Guia da Semana

"Não sou pai-de-santo!"

Zeca Pagodinho cansou de usar terno branco e fazer samba "arrumadinho" e garante que o novo show vai ser "chapa quente"

Zeca quer voltar mais para o "povão" com o novo disco


Foi assim, assertivo e bem humorado, que Zeca Pagodinho sentenciou o fim do terno branco que marcou a turnê do Acústico MTV 2 - Gafieira. Com o recém-lançado Uma Prova de Amor, Zeca quer ficar mais à vontade, com o pé no chão, como canta nos versos de uma das faixas do álbum: "Todo sujeito pacato, dado à simplicidade / Quanto mais perto do luxo, mais longe ele fica da felicidade".

Para marcar a volta à fase "mais povão", como ele mesmo definiu, Zeca comemorou o lançamento do disco, em 27 de setembro, do jeito que mais gosta: com uma bela feijoada. Como também era dia de São Cosme e São Damião, o cantor resolveu homenagear os santos e distribuiu doces e brinquedos para as crianças na rua.

As gravações do novo trabalho foram marcadas por muitas parcerias e alguns momentos emocionantes. Além dos amigos de sempre, como Nelson Rufino, Serginho Meriti e Mauro Diniz, Uma Prova de Amor também contou com participações muito especiais, como João Donato em Sambou... Sambou e Jorge Ben Jor, que cantou junto com Zeca uma oração a Ogum. A Velha Guarda da Portela, sempre presente, gravou um pot-pourri com três de suas antigas canções.

O CD é dedicado a Regina Casé, amiga do sambista. Além de ter sido presença constante nos estúdios, a atriz ainda tocou todos os dias a faixa-título do disco para o pai, pouco antes de ele falecer. Regina assina até o release de divulgação do disco. Logo após terminar os ensaios para os shows da nova turnê, Zeca conversou com o Guia da Semana. Confira a entrevista abaixo!

Zeca garante que o novo show já vai começar "pegando fogo"


Você disse que queria voltar mais para o povão. O que é isso pra você, o que quis dizer?
Zeca:
Voltar mais eu, mais Zeca, tava muito arrumadinho! De terno, não sei o quê. Eu estava cantando muito paradinho ali. Cara, eu gosto de movimento, de cantar samba da antiga, de cantar partido alto. O Gafieira foi muito bacana, que levou uma roupagem que muita gente não conhecia do samba, deu uma moral pro samba. Mas eu gosto de voltar a cantar o Talarico (Ladrão de Mulher, do disco Um dos Poetas do Samba, de 1992), Não Sou Mais Disso (do disco Deixa Clarear, de 1996), voltar pra isso.

Mas é diferente então fazer samba para rico e samba para pobre?
Zeca:
Ah, é um pouquinho. O rico demora mais pra se animar, o pobre já chega animado. [fala arrastado, cantando] Não me incomoda, mas demora mais para o show esquentar.

Então o que a gente pode esperar desse novo show, o que vai ser diferente?
Zeca:
Agora é o chapa quente! Já vamos entrar pegando fogo! [risos]

Mas Zeca, pelo menos aqui em São Paulo, os preços dos shows não estão muito populares não...
Zeca:
É? Não sei... Isso aí eu nem sei, cara! Isso eu "tô" por fora, não é a minha parte.

E você vai continuar se apresentando de branco?
Zeca:
Ah, não! Cada dia eu sou um. Eu não vou ficar só de branco, não sou pai-de-santo, nem médico! [risos]

Quando você lançou o disco, você homenageou São Cosme e São Damião. Você tinha feito algum pedido pra eles?
Zeca:
Eu não peço nada, só peço saúde pra eu poder trabalhar.

O que foi mais emocionante durante a gravação desse disco: o que aconteceu com a Regina Casé, a oração para Ogum com Jorge Ben Jor ou gravar com a Velha Guarda da Portela?
Zeca:
Foi tudo muito emocionante. Mas o mais emocionante foi a história da Casé e a história do Ben Jor fazendo a oração, que foi do ca***** também! A Velha Guarda já grava comigo há 23 anos, essa emoção eu já tenho todo ano.

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças