Guia da Semana

Museu da Imagem e do Som

Depois de sete meses, museu reabre totalmente inovado

Ding Musa
MIS reabre as portas totalmente reformado
O Museu da Imagem e do Som de São Paulo (MIS) retoma sua programação a partir de 9 de agosto, após a conclusão do projeto de readequação e modernização de suas instalações. A Instituição, que desde novembro de 2007 está sob direção geral da curadora e crítica de artes visuais Daniela Bousso, apresenta uma proposta inovadora de atuação ao reassumir sua vocação de centro de produção, difusão, conservação, pesquisa e formação artísticas, com foco nas novas linguagens.

Um dos objetivos da reforma, desenvolvido pelos arquitetos Álvaro Razuk e Camila Fabrini, tem como foco capacitá-la para receber o público de maneira arejada e confortável, tornando lógico seu acesso e circulação. Uma das grandes mudanças foi a retirada do restaurante que ocupava a área interna da construção e no lugar foi instalado Espaço Redondo e o laboratório de novas mídias (LabMIS). Completa o projeto a implantação de uma marquise de ligação da calçada da Avenida Europa à nova entrada (que dá acesso à Midiateca).

Agora uma das prioridades da atual direção é diversificar a programação cultural. Desta forma, além de resgatar tradicionais festivais de cinema, vídeo e exposições de fotografia que consagraram o local como referência cultural na cidade, a partir da agora seus espaços físico e virtual terão eventos interligados. "Vamos trazer o MIS de volta à discussão cultural. Queremos o Museu como um ponto de referência para artistas, públicos diversos, críticos e produtores culturais, retomando a posição que o espaço já ocupou na cidade e na cena brasileira", afirma Daniela Bousso.

O web-site do Museu também volta ao ar após total reconstrução. Além de informar as programações culturais e educativas, em breve irá disponibilizar obras digitalizadas do acervo que será convertido em espaço de criação de novas linguagens, plataforma de programação e discussão virtual. Agregará o passado ao presente e ao futuro da instituição, promovendo o resgate da história, a organização e divulgação do arquivo de memória oral; concebido pela web artista Patrícia Canetti, com design de layout e arquitetura de interfaces assinados por Cláudia Duarte, e desenvolvido pela E-open, será a ferramenta que transformará o Museu em veículo de comunicação com o público.

NOVIDADES
Térreo (Acesso pela Rua Bucareste): Acervo (conta com mais de 300 mil títulos). Desde outubro de 2007, este material vem sendo levantado por Regina Davidoff e diagnosticado por uma equipe liderada por Gina Machado, especialista em preservação preventiva. Esta etapa fornecerá dados para que se possa definir a melhor política de conservação e também de doações futuras. A partir da definição da política para o material, será estruturada uma estratégia para captação de recursos para sua conservação e ampliação.

Térreo (Acesso pela Avenida Europa): Instalações da nova Midiateca (espaço composto por computadores, televisores, aparelhos de videocassete e DVD, títulos do Acervo MIS, além de publicações literárias, fitas cassete, DVDs, fotografias, filmes para serem consultados pelo público); Área de Acesso à Internet (com oito computadores que poderão ser utilizados pelo público); Espaço de Conveniência (com chapelaria); Atendimento Educativo. Ainda neste pavimento, o já existente Auditório MIS foi atualizado e equipado com projetores de última geração, sistema de som Dolby, projetores para exibições em película e tecnologia digital. Tem 150 lugares que atendem também pessoas com necessidades especiais.

Primeiro Pavimento: Com a remoção da Midiateca para o térreo, a área se ampliou (totalizando em uma área de 530 metros quadrados). Abrigará o novo Espaço Expositivo (destinado as principais exposições da casa) e Espaço Redondo (área de exibição exclusiva de projetos relacionados ao LabMIS). No mesmo pavimento fica instalada a equipe responsável pela Programação da casa, além do setor de publicações e comunicação.

Segundo Pavimento: LabMIS (laboratório de novas mídias). Dividido em: Sala de Workshop; Estúdio de Som; Oficina de Interfaces; Sala de Edição de Áudio e Vídeo; Lounge de Convivência (com acesso à internet sem fio); Auditório com capacidade para 70 pessoas.

Área Externa: Marquise de ligação da entrada principal à Avenida Europa, Bolsão de Estacionamento (com capacidade para 25 veículos).



MIS- Museu da Imagem e do Som

Atualizado em 2 Mai 2012.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças