Guia da Semana

No embalo do sertanejo

Mês de junho e julho trazem à tona a moda da viola.



Tradicional festejo católico comemorado no mês de junho, homenageia Santo Antônio, São Pedro e principalmente São João. De acordo com os historiadores, esta festividade foi trazida para o Brasil pelos portugueses ainda durante o período colonial. Na festa tem-se o costume de acender a fogueira, imagem em que a luz simboliza a sabedoria, a luz interior e o calor do amor.

As festas juninas foram as primeiras a desenvolver um repertório que resgata ainda hoje a tradição rural e os costumes caipiras. Neste repertório encontraremos uma variedade de influências, que se misturam de norte a sul do país, cada qual com suas peculiaridades, mas trazendo sempre à tona a influencia sertaneja que invadiu as cidades. Pude presenciar o show do artista Almir Sater, cantor e compositor que traz influência do folk americano, da música paraguaia, andina e resulta numa mistura muito bonita que dialoga diretamente com nossa alma. É um estilo musical que traz o regionalismo do artista e de sua terra natal como uma marca muito pessoal impressa nos arranjos.

Não se pode dizer que os elementos trazidos pelo show, foram coerentes com o universo caipira trazidos nas festas juninas em geral, apesar da viola e o do acordeão. É um estilo musical de diferentes influências que foram eternizados pela voz de outros músicos e me fez resgatar outros músicos expoentes, como Renato Teixeira e Renato Boldrin. É típico nestas festas juninas paulistas a interdisciplinaridade, desde a alusão ao universo dos boiadeiros, com o touro mecânico, assim como a alimentação tradicional de muitos países. Almir Sater trouxe a combinação de viola e boi tão perfeita como queijo e goiabada.

Natural de Campo Grande, Almir Sater o violeiro que traz em poesia os encantos pantaneiros, possui o espírito aventureiro e sereno. Chapéu de abas curtas, botas, cuia de mate na mão para tomar chá com raízes de carqueja e de outras ervas conhecidas por ele, pele morena do sol e a viola, viaja pelo Brasil para ganhar dinheiro. Quando vem a São Paulo para fazer shows, deixa seu rústico e acolhedor Murundu que ergueu nas barrancas do Rio Negro.

Ator de telenovela conquistou telespectadoras sonhadoras com seu ar romântico e viril, em sua primeira novela, Pantanal de Benedito Ruy Barbosa, reprisada agora pelo SBT, indicado por seu amigo Sérgio Reis para o papel de boiadeiro e violeiro Xeréu Trindade, que teria parte com o diabo na trama. O sucesso o trouxe de volta no ano seguinte, como protagonista de Ana Raio e Zé Trovão, escrita por Marcos Caruso, novela esta que mostrou a vida dos peões de boiadeiro nos rodeios pelo Brasil afora. Benedito o convidou para fazer O Rei do Gado, na Globo, em 1996, sua última aparição como ator. Nessa e na primeira novela, dividiu a cena como o amigo Sérgio Reis. A dupla funcionou tão bem no vídeo, como Saracura e Pirilampo, quanto nos discos e trilhas, que venderam como pão quente.

Quem é a colunista: Renata Bar Kusano.

O que faz: Publicidade e Propaganda na Faap, e estudante do último ano de teatro na Escola Célia Helena e participo de oficinas de criação.

Pecado gastronômico: Massas, todas suas formas e seus molhos.

Melhor lugar do Brasil: Jericoacoara (CE)

Fale com ela: rebarkusano@gmail.com

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças