou suspiros da mulherada. Além do vocal poderoso, Martin também é um showman. Brincou com o público em diversos momentos, arrancando risadas quando disse que, se entoassem o "mantra" que ele propunha, todos teriam "chocolate e sexo" garantidos. O ponto alto do show, porém, estava reservado ao duo Sheehan - Gilbert, que fez solos inspirados e deixou os roqueiros da plateia boquiabertos. Muito bem-humorado, Sheehan chegou a vestir uma camisa da seleção brasileira, com seu nome e o número 10 bordados.

No bis, mais uma surpresa: o clássico Smoke on the Water, do Deep Purple, empolgou a plateia, que ficou extasiada ao ver os integrantes da banda trocarem seus instrumentos. Novamente, as meninas suspiraram por Eric Martin em To be with You, tocada no violão e cantada em uníssono pelos saudosistas dos anos 90. Mas o peso da noite ainda não tinha acabado - para fechar com elegância, o cover de Shy Boy, de David Lee Roth, comprovou que o grupo californiano realmente é referência quando o assunto é hard rock.


Confira o setlist do show:
Daddy, Brother, Lover, Little Boy (The Electric Drill Song)
Green-Tinted Sixties Mind
Undertow
Alive And Kickin`
American Beauty
Take Cover
Just Take My Heart
Once Upon a Time
A Little Too Loose
Road To Ruin
Merciless
Solo de guitarra
Still Ain`t Enough for Me
Price You Gotta Pay
Take A Walk
Around the World
As Far as I Can See
Bass Solo
Addicted To That Rush

Bis 1
To Be With You
Colorado Bulldog

Bis 2
Smoke on the Water
(Deep Purple cover)
Shy Boy
(David Lee Roth cover)

 

Leia as colunas anteriores de Vivian Ragazzi:

Autocrítica francesa

The Cult

No (outro) caminho das Índias

Quem é a colunista: Alguém que gosta de ouvir (e de contar) histórias.

O que faz: Jornalista.

Pecado gastronômico: Comida japonesa e qualquer prato que leve camarão.

Melhor lugar do mundo: Normalmente, me atraem lugares com culturas milenares, como Turquia, India, Marrocos...

O que está ouvindo no carro, iPod, mp3: Rock clássico, MPB.

Para falar com ela: vragazzi@gmail.com


 


Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças