Guia da Semana

Na poesia do samba

Dando continuidade ao centenário de um dos maiores sambistas cariocas, reestreia em São Paulo a peça Nöel Rosa, o poeta, o músico, o cronista de uma época

Foto: Cacá Bernardes

Glau Gurgel interpreta Noel Rosa nos palcos do Teatro Brigadeiro, em São Paulo

Com ele, o samba do morro desceu para o asfalto, conquistou as rádios e caiu nas graças da classe média que ainda torcia o nariz para qualquer criação do subúrbio. E foi fazendo muita graça que ele mostrou ao mundo o Feitiço da Vila, da Vila Isabel, onde ele nasceu, e bradou aos quatro ventos a Felicidade mesmo já sabendo que morreria cedo por sua saúde frágil.

Noel Rosa nasceu de um parto difícil que lhe causou um afundamento na mandíbula e aos 20 anos já sofria do mal do século passado e dos poetas românticos: tuberculose. Mesmo assim, não largou a vida boêmia, jogou muita Conversa de Boteco, se formou em Escola de Malandro e apaixonou-se por muitas mulheres. Casou-se, mas não esquecia a Dama do Cabaré e suas diversas amantes. Cronista do cotidiano fez sucesso ao indagar Com que Roupa? iria para o samba e celebrava a vida anunciando que quando morresse não queria choro nem vela, mas só uma Fita Amarela gravada com o nome dela.

O poeta da Vila viveu apenas 26 anos e com somente oito de carreira compôs cerca de 300 sambas que foram eternizados na história da música popular brasileira. Imprimiu novos ares ao ritmo e é influência assumida de nomes como Chico Buarque e Paulinho da Viola.

Do morro para os palcos

Foto: Cacá Bernardes

Além de diretora da peça, Cybelle Giannini também faz o papel de Dona Martha, a mãe do Noel

Não fica difícil perceber que Noel Rosa está para a música assim como a música está para Noel Rosa. E foi pensando nisso que Cybelle Giannini escreveu e dirigiu a montagem Nöel Rosa, o músico, o poeta, o cronista de uma época, que reestreia no Teatro Brigadeiro, em São Paulo. Depois de uma temporada curta em cartaz, em 2007 e 2009, o espetáculo conta a vida do cantor e compositor por meio de suas obras, que são explicadas à luz do fato que inspirou cada criação.

Das clássicas canções que fazem sucesso até hoje e foram regravadas inúmeras vezes às que de alguma forma retratam sua vida ou marcaram a história por sua crítica social integram o musical. São 42 músicas tocadas ao vivo pelo Grupo JB Samba, acompanhado dos tecladistas Reinaldo Sanches ou Renan Guazelli, e cantadas por 12 atores da Companhia Grita Absoluta, que se revezam no palco para interpretar os 42 personagens.

A peça mostra também seu drama familiar (o pai suicidou-se e seu irmão era epiléptico), os problemas de saúde e até a polêmica musical com Wilson Baptista - Noel ficou incomodado com a música Lenço no Pescoço, que fazia apologia à malandragem, e compõs a canção Rapaz Folgado. Em resposta, Wilson escreve Conversa Fiada e Mocinho da Vila, recebendo, como resposta de Noel, Palpite Infeliz. "Procuramos abordar tudo isso de uma forma mais leve porque ele mesmo já tratava assim, dizia que preferia viver intensamente a viver extensamente", explica a diretora Cybelle.

Foto: Luiz Roberto Gianinni

Além dos 12 atores do elencos, o Grupo GJ Samba toca ao vivo as 42 canções

Noel e seu último desejo

Para interpretar o franzino carioca, Glau Gurgel teve que perder seis quilos e ensaiar várias vezes com um anestésico tópico aplicado na bochecha para se acostumar a falar mais com um lado só da boca. Além do treinamento físico de colocar o queixo um pouco para dentro, neutralizar o sotaque cearense e adaptar o canto lírico de sua formação para uma versão mais popular, o ator teve que aprender também o andar tipicamente malandro do sambista.

Mais importante que tudo isso, segundo Glauber, foi assumir o que ele chama de "espírito Noel Rosa"."Para ele, nada era um problema sem solução. Por mais que a vida fosse séria e difícil, sempre era possível olhar por um ponto de vista positivo e brincar com isso, e assim a vida poderia ser mais leve", afirma.

Como um bom apaixonado que sempre foi, o poeta da vila fez seu Último Desejo em letra de música, dedicada ao grande amor da sua vida, a bela dançarina de cabaré Ceci, que nos palcos é interpretada por Aurea Giovanini - que faz também o papel da Araci Cortes, que canta a famosa Com que Roupa? E em ritmo de samba-canção, ele assume seu mais profundo Noel Rosa e pede que ela diga às pessoas amigas que lhe adora, que lamenta e chora a separação, mas às pessoas que eu detesto, diga sempre que eu não presto, que o meu lar é o botequim.

Confira a seleção do Guia da Semana de discos e livros para quem quer conhecer melhor a vida do sambista:

Arte: Fernando Kazuo


Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças